domingo, 15/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Notícias » Resenha: “O crepúsculo da águia”, de Jean Plaidy

Resenha: “O crepúsculo da águia”, de Jean Plaidy

O crepúsculo da águiaLivro: O crepúsculo da águia
Série: Plantageneta
Autor: Jean Plaidy
Editora: Best bolso
Páginas: 419
Resenhado por: Karol
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Folha Americanas

Segundo volume da série que narra as venturas e desventuras da realeza envolvida em tramas sórdidas na luta pelo poder: A Saga Plantageneta, uma das dinastias mais poderosas que governou a Inglaterra do século XII ao século XV, atravessando os momentos conturbados da Guerra dos Cem anos e finalmente dando lugar à dinastia Tudor. O crepúsculo da águia relata o período mais próspero do reinado de Henrique II, quando o rei se reaproximou da Igreja após o assassinato do arcebispo Thomas Becket. Mas o ressentimento dos filhos e a revolta de Eleanor da Aquitânia ao descobrir uma infidelidade do consorte produzem um efeito maléfico sobre o cenário político. Aproxima-se do fim a trajetória do rei Henrique II, uma velha águia ameaçada pelos filhotes. Quem gosta de história da Idade Média pode se deliciar com as peripécias da família que reinou na Inglaterra por tanto tempo, um período politicamente instável, mas de grande prosperidade cultural.

Se você acha que tem uma família confusa, espera pra ler esse livro e descobrir um pouco sobre a dinastia Plantageneta! Isso sim que eu chamo de gente maluca.

Depois do assassinato de seu amigo/inimigo Thomas Becket, o rei Henrique II se vê em mais encrenca. O povo e a igreja o acusam da morte de Thomas e ele não tem muito por onde escapar, apesar da culpa não ter sido inteiramente sua. Conforme o rei se vê nessa encrenca, outras vão lhe surgindo. Sua rainha, e agora odiada, Eleanor o odeia e seus filhos legítimos parecem estar seguindo para o mesmo lado.

Seus filhos agora deixaram de ser crianças, eles devem se casar. As princesas da França, filhas do seu sempre inimigo rei Luís VII, Marguerite e Alice são enviadas a Inglaterra ainda pequenas para serem educadas da maneira inglesa. Marguerite será a futura rainha da Inglaterra e esposa de Henrique III, e Alice será a futura duquesa de Aquitânia e esposa de Ricardo. Mas muito pode acontecer nesse meio tempo. E quando digo muito, é muuuuuuuuito mesmo!

Com a idade batendo em Henrique II, ele começa a trocar os pés pelas mãos e cometer alguns erros que podem custar seu reino e também sua vida. Os maiores inimigos desse rei passam a ser sua própria família.

É tudo que eu tenho a dizer sobre a história desse livro, muito mais que isso começo a soltar spoilers. O enredo é muito interessante e você se vê preso diversas vezes querendo saber o que vai acontecer, porém acho que as 419 páginas do livro são demais. Várias vezes me peguei bodiada com a enrolação de Jean durante páginas e páginas em cima de uma mesma situação, e várias outras vezes também me peguei pensando ‘mas de novo essa história? Esse personagem já disse isso umas quinhetas vezes!’. Ao meu ver, como a história em si é muito boa, o livro muitas vezes dá uma acelerada e você se empolga mas, logo depois ele dá aquela desacelerada e você fica parado naqueles 10 quilómetros por hora até ele pegar força de novo para acelerar.

Não me levem a mal, o livro é muito bom e termina no meio de uma acelerada! A história dá muita reviravolta do começo ao fim e se você parar para pensar, o que você imaginava que iria acontecer no começo do livro, acaba não acontecendo no final. Apesar de tudo, vale a pena e estou ansiosa para ler as continuações dessa família de malucos. Que venham os outros 12 livros dessa saga, estou pronta!

Sobre Karol

Atriz ruiva tão viciada em Shakespeare que foi até parar lá no palco do Globe Theatre de Londres de tanto que encheu o saco! Sem papas na língua,que sempre dá preferência a livros históricos e com culturas diferentes. Não leu Harry Potter ou Senhor dos Anéis, jogou Crepúsculo longe no meio do segundo livro mas é capaz de devorar qualquer livro que contenha um rei, um indiano ou um espírito no meio. Estranha, usa personagens românticos como referencia quando briga com o namorado, transforma tudo em um drama histórico e deseja silenciosamente transformar todos os livros que lê em filme.

Um comentário

  1. Essa série é incrivel. Além de ser otimo existir no formato pocket, imagina acomodar 14 livros desse na prateleira?! Quase impossivel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*