sábado, 14/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “A cura mortal”, de James Dashner

Resenha: “A cura mortal”, de James Dashner

Livro: A cura mortal
Série: Maze Runner
Autor: James Dashner
Páginas: 368
Editora: V&R
Resenha por: Bruna
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Fnac Americanas

Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo CRUEL, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final. A organização garante que não há mais nada para esconder. Mas será possível acreditar no CRUEL? Talvez a verdade seja ainda mais terrível, uma solução mortal, sem retorno.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro de uma série e pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

Apesar de estar doida pra saber o que aconteceria no final dessa saga eu sempre fico um pouco desanimada e triste quando pego o último livro de uma saga pra ler. Acontece o mesmo com vocês? Acho que foi por isso que A cura mortal ficou tanto tempo parado na minha estante, um lembrete constante que eu deveria pegá-lo logo para ler e saber o que acontece com Thomas, Minho e todos os personagens tão queridos dessa série.

Dashner já provou ser o mestre do cliffhanger, a história chega na sua resolução, você acha meio estranho, pois não vê nenhum gancho para o próximo livro e… BOOM! O autor dá uma reviravolta nas últimas 5 páginas e deixa o leitor com cara de bobo, esperando pelo próximo volume. Cruel (não tive a intenção do trocadilho com o CRUEL do livro)… porém genial Mr. Dashner! Começamos a reta final da série Maze Runner exatamente de onde paramos: com Thomas preso em um quarto, isolado de todos os seus amigos, crente que está contagiado com o Fulgor – doença que contagiou a raça humana na história, e que degenera o cérebro das pessoas, deixando-as loucas aos poucos, mais ou menos como um estado “zumbístico”. O personagem não faz mais ideia de quanto tempo está preso naquele quarto de paredes brancas e lisas com apenas uma escrivaninha e um vaso sanitário, recebendo algumas refeições durante o dia.

“Talvez a raiva fosse o último fio que o ligasse à sanidade durante aquela espera interminável.” – pág 10

Eis que Thomas é liberado e se reencontra com o Homem-Rato (Janson), um dos funcionários da CRUEL, o mesmo que levou os Clareanos para o Deserto no livro passado. O homem tem uma breve conversa com Thomas – que não está tão disposto em acreditar no que o Homem-Rato diz, depois de ter sido enganado inúmeras vezes – e logo o menino é levado aos seus amigos sobreviventes até o momento: Minho, Caçarola, Newt, Teresa, Brenda, entre outros. É anunciado que a CRUEL está pertíssimo de encontrar a cura para o Fulgor e o próximo passo é devolver as memórias que foram tiradas deles, porém nossos queridos personagens já estão calejados e alguns decidem que não querem participar do procedimento e planejam uma fuga.

“Qual era a razão de ter uma conversa se não se podia confiar nas palavras?” – pág 14

Nesse volume final finalmente conseguimos descobrir, e entender, o que realmente está acontecendo com o mundo real, nas grandes cidades, depois que o Fulgor se alastrou. Descrever essa situação do mundo foi uma forma que o autor encontrou para dar respostas aos leitores sem ser tão direto. Aliás, umas das coisas que eu mais gostei nesse livro foi exatamente como as respostas às inúmeras dúvidas chegam até nós leitores. Muitas não chegam de forma direta, em diálogos e flashbacks e repetições cansativas, sem subestimar a capacidade de raciocínio dos seus leitores e isso foi incrível e revigorante.

Finalizar uma série com maestria e de forma digna é sempre muito difícil, afinal não é nada fácil agradar uma vasta quantidade de leitores. Porém, sinto que o autor conseguiu entregar um final coerente e satisfatório. O desfecho não era nada do que eu imaginava, mas encaixou muito bem na história. Apesar de eu achar que ficou sim um espaço a ser explorado, se o autor futuramente quiser escrever mais sobre a série (nós fãs sempre achamos que dá pra ter mais um livro, não é?). Mal posso esperar por novas histórias do James Dashner, e claro, pela adaptação do primeiro livro da série que chega aos cinemas do mundo todo em setembro desse ano.

E nunca se esqueçam… o CRUEL é bom.

Todos os livros da série já foram lançados e podem ser encontrados em livrarias de todo o Brasil. Na Livraria Saraiva você tem cupom de desconto na Livraria Saraiva. Aproveite.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*