sexta-feira, 13/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Espíritos do Tâmisa”, de Ben Aaronovitch

Resenha: “Espíritos do Tâmisa”, de Ben Aaronovitch

Livro: Espíritos do Tâmisa
Série: Enigmas de Londres
Autor: Ben Aaronovitch
Editora: Fantasy/Casa da Palavra
Páginas: 368
Resenha por: Bruna
Compre: Saraiva

Peter Grant tinha tudo para ser apenas mais um jovem guarda da Polícia Metropolitana de Londres. Após um encontro inesperado com um fantasma, contudo, ele é recrutado para uma unidade secreta que lida com a magia e o sobrenatural e torna-se o primeiro aprendiz em 50 anos do inspetor Nightingale, o último mago da Inglaterra. Peter Grant então precisa imediatamente lidar com dois casos inter-relacionados. No primeiro, ele deve descobrir quem é o espírito vingativo que anda transformando pessoas comuns em assassinos sanguinários. No segundo, aprender a investigar magia, conviver com grupos de vampiros, lidar com trolls e revirar covas pela cidade. Além, é claro, de negociar uma trégua entre deuses enfurecidos do rio Tâmisa caminhando por aí. Com uma linguagem ágil e bem-humorada, Bem Aaronovitch narra a história de um detetive que achava o mundo normal, antes de conhecer o poder intenso e surreal da magia por detrás do submundo de Londres. Aclamado por público e crítica em sua estreia como romancista, o autor foi indicado ao Galaxy National Books Awards como “Autor Estreante do Ano”, além de escrever roteiros para a série de televisão Doctor Who.

Não sei por quê demorei tanto para ler Espíritos do Tâmisa, já que ele algumas das coisas que eu mais gosto nessa vida: história policial, humor, magia e claro, Londres. No primeiro volume da série do autor inglês, acompanhamos um jovem policial: Peter Grant, um herói fora do comum, com um senso de humor peculiar – cínico, sarcástico, no melhor estilo de humor britânico. Ele é o tipo de personagem que é tão real e palpável que a gente se apega e acaba vendo ele como um amigo. O livro é contado pelo ponto de vista dele e isso dá um toque todo pessoal e animado ao livro.

Grant estava protegendo uma cena de crime em Covent Garden enquanto sua amiga/parceira/interesse amoroso Lesley May foi buscar um café para ambos quando o evento que mudaria a vida do jovem policial de pernas para o ar acontece: um homem se aproxima e revela que viu toda a cena do assassinato que ocorreu de madrugada. O problema? A testemunha é um fantasma.

“- Aconteceu alguma coisa enquanto eu estava fora? – ela perguntou.
Eu bebi meu café. As palavras “acabei de conversar com um fantasma que viu a coisa toda” se recusaram a sair de minha boca.” – pág 16

A partir daí, Peter descobre que existe um ‘departamento’ meio-que-secreto na polícia que trata de casos que envolvem magia e acaba tornando-se o aprendiz do inspetor Nightingale – que é um dos últimos magos da Inglaterra. Paralelamente à investigações que ele deve fazer com seu inspetor, Peter precisa aprender tudo sobre esse novo mundo que se abre para ele: desde aprender a fazer magia e entender como ela funciona (e como ela é afetada pela tecnologia moderna) até aprender a ler e falar latim. Essa mistura do novo com o antigo, do conhecido pelo desconhecido, do real e do fantasioso é o que torna a história tão original e gostosa de ser lida. O autor soube balancear muito bem esses elementos e usá-los a favor da história.

Como toda boa história com um toque de sobrenatural, temos todo o tipo de criaturas presentes. Vampiros, trolls, deuses, orixás, espíritos… a comparação que vem na capa de que o livro seria como se o Harry Potter trabalhasse CSI quando fosse mais velho, pra mim, caiu como uma luva; apesar do universo bruxo que o autor criou ser completamente diferente do universo de J. K. Rowling. Não existe uma comunidade bruxa, e, algumas pessoas têm o dom da visão (têm habilidade de ver espíritos) e são mais sensíveis para sentir os traços de vestigium – um rastro sobrenatural que permanece no ambiente quando a magia é praticada. E como o personagem principal já é adulto, não temos nenhum pouco do drama adolescente vivido em Harry Potter.

Todos os personagens – tanto os principais como os secundários – são super bem delineados. Fazia um tempo que eu não lia um livro em que todos os personagem são bem construídos. Acredito que o fato do autor também ser roteirista do seriado Doctor Who ajudou na hora da criação. O inspetor Nightingale é um dos meus personagens favoritos, além do próprio Peter, com um jeito todo exuberante de ser. As personagens femininas de Lesley May e Beverly – ambas interesses amorosos do protagonista – também são muito interessantes, sem cair no clichê feminino ou feminista.

Para quem é de Londres ou já visitou a cidade, esse livro terá um atrativo a mais. A cidade, além de ser o ambiente da história, passa a ser quase que uma personagem de tanto que o autor descreve os locais em que os personagens passam. Nomes de ruas, estações de metrô, construções populares, rios que passam pela cidade (principalmente o Tâmisa) são citados a todo o momento. Mas se você nunca esteve na cidade, não se preocupe, isso não atrapalha a leitura. Eu mesma (infelizmente) nunca fui para lá.

O livro foi uma surpresa, o enredo é original e interessante e a capa é um charme a parte: o mapa da cidade de Londres, os respingos de sangue e os elementos (imagens) capturam muito bem a essência da história. Aguardo impacientemente pelo próximo volume da série para acompanhar as novas proezas da dupla dessa detetives magos!

“- Por que se mudou?
– Aparentemente queria morar no subúrbio.
Troll suburbano, pensei. Por que não?” – pág 104

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

3 comentários

  1. Quando vi “Londres” no título, já vim correndo ver a resenha!! Amei o livro e quero para já!!!! =D

  2. Poxa a capa é realmente um atrativo, estou miuto ansiosa para ler esse livro, vim atrás de resenhas para ver se vali a pena, e estou contetíssima por saber que é um ótimo livro. Juntar um dinheiro para tê-lo em minha estante lol

  3. Olá, gente. Alguém sabe se outros livros da série foram lançados em português? o livro 3?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*