terça-feira, 17/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Notícias » Resenha: “Coração apaixonado”, de Chelsea Cain

Resenha: “Coração apaixonado”, de Chelsea Cain

Livro: Coração Apaixonado
Série: Archie e Gretchen
Autor (a): Chelsea Cain
Páginas: 320
Editora: Suma de Letras
Resenha por: Bruna
Skoob: Adicione na sua estante
Comprar: Saraiva E-book Cultura Submarino

Um policial. Uma psicopata. A obsessão de um homem pela mulher que destruiu a sua vida.

– Quero ver você.
Ele podia ouvi-la respirando. A respiração prolongada e suave apenas fazia sua própria respiração parecer mais estrangulada.
– Em breve – disse ela.
– Então você ainda está na área? – perguntou Archie, olhando de relance para Henry para se certificar de que ele ouvira.
Ele inspirou novamente, e expirou.
– Quero ficar perto de você.
– Onde você está? – perguntou Archie.
– Onde você está?
(…)
– Gretchen – disse Archie. – Não mata mais ninguém, está bem?
(…)
A linha ficou muda e Archie permaneceu sentado com o telefone na mão, só então percebendo que o estava apertando tanto que seus dedos doíam.

Coração Apaixonado é a continuação do arrebatador Coração Ferido (resenha aqui), da autora Chelsea Cain. Assim que terminei o primeiro livro tive a sensação de que, de alguma forma e claro, levando (muito!) em consideração o título do livro que é aparentemente “meigo”, o segundo volume seria mais fraco. Fiquei feliz de constatar que estava redondamente enganada: a continuação da história é tão empolgante e cruelmente real quanto o seu início.

A história começa com um corpo de uma jovem garota morta, encontrado em Forest Park, Portland. Archie imediatamente relembra da última vez que encontrou um corpo naquele lugar: há mais de uma década atrás, a primeira vítima da serial killer Gretchen Lowell, também conhecida como Beleza Mortal. A princípio, o novo assassinato nada tem a ver com Gretchen, que está na prisão. Entretanto, a investigação toma novos rumos depois que a repórter Susan Ward descobre a identidade da jovem e a suposta ligação desse crime com importantes figuras do governo.

Porém um imprevisto dá real dimensão ao caso: Gretchen Lowell escapou da prisão. A essa altura, o detetive Sheridan já não consegue se concentrar em outra coisa além de sua obsessão por Gretchen, que ele não vê desde que voltou para a casa em que vivia com a esposa e os filhos. Seus esforços para reconstruir a vida familiar não conseguem ser mais fortes do que as marcas deixadas nos dez dias de tortura que passou nas mãos da psicopata. Archie precisa, de uma vez por todas, encontrar um meio de eliminar a ameaça que a serial killer representa para a comunidade local, para sua família e para sua própria sanidade mental.

A autora consegue manter o ritmo da história, porém, em Coração Apaixonado, senti uma certa enrolação em alguns pontos, um excesso de descrição ou de fatos que são aparentemente descartáveis. Mas no final, a maioria dessas informações acabaram sendo relevantes, mesmo alguns pormenores que não parecem fazer muito sentido. Por isso leia o livro atentamente… o mais banal dos diálogos pode conter uma informação importante para um futuro ponto no livro.

Todas personagens que nos foram introduzidas no primeiro volume, continuam nessa sequência, o que facilita o fácil reconhecimento das tantas personagens da saga. Por serem personagens já conhecidas, Chelsea Cain aprofunda-se na personalidade de cada um, revelando fatos sobre as personagens e as transformando ao longo da narrativa. Em alguns casos fica mais claro o porque de certas atitudes tomadas, que a princípio parecem terem sido feitas no impulso. O Detetive Archie Sheridan continua com seu vício em analgésicos, porém cada vez mais debilitado, sem claro, deixar transparecer para seus colegas e familiares e, mais uma vez, Chelsea Cain nos deixa sem argumentos para julgar as atitudes de Sheridan.

No caso de Gretchen Lowell, chegamos perto de ver um lado quase, vejam bem… QUASE, humano da personagem. A sagacidade da serial killer é imensurável e confesso que cada vez mais torço pela personagem, apesar de sua frieza assassina. Gretchen é aquele tipo de personagem paradoxal que você adoraria conhecer e ficar cara-a-cara, apesar do horror que ela causa em você e mesmo sabendo que esse encontro pode custar a sua vida. E com a sua fuga da prisão, podemos ver a serial killer em ação, coisa que não vemos em Coração Ferido.

A participação da jornalista Susan Ward também é fundamental para a história. Agora com os cabelos tingidos de Turquesa Atômico, Susan se torna uma das principais chaves para o desenrolar da história e solução dos crimes. Temos também uma participação maior da mãe de Susan, Bliss, nesse volume, e sua personagem trás um caráter cômico para a história. Nada que faça o leitor rolar de rir pelo chão, mas serve como um alívio da narrativa e a autora sabe utilizar o recurso muito bem, nos mais inusitados momentos. Outro detalhe interessante da personagem de Susan, é que por ser uma jornalista que trabalha praticamente paralela aos casos de Archie e Henry, é que podemos perceber, no pano de fundo da história, o quanto o trabalho da imprensa é sujo, muitas vezes censurado – pelos mais débeis motivos – e muitas vezes complicado de se exercer.

Outro ponto positivo do livro é o fato de que ainda temos revelações avassaladoras e ações inesperadas, mesmo depois do clímax do livro. Impressionante a maestria da Chelsea Cain para escrever finais bombásticos! Com certeza já se tornou uma das minhas autoras favoritas! Deixo vocês com uma frase da autora sobre a obra. Reflitam e boa leitura!

“Esta é uma história de amor na medida em que estas duas pessoas têm obsessão uma pela outra. Não é saudável. Não é romântica. Mas há nela uma intimidade que é semelhante ao amor, ou ao que se entende por amor em relacionamentos manipuladores, violentos, terrivelmente conturbados” – Chelsea Cain

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

4 comentários

  1. Muito boa a resenha! Também muito interessante a história do livro. Fiquei muito curiosa para lê-lo. Obg.

  2. Valentina Albuquerque

    – Engraçado como a opinião da autora sobre o livro me remete a música “Love The Way You Lie” Eminem ft. Rihanna. Mesmo teor obsessivo e destrutivo.

  3. Ótima comparação Valentina! É bem isso mesmo a relação dos dois.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*