sexta-feira, 12/08/2022
Últimas do LeS:
Capa » Notícias » Resenha: “Sr. Segunda-feira”, de Garth Nix

Resenha: “Sr. Segunda-feira”, de Garth Nix

Livro: Sr. Segunda-Feira
Série: As chaves do reino
Autora: Garth Nix
Editora: Fundamento
Páginas: 243
Resenha por: Cine
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Folha Americanas Travessa Amazon

Ninguém espera que Artur Penhaligon seja um herói. Órfão, com a saúde debilitada e sem coragem, ele sofre com o medo de que a praga que invadiu seu país leve embora sua família adotiva. Mas quando uma estranha chave em forma de ponteiro de relógio é entregue a elem Artur descobre que é o Herdeiro das Chaves para o Reino.

Tudo o que acha que sabe – sobre seus pais, sua cidade e sua vida – está prestes a mudar. Agora que ele herdou a Chave de uma Casa estranha e perigosa, não há como voltar atrás.

Ele deve reunir toda sua coragem e arriscar aquilo que ama para desvendar os segredos do mundo que descobriu e salvar o mundo que ele conhece.

Sr. Segunda-Feira é um livro que está na minha estante há mais de um ano e apesar de ter demorado tanto para lê-lo, eu tinha certeza que seria uma boa história. Achei que quando começasse a leitura, como grande parte das sagas, a trama ia demorar alguns capítulos para se desenrolar, mas não. Tudo a acontece muito rápido em Sr. Segunda-Feira.

A história começa quando Artur muda-se com sua família adotiva para uma nova cidade, e em seu primeiro dia de aula ele é obrigado a fazer educação física. Tudo bem até ai, se ele não tivesse um sério caso de asma que já tinha o colocado no hospital mais de uma vez. Mesmo tentando explicar para o professor que não poderia correr, Artur foi ignorado e obrigado a juntar-se ao restante da turma. Quando ele começa a passar mal e quase desmaia, Artur enxerga uma luz branca e vinda dela duas pessoas: Um velho que parecia um mordomo com cara de mendigo e um homem jovem e bonito, mas em uma espécie de cadeira de rodas e com uma aparência muito cansada. Acontece que aquelas duas pessoas vieram de outro mundo e por alguma razão o mordomo acaba entregando a ele uma chave em forma de ponteiro e então some.

A partir dai, Artur descobre que aquela não é apenas uma chave comum, mas sim um objeto que lhe dará poderes e que também irá lhe trazer muita responsabilidade e problemas.

Sr. Segunda-Feira é um típico livro de literatura fantástica voltada para o público jovem que goste de Harry Potter, Percy Jackson e outros heróis juvenis do gênero. A narrativa é em terceira pessoa e bem simples, mas ainda sim detalhada de uma forma muito boa e divertida. De fato, uma das coisas que eu mais gostei na escrita de Garth Nix foi a descrição dos personagens e lugares. São descrições simples, sem muitos detalhes e com informações bem diretas que na hora você consegue imaginar perfeitamente cada personagem fantástico criado para esse mundo, por mais bizarros que eles possam parecer.

Aliás, o mundo fantástico criado por Garth é incrivelmente criativo. Adorei o nome dos personagens e descrição de suas características e “profissões”, adorei as sacadas inteligentes e engraçadas que o autor conseguiu implementar em todas as explicações desse novo mundo.
Esse é um daqueles livros que é impossível você ler sem imaginar como um filme e, se fosse adaptado para as telonas, com certeza ia ser um sucesso de bilheteria.

De qualquer maneira, apesar de ter gostado muito das descrições e características dos personagens, não consegui simpatizar com nenhum, nem mesmo Artur. Talvez seja porque esteja meio cansada de personagens como ele, tão previsíveis e que não tenham nenhuma característica extra em sua personalidade que os diferencie de tantos outros heróis juvenis. Claro que gostei dele, mas não ao ponto de realmente me importar com o que acontecesse com ele ou sua família e amigos no final da história.

