segunda-feira, 16/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Sangue”, de K. J. Wignall

Resenha: “Sangue”, de K. J. Wignall

Livro: A maldição dos ancestrais
Série: Vampiro de Mércia, O
Autora: K.J. Wignall
Páginas: 224
Editora: Bertrand Brasil
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Saraiva Travessa Cultura

1256. Will estava destinado a ser o Conde de Mércia, mas não viveu o bastante para herdar o título, já que foi acometido por uma estranha doença aos 16 anos de idade. Mesmo assim, apesar de sua morte – e de seu enterro –, ele não está nada morto. Ao longo das páginas, o leitor vai compreender um pouco sobre esta condição de Will. Descobrir que ele está existindo entre a vida e a morte. Ocasionalmente hiberna, sempre esperando que a morte lhe chame e, toda vez que desperta, enterrado no solo, tem uma breve lembrança do primeiro pânico que sentiu em 1349. Sangue apresenta como um de seus principais diferenciais o fato de ser mais macabro e sombrio do que as obras atuais do gênero. Para Wignall, o romantismo é importante, mas nunca deve se sobrepor ao enredo. Assim, ele elaborou cenas angustiantes, como as que o protagonista enfrenta sempre que desperta das hibernações, além de ambientes sinistros e escuros e personagens bem-construídos, perversos e sem escrúpulos.

Logo que me li a sinopse e a chamada do livro, invocando os vampiros durões como era o Drácula, fiquei louca para ler esse primeiro livro de uma trilogia. Quando vi a sua capa ao vivo então, simplesmente me apaixonei.

Sangue nos apresenta a história de William de Mércia, ou apenas Will. Nascido no século 13, ele era o jovem filho do Conde de Mércia, quando, aos 16 anos, foi acometido por uma horrenda doença (em outras palavras, virou vampiro) e veio a falecer no ano de 1256, quando 7 mulheres foram queimadas em sua cidade, condenadas por bruxaria. A diferença foi que, algumas décadas depois, ele despertou em seu caixão e escapou pela terra, encontrando uma câmara subterrânea feita para ele.

Sem nenhuma memória de ter sido mordido, por quem foi mordido, o motivo ou saber o que tinha se tornado, Will seguiu seus instintos e, durante 7 séculos foi ao pouco aprendendo sozinho sobre sua própria condição, condenado a viver uma vida solitária. Mas William de Mércia está longe de ser um vampiro – ou como o próprio personagem prefere, morto-vivo – durão e avassalador como eu imaginava que ele seria. Ele se alimenta somente quando extremamente necessário, geralmente quando desperta de seu sono, e de pessoas que não têm família e das quais ninguém chegará a sentir falta.

Sempre em busca daquele que o transformou no que ele é, mas sem nunca descobrir nada sobre ele. Mas sua última vítima, Jex, – da qual acompanhamos – vira sua vida de pernas para o ar: ele encontra seu nome escrito em um caderno de anotações de Jex e fica intrigado. No mesmo caderno há desenhos de uma garota que Will acaba conhecendo nas páginas seguintes, Eloise, então ele acredita que, de alguma forma, essa garota está ligada a ele. O que para o leitor pode parecer um monte de coincidências jogadas ao acaso, o personagem principal chama de destino.

Claro o clichê principal está presente: Will e Eloise acabam criando interesse um pelo outro, mas não ficam juntos pois tudo que Will consegue pensar quando ela o beija é que ela é comida para o jantar. Fora isso, os dois convivem harmoniosamente bem e ela lida com naturalidade ao conhecer a história dele.

É um bom livro, com uma boa ideia, mas com um enredo pouco desenvolvido. A escrita tem uma ótima ambientização sobrenatural com as descrições de igrejas, criptas, espectros e tudo o mais, mas o autor ficou devendo em profundidade, tanto dos personagens quanto da própria história. Esperava que William de Mércia fosse um vampiro assustador e implacável, mas acabei me decepcionando em minhas expectativas, quem sabe ele venha a se tornar isso nos outros dois volumes da série?

O que mais me agradou no livro foi a divisão da narrativa entre um narrador onisciente em terceira pessoa que conta a história que está acontecendo no presente e alguns capítulos temos trechos do diário de Will, contando experiências suas através dos séculos.

Estava bem desanimada com a leitura quando, ao final, temos um vislumbre de um personagem mencionado o tempo todo ao longo da leitura, mas que não sabíamos quem ele era exatamente, que acabou dando um gás de curiosidade para imaginar o que vem por aí nos próximos volumes. Espero que Alquimia tenha um enredo melhor desenvolvido e menos acasos, pois a série tem potencial.


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

4 comentários

  1. Tiago Santos

    Hmm.. eu estava pensando em comprar, mas agora, depois de ler essa resenha, bateu uma super dúvida, gosto de romances e até um pouco de cliches, mas esperava q esse livro fosse mais dark, com um protagonista mais frio e decidido, entretanto pelo jeito parece ser a mesma lenga lenga de sempre :/

  2. Bruna Fernández

    Olha Tiago, o problema da história é que eu esperava o que você disse: um vampiro frio e cruel, mas pelo que eu entendi a série pode estar mostrando o caminho percorrido por William de Mércia através dos anos para se tornar essa personagem que imaginamos.

    Espero que isso aconteça, do contrário vai ser meio decepcionante.

  3. Tiago Santos

    Realmente, acho q vou comprar e ler só pra matar a curiosidade, fora q eu vi ele na livraria e a capa eh sensacional, meio q me cativou hahaha (tenho um fraco por capas :P), mas ja vou esperando algo não tão bom assim. E eu q acabei de ler King of Thornes realmente tava procurando um romance mais dark naquele estilo, mas vamos ver no q esse ai vai dar :D

    Acompanharei as próximas resenhas da coleção se vc fizer pra ver qual vai ser sua opinião sobre o restante da série ^^

  4. Eu li este livro… gostei da historia, ate entao. Segue uma linhagem mais “original” de um vampiro. nao conta sobre um romance, exatamente. achei que poderia ser meio cliche mas me surpreendi com a originalidade do contexto. Aguardo sua sequencia… Ate porque o protaginista sangue-suga tem mesmo nome e apelido que eu. rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*