sábado, 29/04/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “Amigo secreto”, de Sylvia Day

Resenha: “Amigo secreto”, de Sylvia Day

Livro: Amigo Secreto
Autora: Sylvia Day
Editora: Paralela
Páginas: 120
Resenha por: Nina
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Fnac Extra

Sylvia Day, autora best-seller da lista do New York Times e da Veja, que já vendeu mais de 12 milhões de exemplares, volta com duas histórias contemporâneas, bem apimentadas e muito românticas que certamente farão as leitoras perderem o fôlego. A primeira, que dá título ao livro, conta a história de Nick e Steph, colegas de trabalho que secretamente sentem uma enorme atração um pelo outro. Isso até o momento que Nick tira Steph no amigo secreto e escolhe um presente claro e direto: uma foto sensual e provocadora que promete esquentar as coisas entre eles. Já a segunda narra o relacionamento difícil e obsessivo de um casal que se vê envolvido na investigação e no roubo de joias de Gideon Cross.

A autora Sylvia Day é conhecida por sua Trilogia Crossfire, que conta a história de Gideon Cross e Eva Tramell, com uma pegada bem sensual – muito comparável a trilogia de 50 Tons de Cinza. E nesse livro de contos não é muito diferente.

Na primeira história, Nicholas James é quase o mesmo Gideon Cross – lindo e muito sensual. Nesse ponto, achei pouco criativo da autora a descrição do personagem. Só dá pra ‘vender’ uma história picante se o personagem for um homem lindo, corpo escultural, etc? Quero dizer, pessoas ‘normais’ também podem ser sensuais! O mesmo vale para a personagem feminina, Stephanie Martin, que esconde toda a beleza do seu corpo em suas roupas de trabalho.

Se o estereótipo das personagens deixa a desejar, a história, por outro lado, não deixa. O tema escolhido, uma festa de amigo secreto, foi bem explorado, a desculpa perfeita para fazer com que duas pessoas que se desejavam secretamente se encontrem e deem voz às suas vontades.

O primeiro conto tem um história, começo, meio e fim; bem desenvolvida, apesar do desfecho (mas você vai ter que ler o livro pra descobrir o final do conto!).

Já o segundo conto começa meio do nada. Eu confesso que fiquei meio perdida a princípio, porque a história começa no meio e explicação fica perdida no decorrer da narrativa. Nesse conto, Sangue e Rosas, nos deparamos com o amor entre um delegado de polícia, Jake Monroe, e uma estelionatária – que trabalha para uma seguradora, Anastacia Miller.

Ela, filha de golpistas; ele, um defensor da lei. Uma história de amor que seria um tanto improvável, e por isso, Ana escolheu não viver e se mudou de Whisper Creek, cidade onde tudo aconteceu. 12 anos depois de sua despedida de Jack e da cidade, o roubo de uma das jóias de Gideon Cross traz Anastacia de volta a cidade, pois o golpe fora planejado por ninguém menos que sua própria mãe.

A construção da história é um pouco estranha, deixando a leitura menos agradável. O começo é um tanto aleatório, com um diálogo bem tedioso. O plot em si daria um livro inteiro, mas a autora não conseguiu condensar a ideia em apenas um conto curto, daí a história se perdeu um pouco, ficou faltando um detalhe ou outro pra fechar bem a história.

O livro em si é uma leitura bem rápida e fácil. Os dois contos tem histórias bem fluidas e são relativamente curtas (60 páginas cada), sendo o primeiro conto um tanto mais ousado que o segundo.

O que eu gosto na escrita da Sylvia Day é a delicadeza e a sensualidade. Mesmo utilizando termos não tão refinados (que pode ser também por conta da tradução, uma vez que não li o original), o texto não fica vulgar. É um escrita leve e muito fluida, e ela não se perde nos detalhes das histórias e consegue amarrar todas as ideias, e é por isso, que eu recomendo os livros dela e certamente lerei os próximos que vierem!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Nina Lima

Poderia ser qualquer outra coisa, mas resolveu ser turismóloga e apaixonada pela Inglaterra e pelo McFLY. Leu a trilogia Jogos Vorazes em três dias e amou; considera Harry Potter a melhor série do mundo, adora a escrita da Meg Cabot e topa qualquer YA Book.

Um comentário

  1. Concordo plenamente com sua percepçäo sobre o livro. Amo as obras da autora, porém o segundo conto, achei meio bobo, confuso até. Porém o que mais fiquei insatisfeita, foi com o nome dado a personagem de anastacia, esse detalhe me confundiu um pouco, tive a impressäo de estar lendo uma fusäo de cinquenta tons de cinza e a série cross fire.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*