sexta-feira, 20/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Notícias » Resenha: “O poder do Súcubo”, de Richelle Mead

Resenha: “O poder do Súcubo”, de Richelle Mead

Livro: O Poder do Súcubo
Série: Georgina Kincaid
Autora: Richelle Mead
Editora: Essência
Páginas: 272
Resenha por: Mary
Comprar: Saraiva Cultura Submarino E-book

Seth Mortensen era tudo o que Georgina podia querer e tudo o que não podia ter. De que adiantou ter conquistado o namorado amoroso e estável que buscou durante séculos se o máximo que poderia fazer com ele era… ficar de mãos dadas?! Qualquer coisa menos inocente abreviaria a vida de seu amado. Afinal, Georgina é um súcubo!

Como se não bastasse ter uma vida amorosa desastrosa, seus dias no trabalho estão, sem trocadilhos, infernais. Seu colega Doug passa a ter um comportamento no mínimo estranho, e Georgina desconfia que seja efeito de algo mais poderoso que uma overdose de café. Para complicar, seu melhor amigo imortal, um íncubo tão irresistível para as mulheres como ela é para os homens, precisa de sua ajuda numa missão politicamente…. sedutora.

Georgina Kincaid é definitivamente uma das minhas protagonistas preferidas de todos os livros que já li. Ela não tem nada daquela mocinha indefesa e politicamente correta que precisa de um homem para sobreviver (bem, ela até precisa, mas vocês me entendem…). Outra coisa que adoro em Georgina é o fato de ela não ser aquela coitadinha excluída e relativamente feia que não consegue arranjar namorados. Ela é linda, todos os homens caem aos seus pés e o melhor é que ela sabe disso e se aproveita desse fato sempre que tem uma chance. Não é fácil encontrar heroínas com essas características nos romances atualmente porque, geralmente personagens com essas qualidades causam certa antipatia. Mas Richelle Mead, como fez em “A Canção do Súcubo”, o primeiro volume da série, consegue transmitir bastante bem a natureza de súcubo de sua protagonista. Georgina cativa muito o leitor. Ela é extremamente carismática e faz com que você sempre torça para que tudo que ela faça dê certo.

“O Poder do Súcubo” é ligeiramente melhor do que “A Canção do Súcubo”. Confesso que achei o início do livro um pouco lento demais, mas a história melhora consideravelmente no decorrer da obra. Este volume da série explora bastante o início do relacionamento de Georgina com o famoso escritor Seth Mortensen. No fim do último livro, Georgina vê-se obrigada a contar para ele o que ela realmente é: um demônio em forma de mulher que precisa fazer sexo com estranhos para garantir a energia necessária para sua sobrevivência. Dessa forma, agora eles precisam descobrir formas de envolver-se intimamente sem fazê-lo propriamente. E isso traz muitos problemas ao casal. Também somos apresentados a um novo imortal, o íncubo Bastien, amigo antigo de Georgina. Bastante sedutor e um tanto convencido, Bastien precisa encarar uma missão um tanto difícil e Georgina tenta ajudá-lo. Entretanto, a grande e antiga amizade dos dois passa por um grande percalço e é posta à prova.

As cenas tórridas e bastante explícitas de sexo também aparecem nesse volume, mas o enredo de Richelle dessa vez é mais condizente com o público adulto ao qual a série é dirigida. O problema pelo qual seu colega de trabalho, Doug, e os seus amigos de banda estão passando prova-se como algo muito maior do que Georgina estava pensando ser e é ela quem, no final das contas, tem que resolver tudo. No geral, “O Poder do Súcubo” é um livro que prende bastante, com uma história agradável e personagens que realmente cativam. O relacionamento de Georgina e Seth é adorável e nos faz torcer a todo momento pelos dois. Richelle conseguiu criar, mais uma vez (que leitora de Academia de Vampiros não é apaixonada por Dimitri Belikov?), um par romântico que toda garota adoraria ter. Seth é aquele tipo de cara fofo e devoto por sua namorada e que consegue aturar muita coisa para continuar no relacionamento. Uma coisa de que senti falta nesse livro foi uma presença maior de personagens já conhecidos como os amigos de Georgina, Hugh, Cody , Peter, o demônio Jerome e o anjo Carter. Eles sempre garantem boas risadas, mas tiveram uma participação menor do que no último volume da série.

O terceiro volume da série Georgina Kincaid, “O Sonho do Súcubo”, já está nas livrarias de todo o Brasil.

Sobre Patoka

Fotógrafa especializada em shows, já captou com suas lentes momentos dos shows várias bandas. Essa paixão por música e fotografia a levou a abrir o CFOS. Quase infartou quando suas fotos apareceram na página oficial do Black Label Society e foram descritas como “killer shots”! Já fez produção de palco em festivais musicais e eventos, mas atualmente prefere deixar isso para os profissonais.

3 comentários

  1. Sempre tive vontade de ler essa série. Não só porque é da autora Richelle Mead, mas porque o tema me interessou bastante! Só acho essas mulheres das capas meio assustadoras ;D

    Beijos

  2. As mulheres das capas, além de assustadoras não condizem com o enredo da história. Ninguém gosta de guardar um livro destes na estante. E, particularmente, fica rídiculo ler em público com uma fotografia esdrúxula dessas…Troquem as capas, pelo amor de Deus!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. O livro é muito bom, recomendo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*