terça-feira, 17/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Corpo de delito”, de Patricia Cornwell

Resenha: “Corpo de delito”, de Patricia Cornwell


Livro: Corpo de delito
Série: Scarpetta
Autor: Patricia Cornwell
Editora: Paralela
Páginas: 296
Resenha por: Bruna
Compre: Saraiva

Cary Harper é um escritor famoso. Logo após o cruel assassinato de sua filha adotiva, ele próprio é assassinado. A irmã de Harper morre em circunstâncias igualmente misteriosas. Quem cometeu os crimes? Por que os cometeu? Essas são as perguntas que levam a médica-legista Kay Scarpetta a seguir as poucas pistas deixadas pelo criminoso. Além das provas que consegue colher nos corpos levados ao necrotério, sai a campo com o chefe de polícia Pete Marino e com o agente do FBI Benton Wesley na tentativa de solucionar o caso. As mais variadas hipóteses vão sendo sucessivamente abandonadas. Nada parece dar conta de todas as circunstâncias. Um dia, porém, a dra. Scarpetta recebe a visita de um desequilibrado mental que afirma ser capaz de enxergar a alma de um criminoso.

Quem leu a minha resenha do primeiro livro da série sabe que, apesar de ser muito fã de livros policiais, a escrita da Patricia não se destacou muito para mim por ser muito óbvia em certos momentos. Mas vejam: fui surpreendida com o segundo volume, Corpo de delito.

O que me prende na literatura policial é o mistério, e isso é o que não falta nesse segundo volume. A história é focada na jovem autora de romances históricos, Beryl Madison, que é cruelmente assassinada em sua casa, logo após voltar de viagem. De acordo com registros da polícia e investigações da Dra. Kay Scarpetta, Beryl vinha recebendo ameaças por telefone e inclusive teve a pintura de seu carro danificada. Um dos principais suspeitos é Cary Harper, escritor famoso e pai adotivo de Beryl, já que ambos brigaram pois a enteada estava escrevendo uma autobiografia que comprometia muitas pessoas. O único problema é que Cary Harper também é assassinado, forçando Scarpetta e Marino a tomarem novos rumos na investigação.

Então começam as mil perguntas em volta do caso: quem é o assassino? Quais as motivações desses assassinatos?

Pete Marino, o policial desbocado, extremamente sincero e, por muitas vezes, grosso, é de longe um dos melhores personagens da série. A autora utiliza ele como escape cômico e as cenas em que ele aparece sempre funcionam muito bem, dando sempre uma aliviada na tensão (ou aumentando ela, em algumas parter necessárias). Um personagem novo e interessante que aparece nesse volume é Mark James, um antigo namorado de Kay, que ressurge do nada em sua vida. Apesar de ser super charmoso e demonstrar muito carinho pela protagonista, a autora faz a gente ficar com um pé atrás em relação a ele. Quais serão as verdadeiras intenções dele? Ele surgiu nesse momento na vida de Kay por pura coincidência ou não?

Muitos podem reclamar da falta de ação, mas para os fãs de thrillers mais voltados ao lado psicológico, esse livro é um prato cheio. Assim como no primeiro livro, a Dra. Scarpetta acaba se envolvendo demais no caso e acaba recebendo telefonemas ameaçadores. Ela precisa até se afastar do hospital onde trabalha para não sujar seu nome e o de sua equipe.

“Kay, já percebeu que costuma se envolver bem mais nos casos do que seus antecessores?” p. 146

Por Kay ser uma médica legista o livro tem um alto nível técnico em alguns momentos. Termos médicos são regularmente usados, mas não é algo que chegue a atrapalhar o leitor, até mesmo porque temos Marino para pedir a “tradução” de alguns termos por nós.

Com um desfecho bem inesperado, o livro me surpreendeu. A autora é bem detalhista e consegue juntar todas as pontas do caso sem deixar dúvidas para o leitor. Achei que a qualidade aumentou bastante do primeiro livro para esse e a série acabou me conquistando. Não vejo a hora de ler o terceiro livro que já foi relançado pela Paralela.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*