quarta-feira, 29/11/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Quem poderia ser a uma hora dessas?”, de Lemony Snicket

Resenha: “Quem poderia ser a uma hora dessas?”, de Lemony Snicket

Livro: Quem poderia ser a uma hora dessas? (#01)
Série: Só perguntas erradas
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Páginas: 235
Tradutor: André Czarnobai
Resenha por: Cine
Comprar:
Saraiva Submarino Cultura Folha Travessa Americanas Amazon

Em uma cidade decadente, onde se criam polvos para a produção de tinta, onde há uma floresta de algas marinhas e onde um dia funcionou uma redação de jornal em um farol, um jovem Lemony Snicket começa o seu aprendizado em uma organização misteriosa.
Ele vai atender seu primeiro cliente e tentar solucionar o seu primeiro crime, aos comandos de uma tutora que chama carro de “esportivo” e assina bilhetes secretos. Lá, ele vai cair na árvore errada, vai entrar no portão errado, destruir a biblioteca errada, e encontrar as respostas erradas para as perguntas erradas – que nunca deveriam ter passado pela cabeça dele.
Ele escreveu um relato sobre tudo o que se passou, que não deveria ser publicado, em quatro volumes que não deveriam ser lidos. Este é o primeiro deles.

Quem poderia ser a uma hora dessas? é o primeiro livro de Lemony Snicket que escolhi para começar a conhecer um pouco mais desse autor tão famoso e genial. O livro, primeiro da série Só perguntas erradas e conta o início da trajetória de Lemony Snicket como um detetive.

Snicket teve uma educação bem incomum das crianças de 13 anos, e quando finalmente se formou e estava pronto para embarcar em um trem, sua tutora – uma das piores detetives do mundo – o “sequestrou” e eles partiram em direção ao vilarejo Manchado-pelo-mar (mas que não fica na beira do mar), onde foram contratados para resgatarem um item roubado muito importante, e durante a investigação Snicket conhece várias pessoas peculiares da cidade e que, de alguma forma, podem estar conectadas com o crime. Agora, o que antes parecia um problema extremamente fácil de ser resolvido se torna numa grande história, ainda mais quando Lemony só faz as perguntas erradas.

Eu não sou muito fã de livros infanto-juvenis com pequenos detetives, porque geralmente os acho extremamente previsíveis e sem graça, mas “Quem poderia ser a uma hora dessas?” está cheio de personagens incríveis, sarcásticos e marcantes, com um protagonista extremamente inteligente e nada inocente, como em outros livros. E Snicket (tão confuso falar do autor que leva o nome do protagonista) conseguiu fazer uma história cheia de reviravoltas e eu realmente não conseguia adivinhar como seria o final do livro.

Lemony Snicket foi de longe meu personagem favorito, cheio de audácia e curiosidade, e apaixonado por livros. Ele faz amizade rapidamente com as pessoas e tem o pensamento bem rápido para descobrir o que está acontecendo. Claro que, como qualquer criança, tem aquela certa inocência de não perceber certas coisas, mas seria extremamente difícil de acreditar na história se uma criança de 13 anos tivesse a mesma cabeça de um adulto. A tutora de Snicket, S. Theodora Markson, dá nos nervos de tão chata que é! Por diversas vezes eu a considerei a vilã do livro, puramente por ter uma inteligência tão inferior a de seu aprendiz.

Talvez o que eu menos tenha gostado no livro foi a pouca informação que recebemos da vida de Snicket, sobre seus verdadeiros pais, sua educação e tudo o mais, mas com certeza isso tudo será esclarecido nos próximos volumes, baseado em como essa história terminou. De resto, o livro é extremamente bem escrito, com ilustrações lindas e que se encaixam muito bem com o que está acontecendo no momento.

Um livro fácil, divertido e inteligente que com certeza pessoas de qualquer idade podem ler para passar o tempo. Eu fiquei super curiosa por mais livros de Snicket, especialmente para saber um pouco mais desse padrão que criou para o personagem que leva o seu nome e que também está presente em livros de outras séries.


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Cine

Jornalista e professora de inglês, vivendo o sonho de morar em Nova York e ainda tentando descobrir se seria possivel viver dentro de uma da Barnes and Nobles. Viciada em cultura, passa os dias tentando decidir que livros ler enquanto tenta se encontrar na vida.

2 comentários

  1. Eu já tinha visto esse livro antes (há bastante tempo) e sempre tive vontade de lê-lo, só que, outros livros acabaram passando na frente. Mas pela sua resenha ele parece ser interessante.
    Ahh! É o mesmo escritor de Desventuras em Séries.

  2. Berry Patrick

    Mesmo tendo o público infantojuvenil como alvo, nada impede que adultos se deliciem com essa história repleta de diálogos inteligentes. E apesar de ser um prequel de Desventuras em Série, você não tem que ler um para entender o outro. Apesar de ter os dois primeiros livros da outra série, eu nunca cheguei a ler, judge me.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*