Duas coisas meio irrelevantes, mas que preciso comentar: Achei o fato do autor destacar a preguiça como uma das características da personalidade do Sr. Segunda-Feira, genial! Me faz pensar como serão Sexta, Sábado e Domingo! Hahaha
E outro elogio que eu devo fazer é para a ótima diagramação e revisão ortográfica que a editora Fundamento teve com esse livro, o que de certa forma não me impressiona, já que todos os títulos da editora que já li, são sempre dessa maneira.

Em suma, o primeiro volume da série As chaves do reino é uma leitura para passar o tempo, mesmo. Não espere muitas aventuras de tirar o fôlego ou personagens marcantes, mas ainda sim é um livro prazeroso e divertido que os fãs de literatura fantástica infanto-juvenil irão adorar.

Sobre Cine

Jornalista e professora de inglês, vivendo o sonho de morar em Nova York e ainda tentando descobrir se seria possivel viver dentro de uma da Barnes and Nobles. Viciada em cultura, passa os dias tentando decidir que livros ler enquanto tenta se encontrar na vida.

9 comentários

  1. Harry Potter? oO

  2. Gostei do que você falou da série, esse livro em minha opinião é muito legal. Mas eu não acho que esse livro é só para passar o tempo, bem eu sempre tenho tempo. Eu li esse livro e o segundo volume, o segundo também é muito legal, e estou lendo o terceiro, nada contra ao Quarta-Feira Submersa, mas eu não estou com muita vontade de terminar de ler. Eu tenho o quinto volume, mas eu também não estou com muita vontade de ler.
    Mesmo assim essa série é muito legal. Sempre que tenho vontade eu leio umas partes de Quarta-Feira Submersa.

  3. Muito legal… Quero muito ler… Parece ser muito bom…

  4. Oi. Eu li esse livro dois anos atrás e terminei o 4º livro desta série no começo do ano, to esperando a continuação até hoje, vocês sabem se vão traduzir e chegar aqui onde eu moro ? ( Recife – PE )

  5. Eu concordo contigo em partes. Gosto muito da série, e imagino que você não tenha lido os outros livros, porque se você não simpatizou, com nenhum dos personagens, nem mesmo com Suzy, você não vai conseguir ler O Horrível Terça-Feira. Só consegui terminar este livro pela simpatia dos personagens, se não…
    E discordo também da parte a qual você se refere a Artur como um típico herói.
    Não ele é diferente. Claro que tem aquelas coisas que sempre colocam num herói, como ele no começo ser fraco, tido uma infância sofrida e salvar os dois mundos. Mas é isso que os heróis fazem.
    Artur demonstra o amor que ele tem com sua família, aquela que o acolheu ao decorrer no tempo da casa de um jeito que não se vê em qualquer livro.
    A história não é nem um pouco previsível, a cada fim de capítulo, você se surpreende mais e mais.
    Eu quase não conseguia parar de ler o livro, e quando parava não me concentrava em mais nada, por ficar pensando no que aconteceria a seguir com Artur.
    Apesar de ser um livro totalmente sem romance e sem altas aventuras, é sim um livro de tirar o fôlego e de emocionar.

  6. Na verdade, de Harry Potter não tem nada. Ele não é um mago, assim como harry não me aparenta sofrer de asma. Talvez semelhantes no tipo (fantasia), no fato de ter magia e por serem órfãs, mas Potter tem tios que o adotam, não pais de outro sangue. Bem antes de J.K. existiram outros autores de fantasia, como existirão após ela. ;) Procure mais sobre Garth Nix, Isabela

  7. Discordo com voce em algumas partes esse livro é ótimo.Não só esse mas a série inteira ja estou no meio de Sra Sexta-Feira e diferente de voce eu me envolvi com a historia e tem muitas aventuras divertidas que eles enfretam

  8. Então Tebush, ai vai muito de gosto. Eu adoro histórias infanto juvenis, mas achei o primeiro livro muito previsivel e ainda não consegui ler o segundo. =/

  9. Espero que esse livro seje maravilhoso para mim, porque quando estava na livraria me apaixonei imediatamente. Mas no momento estou lendo A viagem do Tigre de Collen Houck que é legalzinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Livros em Série