quinta-feira, 12/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “A farsa”, de Christopher Reich

Resenha: “A farsa”, de Christopher Reich

Livro: A Farsa
Série: Jonathan Ramson
Autor (a): Christopher Reich
Páginas: 336
Editora: Sextante
Resenha por: Bruna
Comprar: Saraiva Submarino E-book

Durante uma escalada nos Alpes suíços, o cirurgião Jonathan Ransom e sua bela esposa, Emma, são surpreendidos por uma avalanche. Na tentativa de buscar abrigo contra uma tempestade iminente, ela fratura a perna, cai em uma greta e morre.

Vinte e quatro horas depois, Jonathan recebe um misterioso envelope endereçado à mulher contendo dois recibos de bagagem de uma longínqua estação de trem. Ao resgatar as malas, ele é surpreendido por dois homens que tentam tirá-las de suas mãos. Durante a briga, o médico acaba matando um deles e deixando o outro gravemente ferido – e só então descobre que eram policiais.

No meio desse turbilhão de acontecimentos, ele jamais poderia imaginar que a situação ficaria ainda pior. Ao abrir as malas, Jonathan descobre estranhos objetos que revelam a verdadeira identidade de Emma: uma agente secreta envolvida em atos terroristas e espionagem internacional.

Procurando desesperadamente compreender os fatos e salvar a própria vida, ele se torna alvo de uma perseguição implacável, tomando parte em uma conspiração que coloca em risco a humanidade.

Sua chance de sobreviver é descobrir a realidade por trás da enigmática Emma, que, sob a fachada de enfermeira da ONG Médicos Sem Fronteiras, tinha ligações com terrorismo, manipulação de urânio e tentativas de destruição de Israel.

Aclamado pelos críticos como um novo mestre do suspense, Christopher Reich mescla personagens e fatos surpreendentes nesta trama de espionagem cheia de reviravoltas, aventuras e intrigas.

Aposto que a maioria de vocês que leram a enorme (olha o exagero!) sinopse acima tiveram a mesma impressão que eu tive ao ler a mesma: “pra quê eu vou ler um livro que já me conta, de cara, praticamente o enredo todo?” Pois acreditem, essa descrição toda é um resumo realmente superficial da obra se compararmos ao enredo completo do livro!

Esse foi o primeiro livro do Christopher Reich que eu li. Ainda não conhecia o trabalho do autor e a forma como o Reich teceu todo o esquema da trama, para mim, foi simplesmente geniais. Sou fissurada por thrillers e o enredo de Reich, somado a uma escrita direta e intrigante, me pegou de jeito: A Farsa é um “daqueles livros” que você devora do começo ao fim e não tem vontade de largar nem na hora da janta.

A estrutura da narrativa é diferente dos livros convencionais e vai mostrando ao leitor diferentes personagens em diferentes ações e cenários ao longo do texto, sempre intercalando-os. É um pouco confuso no começo da leitura você se lembrar quem é quem – existe uma quantidade considerável de personagens secundárias que são bem recorrentes – e associar onde e a quem lealdade de cada um desses personagens reside. Confesso que mesmo bem perto do final do livro eu tive que parar e voltar algumas páginas para me relembrar quem era “tal” personagem.

Ao longo da história, as intenções desses personagens vão se relevando, suas motivações são reveladas e descobrimos também como e por quem eles estão conectados… daí pra frente é uma “bofetada” atrás da outra na cara do leitor que vai se surpreendendo (algumas vezes mais, outras bem menos) a cada virada de página. O livro é dividido em pequenos capítulos que deixam quase sempre um mistério no ar em seus finais, ou ainda, uma frase curta e relevadora, passando imediatamente para outro cenário, com outros personagens, aguçando cada vez mais a curiosidade do leitor.

Um detalhe que realmente me impressinou nesse livro foi o fato de não existir um desnível no ritmo da escrita/leitura. A história já começa de maneira frenética, com perseguições e escapadas e esse ritmo continua até a última página do livro. Com apenas 10 páginas para terminar o livro, eu não conseguia entender como o autor iria conseguir terminar a história de forma satisfatória em tantas poucas páginas, pois o ritmo não diminuia nunca, adrenalina pura! Ouso a dizer que o autor deixa o clímax para a penúltima página, deixando apenas um pequeno capítulo e o epílogo (com a reviravolta final!) para o desfecho da história.

