terça-feira, 17/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “A maldição dos ancestrais”, de Matt de la Peña

Resenha: “A maldição dos ancestrais”, de Matt de la Peña

Livro: A maldição dos ancestrais
Série: Infinity Ring
Autora: Matt de la Peña
Páginas: 208
Editora: Seguinte
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Folha Americanas

Quando Dak, Sera e Riq chegam ao próximo destino em sua jornada para consertar falhas históricas, são recebidos por uma tempestade. Eles estão na península de Yucatán, lar dos antigos maias, na época da chegada dos colonizadores espanhóis -ou pelo menos deveria ser assim. Sera tem certeza de que programou o Anel do Infinito corretamente, mas eles parecem estar séculos adiantados. Enquanto tentam descobrir o que aconteceu, os três jovens desconfiam que talvez exista um motivo para estarem ali: bem naquele momento os anciãos da aldeia estão escrevendo um códice importantíssimo, que travaria o destino daquele povo para sempre. Na escola, Dak e Sera haviam aprendido que os maias eram uma civilização violenta e cruel, mas talvez a história e a cultura daquela sociedade tenham sido mal interpretadas…

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

Para a surpresa dos leitores da série Infinity Ring a nova aventura dos nossos queridos viajantes do tempo que vamos acompanhar não é a mencionada ao final de O alçapão, quando Riq afirma que eles devem ir para a China, mas sim a aventura seguinte, quando eles saem da China para a época do antigo Império Maia, em Izamal. Mas antes de entrarmos de cabeça na aventura, o prólogo nos mostra a jovem Sera revivendo a sua visão do Cataclismo – o fim do mundo, caso as Fraturas da SQ não sejam corrigidas – e essa visão não é nada animadora. Mas a garota acaba guardando essa angústia e não conta nada aos seus companheiros de viagem.

Quando Riq, Sera e Dak finalmente chegam em seu destino e eles têm o primeiro contato com os maias, eles acabam descobrindo que chegaram quase que um milênio adiantados. O que não faz sentido pois Sera programou o Anel corretamente, então eles se convencem de que há algo a ser feito ali e, por isso, o Anel os direcionou para aquela época.

Nesse volume o leitor pode perceber que, apesar de serem apenas duas crianças e um adolescente (Dak e Sera têm apenas 11 anos e Riq entre 15/16), os personagens começam a sentir o peso de sua missão de corrigir as Fraturas, das suas escolhas pessoais que fazem em cada lugar que passam, dos contatos e vínculos que criam com as pessoas desses lugares, e eles estão claramente amadurecendo ao longo da história. Confesso que em vários momentos eu simplesmente esqueço da idade dos personagens, mesmo nos trechos em que Dak age como um “crianção”. Eu sempre acho que é apenas o alívio cômico da história.

Acabei gostando muito mais desse volume do que do último, por vários motivos, mas principalmente pelo fato de abordar um período histórico e um povo do qual eu sempre gostei muito de estudar nas aulas de história (os maias), e também pela carga emotiva que Matt deu ao livro e à série. Sem deixar ele meloso ou muito diferente dos outros enredos, achei que esse enredo me deixou mais próxima dos sentimentos dos personagens e algumas passagens mais para o final me deixaram com os olhos marejados. Com certeza uma ótima adição à série, gostei muito do estilo de Matt de la Peña e pretendo ler algum outro título do autor.

“Porque é uma coisa injusta, feita por pura ignorância. Eles não conseguem tolerar o que não entendem.” – K’inich, p. 170


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*