segunda-feira, 18/12/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Se eu ficar”, de Gayle Forman

Resenha: “Se eu ficar”, de Gayle Forman

Livro: Se Eu Ficar
Série: Se eu ficar
Autora: Gayle Forman
Páginas: 224
Editora: Novo Conceito
Resenha por: Monique
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Folha Amazon

Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera… e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

Começo falando que conheci o livro totalmente sem querer graças a pessoas chorosas em meu twitter que comentavam sobre o lançamento do filme. Comprei em uma promoção e li absurdamente rápido. Minha capa é a do poster do filme, as páginas são grossas e com desenhos que lembram uma partitura, uma fofura só.

A leitura flui com uma facilidade incrível, parte por ser escrito com uma linguagem simples e parte por ter um enredo bom, o leitor tem a vontade de saber o que a personagem quer contar. Se Eu Ficar é um livro que você lê de uma vez se tiver tempo para fazê-lo.

Gayle Forman criou bons personagens, não são tão profundos pois não tem tempo suficiente para, mas também não podemos chamá-los de rasos, principalmente Mia, seu namorado Adam e sua melhor amiga Kim. Todos os personagens deste livro fazem parte do universo de Mia, desde sua família próxima (como pais e irmão) até os amigos do acampamento musical de verão.

O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Mia e começa contando em detalhes o terrível acidente de carro que ela sofre com sua família quando estavam a caminho de um jantar na casa dos avós. Mia vê seus pais mortos na estrada (NÂO, não é spoiler, são as primeiras páginas do livro) e se depara com seu próprio corpo desacordado e com machucados graves. Percebendo que não está morta ela começa a contar sua história e decidir se quer ficar ou não voltar do coma.

Mia nasceu em uma família não muito tradicional, sua mãe era uma feminista ferrenha que se apaixonou por um rockstar, o pai de Mia. Ela não negou o fato de ter a música em seu sangue e desde cedo se apaixonou por tocar um instrumento, fugindo do rock familiar e caindo no clássico violoncelo. Seu pai largou a banda quando sua mãe ficou grávida de Teddy, fazendo com que ela também parasse para pensar se deveria seguir em frente com seus estudos clássicos. Foi nessa época que conheceu sua melhor amiga Kim que sempre a ajudou nas decisões mais complicadas, incluindo se matricular em um acampamento de verão para músicos.

Já na época do ensino médio conheceu Adam, um ano mais velho e vocalista de uma banda de punk rock chamada Shooting Star. A paixão não demorou muito para aflorar assim como problemas do gênero “fazer faculdade de música em Nova Iorque” e “a Shooting Star começar a ganhar espaço no cenário musical”.

Mia transita entre histórias de seu passado e relatos do que está acontecendo na UTI enquanto está em coma. O livro tem pontos emocionantes onde seus avós e amigos conversam com ela pedindo para que fique mas ao mesmo tempo libertando-a de qualquer pressão, ela poderia escolher o que era melhor.

O fim do livro é exatamente o ponto de sua decisão final, ficar e encarar a perda dos pais e irmão ou ir e deixar com que seus familiares, amigos e namorado sigam suas vidas sem tê-la como um peso. Vale a leitura, estou louca pelo próximo livro que será narrado pelo ponto de vista de Adam.

Sobre Monique Marie

Publicitária frustrada com o pouco dinheiro da área e admiradora de tudo que envolve a política. Gosta de seriados que tenham serial killers, filmes infantis, fanática por futebol e F1, além de tentar competir com o Dr. Reid (Criminal Minds) quem lê mais rápido. Geralmente não gosta de ler o que está “na moda”, adora indicações e ainda acredita que muitos livros se vendem pela capa. Não se separa de seu amigo rivotril e escreve no mínimo um texto por dia.

6 comentários

  1. Estou na dúvida, não sei se leio esse livro ou não! Li algumas resenhas muito boas e outras ruins…Acho que vou esperar mais um pouco, falaram que a edição da Novo Conceito veio com muitos erros devido a pressa de publicar o livro antes da estreia do filme :\
    http://www.vicioemlivros.com/

  2. Monique Marie

    Oi Pri tudo bem?

    A edição da NC é bonita e não percebi erros que comprometam a leitura não.
    O livro é de fácil leitura e rápido, li em algumas horas. Particularmente eu gostei e quero ler a continuação, vi comentários ruins a respeito do filme e vou esperar chegar no Telecine mesmo =p
    Beijos

  3. MONIQUE adorei sua resenha !!!

  4. Monique Marie

    Letícia,
    Obrigada pelo elogio!
    Beijão

  5. Olá fiquei um pouco confusa em relação em quem escreveu o livro, gayle forman ou monique? Aguardo respostas

  6. Monique Marie

    Olá Yasmin tudo bem?
    Quem me dera ter escrito Se eu Ficar!!!
    Como você pode observar lá no começo da resenha colocamos todos os dados do livro incluindo o autor ou autora e lá está o nome da Gayle Forman e o nome da resenhista do livro que no caso sou eu.
    Esse “quem escreveu” que fica abaixo de todos os posts do site é para que os nossos visitantes conheçam um pouco de quem escreveu o post/notícia.
    Espero ter tirado a sua dúvida.
    Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*