sexta-feira, 13/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “O pistoleiro”, de Stephen King

Resenha: “O pistoleiro”, de Stephen King

Livro: O Pistoleiro
Série: A Torre Negra
Autor: Stephen King
Editora: Objetiva
Páginas: 221
Resenha por: Guilherme
Compre: Saraiva Submarino Cultura Folha Travessa

O Pistoleiro” apresenta ao leitor o fascinante personagem de Roland Deschain, último descendente do clã de Gilead, e derradeiro representante de uma linhagem de implacáveis pistoleiros desaparecida desde que o Mundo Médio onde viviam “seguiu adiante”. Para evitar a completa destruição desse mundo já vazio e moribundo, Roland precisa alcançar a Torre Negra, eixo do qual depende todo o tempo e todo o espaço, e verdadeira obsessão para Roland, seu Cálice Sagrado, sua única razão de viver. O pistoleiro acredita que um misterioso personagem, a quem se refere como o homem de preto, conhece e pode revelar segredos capazes de ajudá- lo em sua busca pela Torre Negra, e por isso o persegue sem descanso. Pelo caminho, encontra pessoas que pertencem a seu ka-tet – ou seja, cujo destino está irremediavelmente ligado ao seu. Entre eles estão Alice, uma mulher que Roland encontra na desolada cidade de Tull, e Jake Chambers, um menino que foi transportado para o mundo de Roland depois de morrer em circunstâncias trágicas na Nova York de 1977. Mas o pistoleiro não conseguirá chegar sozinho ao fim da jornada que lhe foi predestinada. Na verdade, sua aventura se estenderá para outros mundos muito além do Mundo Médio, levando-o a realidades que ele jamais sonhara existir.

“O homem de preto fugia pelo deserto e o pistoleiro ia atrás.”

Stephen King tinha 19 anos quando escreveu essa frase. As palavras que abririam as portas para a sua obra mais ambiciosa: a Torre Negra. O Pistoleiro, o primeiro dos sete volumes que compõe a obra, é o abre-alas da série que ocuparia mais de 40 anos da vida do autor.

De uma maneira geral, O Pistoleiro é uma grande introdução – mais um conto mutante que nos apresenta ao gigantesco universo criado por King com A Torre Negra. Somos apresentados a Roland de Gilead, o último pistoleiro de uma linhagem extinta, e sua busca pela Torre Negra, o centro de todos os universos.

Mesmo sendo um livro curto e um esboço do que está por vir, O Pistoleiro é fantástico em tudo. Com poucas páginas, King já nos entrega um universo incrível. E medonho, no bom sentido. Não se engane ao ler pensando que é um livro bonito: cada página é mais tensa que a anterior. Durante todo o livro o autor sente-se num mundo cruel, que King nos entrega com maestria. É um dos elementos mais incríveis em O Pistoleiro. O livro nos passa uma sensação de desolação, de tristeza, ao mesmo tempo em que nos fascina com isso.

São poucos os sopros de alívio que o livro nos dá. Cada cena é mais tensa que a anterior (o capítulo em que Roland enfrenta os habitantes da cidadezinha é um dos mais pesados já escritos num livro) e, mesmo quando reina uma calmaria, o leitor sabe que algo ruim está por vir. É King fazendo o que só ele sabe fazer: deixar o leitor com medo de virar a página.

Mas no fim, são os personagens que fazem a magia. O Pistoleiro nos apresenta somente a dois personagens principais, mas isso já o suficiente: o leitor se vê apaixonado por eles em poucas páginas. Roland é sem dúvida um dos melhores protagonistas já criados: é fascinante, misterioso, muitas vezes cruel e, mesmo assim, você não consegue deixar de amá-lo. E Jake, o garoto que ele encontra em O Pistoleiro, vai te encantar. A relação pai e filho que cresce entre os dois é algo lindo de ler, enquanto você vê Roland se transformando de um pistoleiro frio e até mesmo cruel, num protetor. Essa relação chega ao seu ápice no capítulo final que, a não ser que você tenha um coração de pedra, vai te emocionar.

Ler O Pistoleiro é como ser atingido por um furacão, alternando momentos de tensão extrema com outros em que você tem vontade de invadir o mundo do livro e estender uma mão aos personagens. Sobre King, não há o que falar: o cara faz magia em cada página, envolvendo o leitor de maneira espetacular. Stephen King é um gênio e aqui ele mostra o motivo de ter recebido o título de o melhor autor da atualidade.

O Pistoleiro é curto, mas te emociona. E te faz querer mais. É uma fantástica introdução para um mundo incrível que se estende por mais seis livros. Um mais fascinante do que o anterior.

Sobre Guilherme

Nasceu no Condado de Roseira e foi se perder na cidade grande de São Paulo, onde cursa o terceiro ano de Publicidade e Propaganda na Faculdade de Comunicação Cásper Líbero. Viciado em séries, música e livros, prefere passar uma noite de sábado lendo "Sob a Redoma" do que sair para balada. Escreveu um livro que - se tudo sair como deve - será publicado ainda esse ano, talvez em agosto. Vai que dá certo e ele vira um escritor famoso, né.

2 comentários

  1. Perfeito. Do começo ao fim. Falo sobre a saga toda. é do tipo de livros em que cada final de capítulo faz com que você começo o próximo logo. O Pistoleiro é só uma ponta do iceberg. Esperem por Jack nos volumes seguintes <3

  2. Jeferson Cirne

    Um que resenha apaixonada, esse livro estava entre minhas futuras leituras, agora pulou para o topo de minha lista de prioridades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*