sexta-feira, 18/10/2019
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Necrotério”, de Patricia Cornwell

Resenha: “Necrotério”, de Patricia Cornwell

Livro: Necrotério
Série: Kay Scarpetta
Autora: Patricia Cornwell
Páginas: 376
Editora: Paralela
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Submarino Cultura Travessa Amazon

Patricia Cornwell é autoridade em livros de investigação forense. O décimo oitavo livro da série de Kay Scarpetta revela um passado secreto que volta para assombrar a protagonista. O ritmo alucinante de traição e tecnologia está presente nesta nova aventura. Conhecemos o início de sua carreira, quando Kay Scarpetta aceitou uma bolsa da Força Aérea para pagar pelos estudos na universidade. Agora, mais de vinte anos mais tarde, suas conexões militares secretas a trazem de volta para a base aérea Dover, onde esteve em um programa de treinamento. Como chefe do novo Centro Forense de Cambridge, em Massachusetts, Scarpetta enfrenta um caso que pode destruir sua reputação e tudo aquilo que lutou para conquistar pessoal e profissionalmente.

Necrotério é o décimo oitavo livro da série Kay Scarpetta e ele chegou nas minhas mãos para resenhar sendo que eu apenas tinha lido os três primeiros livros da série. Como a série trata de ‘casos isolados’, mergulhei na leitura mesmo tento um buraco de 15 livros até chegar nesse último lançamento de Patricia Cornwell.

Achei que ficaria um pouco perdida com o que estava acontecendo paralelamente na vida dos personagens – Dra. Scarpetta, Marino, Lucy entre outros – mas foi bem fácil de acompanhar, ainda mais porque a autora acaba preenchendo algumas lacunas, voltando no tempo. Me impressionou muito o fato de ter se passado tanto tempo nos livros, Lucy – sobrinha da doutora que dá nome à série – já é adulta, pilota helicópteros e é obcecada com tecnologia.

Falando em tecnologia, esse é um ponto em que esse livro se difere muito dos primeiros da série. Se antes, por serem escritos na década de 90, os livros eram arcaicos nesse tema, em Necrotério Cornwell atinge o píncaro da modernidade com a nanotecnologia. É muito interessante acompanhar a evolução do mundo criado pelo autor e perceber que não sabemos nem a metade sobre as coisas que já existem e são possíveis, graças à tecnologia, em nosso mundo.

“O problema é que ninguém mais parece entender o que as pessoas estão dizendo. As pessoas não ouvem.” – p. 211

O enredo desse volume, curiosamente, é extremamente lento e sem ação. A história toda se passa em um curto período de tempo e “visitamos” apenas alguns poucos locais durante a história, com a maior parte do texto se desenvolve como diálogos internos da Dra. Scarpetta, que passa o tempo todo remoendo as (poucas) informações que chegam até ela. E apesar disso não achei o livro enfadonho, pelo contrário. Foi uma forma diferente que deu uma refrescada na série, apesar de não saber se ela já fez isso em algum outro volume, lembrem que eu ainda preciso ler 15 livros dessa série! :)

Tudo que sei dizer é que a série continua incrível, com personagens mais obscuros e complexos. A única coisa que me incomodou um pouco durante a leitura foi o excesso de jargões militares e médicos, nos quais eu acabei ficando completamente perdida em alguns momentos.


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

2 comentários

  1. Achei um dos piores livros da minha vida. Chegou a ser traumático. Amo a série Scarpetta, mas do 12º livro em diante, ela decaiu tanto que as obras nem parecem ser escritas pela mesma pessoa. Foi minha última experiência com Cornwell. Daqui em diante, vivereid e passado e só relerei os livros de sua era de ouro.

    falo sobre ela em meu blog num post sobre médicas da literatura, se quiser conferir:

    http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2014/07/sete-medicas-que-amamos.html

  2. Detestei o livro.Esperava muito mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.