segunda-feira, 23/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Notícias » Resenha: “Estrela Píer”, de Kamila Denlescki

Resenha: “Estrela Píer”, de Kamila Denlescki

Livro: Estrela Píer – o tempo, a chuva, o outro
Série: Estrela Píer
Autora: Kamila Denlescki
Editora: Novo Século
Páginas: 235
Resenha por: Nina Lima
Comprar: Saraiva Cultura Submarino

Lucia tem uma vida monótona e previsível até vencer o concurso mais cobiçado do momento. Não apenas ganha uma viagem para Londres, como também um jantar com o ator inglês Richard Clevehouse.

O que era sorte, entretanto, muda de cor. Richard, o belo ator de olhar sombrio, guarda um segredo: a vida de Lucia corre perigo. E ele fará de tudo para protegê-la, mesmo que, em troca, tenha de sofrer muito mais do que espera.

Das certezas, apenas uma: Não há para onde fugir!

Imagine você e sua pacata vida de repente sofrerem uma mudança radical – e tudo isso por causa de um destino do qual não se pode/consegue/quer fugir? Conseguiu? Pois então você está bem próximo do que é a aventura de Lucia Píer Eli. Ela não sabe muito dos pais, só que eles a deixaram com a avó, Marisa, quando ela ainda era pequena demais para perguntar ou entender seus motivos. Tudo o que lhe restou foi o seu jeitinho não muito gracioso de ser, sua avó e e sua irmã, Lara. De bibliotecária de vida amorosa falida, Lucia vê sua vida dar uma guinada total ao ganhar uma promoção da Sexy Diva, cujo prêmio era conhecer o lindo bad-boy e queridinho de Hollywood, Richard Clevehouse. Mas o que parecia ser um grande golpe de sorte para Lucia, de repente se torna um (quase) pesadelo. Um monte de confusões, perseguições, fugas, aventuras! E a chance de conhecer esse sentimento até então não explorado, o amor.

Confesso que me perdi um pouco durante o decorrer do enredo, pois algumas coisas acontecem rápido demais e ficam sem resposta. Mas a adrenalina é tanta que não dá para desgrudar os olhos até que… fim. Acabou. Foi tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo que não deu tempo de ver as páginas virando e o livro chegando ao fim. Quanto à coerência, é difícil avaliar exatamente se a intenção da autora do início ao fim do livro era exatamente a mesma, pois novos elementos eram adicionados durante os capítulos, e por mais absurdo que parecessem de início, eles não destoavam da trama que já havia sido tecida.

A narrativa em primeira pessoa, na minha opinião, te faz sentir parte da história e eu sentia as emoções de Lucia Píer Eli como se eu fosse a própria, tão detalhistas eram os seus relatos, e muito embora conseguisse me colocar no lugar dela, Lucia não foi o meu personagem favorito. Não que ela seja uma personagem mal construída, mas acredito que poderia ter sido aprofundada, um pouco mais dramática e descontrolada. Nada contra personagens calmos, mas prefiro aqueles que fogem da razão.

Meu personagem favorito é Richard Clevehouse. E não só por ser descrito como o sujeito com pinta de vilão, com seus carrões e cabelos provocativamente bagunçados. Rick, para os íntimos (como Lucia e eu hahah), é um personagem bastante complexo e não da forma “Edward Cullen” de ser, vista em várias resenhas que eu li antes de ter a oportunidade de conhecê-lo com meus próprios olhos. Acredito que ele deva se sentir muito frustrado por ter sido desarmado em apenas um olhar para aquilo que se preparou a vida toda: Lucia. Chegaria a ser triste, caso o mocinho-vilão não tivesse disposto a mover céus e terra (literalmente) para manter Lucia longe de seu rival, Kim Laurel.

Tocando nos aspectos negativos, acho que as respostas vagas de Richard a respeito do que acontece após o “rapto” de Lucia são pontos que poderiam ter sido melhor desenvolvidos, como exemplo o trecho do livro (que ela afana) no qual Lucia diz que viria a descobrir mais tarde o significado das palavras e ficaram perdidos no tempo e me deixaram furiosamente curiosa hahhaah

Para concluir, Estrela Píer é uma excelente chicklit nacional, digna de muitos méritos: livro de estréia de uma autora bem jovem (e muito fofa!), que consegue encantar o leitor com doses de aventura, comédia e muito romance, de uma forma completamente nova e não convencional!

E de uma coisa eu estou certa: essa aventura não chegou ao fim.

Sobre Patoka

Fotógrafa especializada em shows, já captou com suas lentes momentos dos shows várias bandas. Essa paixão por música e fotografia a levou a abrir o CFOS. Quase infartou quando suas fotos apareceram na página oficial do Black Label Society e foram descritas como “killer shots”! Já fez produção de palco em festivais musicais e eventos, mas atualmente prefere deixar isso para os profissonais.

6 comentários

  1. Adorei essa resenha ^_^
    Eu amei o livro quando li, e meio que surtei quando acabou. Espero que tenha uma continuação logo…

  2. Dri# montenegro

    Eu já li o livro ..e concordo com a resenha tem pontos que não ficaram esclarecido.. Vai ter continuação?.. porque o final.. e de matar de curiosidade!

  3. Oi, Dri! A Kamila me disse que tem continuação sim! Só que ainda não tem previsão pro lançamento! Obg pelos comentários fofos! Beijos

  4. amei a resenha, quero ler e muito esse livro, fiquei c vontade…

  5. Adorei essa resenha , me deu mais vontadae de ganhar o livro …….pensamento positivo…

  6. AMEI o livro, tão viciante quanto crepusculo e livros do gênero!
    Estou morta de curiosidade, o livro tem que ter continuação, é muito bom *-*

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*