Gostei muito do personagem do médico Jonathan Ramson e realmente acho difícil o leitor não sentir empatia pelo personagem. Qualquer pessoa em sua posição que descobrisse que seu parceiro não era quem ele realmente dizia ser, acredito eu, faria de tudo para descobrir quem era realmente essa pessoa. Eu iria querer descobrir se fora realmente tudo uma farsa e no que a pessoa estava envolvida para se usar de tantas mentiras. Fora que o autor traçou Jonathan de uma forma muito interesante: ele é muito inteligente, tem uma certa malícia, tem a frieza necessária em certos momentos – talvez pelo fato de ser um cirurgião que já trabalhou muito em condições bem precárias – sem perder a sua boa índole de “mocinho”, reich não fez personagem moldado no clichê da vítima vulnerável e isso só acrescentou mais à narrativa.

Outros dois personagens que me agradaram muito e merecem um rápido destaque nessa resenha são O Fantasma e Marcus von Daniken. Não posso revelar muito sobre o primeiro, fora o fato de que ele é um assassino altamente treinado e muito excêntrico, qualquer vírgula a mais, vira spoiler. Vocês terão que ler o livro para saber mais sobre essa figura sombria. Já Daniken, trabalha na polícia Suíça e é quem está liderando a investigação e a caçada pela cabeça de Jonathan Ramson.

O livro tem todo um pano de fundo muito bem elaborado sobre terrorismo, guerras, politicagem, e claro, espionagem e traições. Eu, particularmente, não sou muito fã de todo esse pano de fundo de interesses e política, mas acabei me envolvendo tanto com as personagens que acabei deixando essas informações como terceiro plano. Mas pra quem curte esse tipo de enredo, A Farsa é um prato cheio! Mal vejo a hora de ler as cotinuações da história: A Vingança e A Traição, ambos já lançados aqui no Brasil pela Sextante.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

12 comentários

  1. Flavia Kelly

    Já abandonei esse livro 2x, não era como eu imaginava… a sinopse é ótima mas…

  2. Nossa,com essa sinopse,nem precisava de resenha, KKKK.
    Eu sempre vi esse livro nas livrarias e nunca me interessei,nem nunca li a sinopse.
    Me arrependi agora,adorei o tema e tudo mais,com certeza já está incluso na minha lista *-*.

  3. Bruninha, como sou fã das suas resenhas, sou obrigada a adquirir este livro.
    Com todos estes temas fantásticos, tenho sentido falta de ler um bom thriller, e pelo jeito este nao vai deixar a desejar!
    Bjoks!!!

  4. Gostei bastante desse livro.

  5. Poxa Flavia, sério? Mas por qual motivo vc não gostou do livro? :(

    Marcella compre sim, o livro vale super a pena! Emoção do começo ao fim, estou louca para ler a continuação! :)

    Déia, muitissimo obrigada pelo seu comentário! Fico feliz em saber que vocês curtem as resenhas! :) Estava na mesma situação que você. Adoro livros de fantasia, mas nada como um bom thriller pra mudar um pouco a leitura! Se ler, depois me conta o que você achou! ;)

  6. snoopy maldito

    eu achei demais esse livro, apesar de muitas pessoas não gostarem.

    enquanto lia a série Millenium (que por sinal foi um dos melhores que li nos últimos tempos), me lembrei imediatamente desse livro, pelo clima tenso e corrido e pela história bem elaborada.

    pretendo reler e pegar na sequencia os outros 2.

  7. Estou lendo este livro agora e realmente é envolvente, não tenho vontade de solta-lo.

  8. Estou lendo esse livro. Faz tempo que o tenho, mas nunca me interessei em ler, mas depois que decidi ler, estou gostando muito, estou praticamente no final. E tem a continuação, que é “A vingança”.

  9. Bruna Fernández

    Oi Le, temos a resenha de A vingança também, se te interessar. Essa trilogia é ótima!

  10. Alexandre Aguiar

    Li o livro e foi exatamente como você descreveu, um começo meio confuso e depois você não consegue mais parar de ler. Acabo de petminar “A Vinagança”, que é bem mais tranquilo porque você já “conhece” os personagens e a trama é tão boa (ou mais) quanto a primeira. Vou partir agora para “A Traição” e espero que seja tão bom quanto o outros.

  11. Li o primeiro livro, achei bem clichê.. Gostei do desenvolvimento do livro, mas um médico jamais teria tanta capacidade d e burlar um esquema tão bem urdido.. se bem que no final das contas ela estava na retaguarda dele…

    Já o segundo livro, não entendi o final, ela começa se revelando uma traidora da Divisão, e depois mostra estar trabalhando pros Russos e no final.. não entendi bulhufas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*