quinta-feira, 12/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “A queda”, de Garth Nix

Resenha: “A queda”, de Garth Nix

Livro: A Queda (#01)
Série: A Sétima Torre
Autor: Garth Nix (@garthnix)
Páginas: 206
Editora: Nova Fronteira
Tradução: x
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Saraiva Cultura

O céu vai vir abaixo.

Tal viveu toda a sua vida na escuridão. Nunca saiu de seu lar, um misterioso castelo de sete torres, e não percebe a ameaça que irá separá-lo de sua família e do seu mundo.
Mas Tal não pode ficar a salvo para sempre. Quando chega o perigo, ele precisa desesperadamente escalar a Torre Vermelha para roubar uma Pedra-do-Sol. Ele alcança o topo mas… cai num estranho e desconhecido mundo de guerreiros, navios no gelo e magia oculta. Lá, Tal faz um inimigo que irá salvar sua vida – e que possui a chave de seu futuro.

Sabe aquele ditado popular que diz que não devemos julgar um livro por sua capa? Então, “A Queda” definitivamente é um excelente exemplo para ilustrar esse ditado. Com uma história incrível, que se passa em um mundo muito bem construído pelo autor, tirei todas as impressões ruins que eu fiquei ao ver a capa do livro – que eu achei beeeeeeem feinha, apesar de capturar bem a essência da história.

O livro se passa em um mundo completamente diferente do nosso, uma premissa diferente dos YA Books que andam fazendo sucesso entre os leitores ultimamente. Esse mundo é bloqueado por um Véu mágico que barra a luz do sol e deixa o mundo imerso em uma grande escuridão. “A Queda” conta a história de um garoto chamado Tal – achei hiper-super-mega estranho o nome do protagonista e só me acostumei lá pelo meio da história. Tal vive – literalmente – dentro de um Castelo que possui sete torres, cada uma de uma cor diferente, em que vive em uma sociedade de castas, dividida por cores também. Tal é um Escolhido dos Laranjas e possui uma sombra-guardiã, sendo que a casta mais baixa, acima do Povo Inferior é a Vermelha, subindo até a Violeta.

A história começa a ser contada pela metade, no Capítulo Zero, contando ao leitor que Tal e sua sombra-guardiã estão escalando a Torre Vermelha, além do Véu, para roubar uma Pedra-do-Sol Original para sua família. Porém ao se encontrar com um Espírito-Sombra, Tal acaba caindo e vai para muito além dos muros do Castelo, tendo sua queda amenizada por sua sombra-guardiã.

Então o livro se divide em duas partes. A parte do “antes”, na qual descobrimos como Tal foi parar na Torre Vermelha em busca da Pedra-do-Sol e descobrimos por que ele precisava tanto de uma dessas. E a parte do “depois” em que acompanhamos as aventuras de Tal depois que ele caiu da Torre, muito longe de seu castelo – a parte em que conhecemos a irritadiça Milla, uma Caçadora dos Homens-do-Gelo, cujo instinto é eliminar Tal. Mas devido a alguns acontecimentos (que eu não vou contar pra não dar spoiler), ambos devem sair juntos em uma missão.

É legal ver a relação de Tal com Milla e como ele compara para si mesmo a postura das atitudes da menina, apontando as diferenças entre as distintas sociedades em que os dois cresceram. Mas personagem que eu mais gostei foi Ebbitt, tio de Tal. Um velho doido, com ideias mais doidas que ele, que infelizmente aparece muito, muiiiito pouco. Mas fica a impressão de que será vital para o desenrolar dos livros futuros!

Gostei muito do enredo do livro que é bem curtinho, são só umas 200 páginas e o livro é menor do que o normal, tem tamanho de um livro pocket, mas que não deixa nada a desejar. Sem enrolações e descrições muito longas, o ritmo da leitura é estável. A coleção Sétima Torre definitivamente conta uma história de aventura, e nesse volume não há romance, apesar de existirem algumas indicações que possa haver um romance em livros futuros, mas creio que esse nunca será o foco principal.


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

4 comentários

  1. Já li todos os livros da serie , NÃO CONTÉM SPOILER.

    É uma ótima serie principalmente com toda a estrutura social e todo o universo presente. Se possível ler também Trilogia Abhorsen ,que embora não tenha os mesmos personagens e se passe quase num outro outro universo mantem inúmeras relações com essa trilogia como uma especie de origem de alguns atos e rituais dos personagens.

    Fica também o conselho da serie “As chaves do Reino” do mesmo autor .

  2. Ainda não entendi muito bem qual o universo completamente diferente do nosso, porque de certa forma, parece fazer referencias a várias coisas de nossa realidade certo?

    A dinâmica parace prender muito numa aventura diferente. Nesta linha (inclusive Infnto-juvenil) eu gosto bastante do livro “Gabriel Querubim e os guardiões do mundo dos sonhos”, que além de te ruma aventura até então inimaginada (Crianças que melhoram o mundo enquanto dormem) traz para discussão a função e o poder do pensamento!
    um leitor falando complica um pouco hehe, mas dá pra entender um pouco melhor aqui: http://gabrielquerubim.blogspot.com/

  3. Oi Antônio, acho que me expressei mal e acabei não sendo clara quando quis dizer que o universo é completamente diferente do nosso… veja, quis passar a ideia de que, apesar de ser um mundo parecido com o nosso, com castas, guerras, poder concentrado em uma maioria que domina a todos e etc, sabemos ao ler que não se trata do nosso planeta em alguma época de seu passado.

    Davi, eu adorei essa série e estou pensando em começar a ler a série das Chaves do Reino, do mesmo autor. Gostei muito da escrita dele!!!!

  4. Eu li apenas o primeiro e estou adorando!Também achei que o livro não seria bom por causa da capa mas a história é realmente incrível!E eu acho que é sim um universo totalmente diferente do nosso,pela presença de criaturas gigantes e assustadoras como os Selskis,o Merwin e os Espíritos-sombra.
    E outra coisa que queria dizer é que meu sonho é um dia encontrar um jogo de criaferas,que aparece no “antes” do primeiro livro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*