domingo, 19/11/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “Deixe a neve cair”, de Maureen Johnson, John Green e Lauren Myracle

Resenha: “Deixe a neve cair”, de Maureen Johnson, John Green e Lauren Myracle

Livro: Deixe a neve cair
Autores: Maureen Johnson, John Green e Lauren Myracle
Páginas: 336
Editora: Rocco
Resenha por: Bruna
Compre: Saraiva Cultura Submarino Extra

Na noite de natal, uma inesperada tempestade de neve transforma uma pequena cidade num inusitado refúgio para insuspeitos encontros românticos. Em Deixe a neve cair, bem-sucedida parceria entre três autores de grande sucesso entre os jovens, John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle escrevem três hilários e encantadores contos de amor, com direito a surpreendentes armadilhas do destino e beijos de tirar o fôlego. Comédia romântica com a assinatura de um dos maiores bestsellers da atualidade, o livro é o presente de Natal perfeito para os fãs de John Green e de histórias de amor e aventura.

Sou fã de carteirinha de festas de fim de ano, principalmente o Natal. Desde pequena estou acostumada a estar com a família reunida, trocar presentes e claro, comer horrores! Vocês podem imaginar a minha felicidade quando tive a oportunidade de ler esse livro para resenhar. Ela está um pouquinho fora de época, mas coloco a culpa na ressaca de festas e comilanças de final de ano, hahaha.

O livro tem três contos, cada um escrito por um autor diferente: Maureen Johnson (Zumbis x Unicórnios), Lauren Myracle (Formaturas Infernais) e o já conhecido e queridinho da minha estante, John Green (Quem é você Alasca?, A culpa é das estrelas).

O primeiro conto, O Expresso Jubileu, escrito por Maureen foi uma agradável surpresa pra mim. Nunca tinha lido nada da autora e fiquei encantada com a escrita dela, foi um ótimo começo! Nessa história acompanhamos a jovem de 16 anos Jubileu (sim, esse é nome dela de verdade!), que tem o seu Natal virado de cabeça para baixo quando seus pais acabando indo parar na cadeia – calma o motivo é bem engraçado, mas não vou contar pra não dar spoiler – e ela acaba tendo de que pegar o trem para passar o Natal com seus avós. Porém, ninguém contava com a pior nevasca de todos os tempos: o trem de Jubileu fica preso por conta da neve perto de uma pequena cidade, Gracetown. Ela conhece um estranho no trem que está tendo problemas com a namorada e é então que Jubileu começa a questionar seu próprio relacionamento com Noah, o estereótipo do namorado perfeito: Noah é alto, bonito, super inteligente, passa tempo com a família, é atleta… mas temos sinais de que “algo” fica faltando entre eles.

Jubileu acaba saindo do trem para fugir das líderes de torcida que surgem e vai parar em uma Waffle House. Lá ela conhece algumas pessoas da cidade, algumas bem, hm, peculiares, e essa decisão de Jubileu vai afetar toda a sua vida, sem ela nem ao menos saber. A história se desenrola de uma forma muito legal, a escrita de Maureen é super fluída. Quando você menos espera: o conto acabou. Confesso que fiquei com uma pontinha de tristeza ao terminar o conto, me apeguei de tal forma aos personagens que queria saber mais da história deles. Mas como o segundo conto era do John Green, suspirei e continuei minha leitura.

Comecei a ler “O milagre da torcida de Natal” e eis que uma exclamação surgiu na minha cabeça: os contos são focados em personagens diferentes, porém suas histórias são interligadas! Foi a faísca que eu precisava pra me animar de novo com o livro! Nessa segunda história acompanhamos os amigos JP, Tobin e Duke. Apesar de ser uma garota, Duke sempre anda com os meninos e é vista por eles como um deles. Eles moram na cidade em que Jubileu ficou “presa” e estão sozinhos na casa de Tobin vendo filmes quando um amigo liga para eles com uma ‘emergência’: há um bando de líderes de torcida na Waffle House em que ele trabalha e eles precisam entretê-las com um jogo de Twister. Contra a vontade de Duke (e o bom senso!) eles resolver deixar a casa quentinha e se aventurar nas ruas cheias de neve para chegar na lanchonete. E bota aventura nisso! O conto de John Green mantém o padrão de conto fofinho e ao mesmo tempo engraçado. Fora que me identifiquei demais com a personagem da Duke! Dois terços lidos e nenhuma decepção.

” – (…) Brittany não entendia que você, tipo, não é uma garota de verdade.
– Se com isso quer dizer que eu não gosto de revistas de celebridades, prefiro comida à anorexia, me recuso a assistir aos programas de TV sobre modelos e odeio a cor rosa, então, sim. Estou orgulhosa de não ser uma garota de verdade.”

Cheguei então no último conto: “O santo padreiro dos porcos”, da Lauren. Não sei se foi a escrita da autora ou a personagem, Addie, que eu achei extremamente irritante, mas não gostei muito dessa história. Addie é egoísta e não se importa com nada que acontece a sua volta que não seja relacionado a ela e, pra completar, ela só sabe reclamar e acha que o mundo está contra ela, pior que a Bella Swan. O que me fez continuar a ler a história foram as ligações entre os personagens que acabaram sendo reveladas, tornando os 3 contos em três grandes capítulos de um livro só.

No final das contas é um ótimo livro, levinho, cheio de espírito natalino, amor, amizade e risadas. A receita perfeita para começar as leituras do ano!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

4 comentários

  1. Amei sua resenha! Estou super anciosa para ler este livro e pelo que você disse, realmente deve ser super legal e interessante. Jubileu é um nome que me desperta muita curiosidade. Aliás é um bom nome para cachorro não acha? Estou pensando seriamente em ter um cachorro para chama-lo de Jubileu kkkkkkkkkkk mas bem, muito boa a resenha. Parabéns.

  2. Maria Eduarda

    O livro é realmente ótimo. A forma em que as três histórias se ligam é incrível!
    Mas John Green me decepcionou, das três a dele foi a pior.

  3. adoreeeii sua resenha … o livro tambem é muito bom, como sempre… kkkk vou fazer um trabalho sobre o livro e você me ajudou a ter algumas ideias kk obrigadaa :)

  4. gostei mto me ajudou em um trabalho de escola mesmo eu ja ter lido ele umas 4 ou 5 veses kkkkkkkk obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*