sábado, 14/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “A aliança dos povos”, de Helena Gomes

Resenha: “A aliança dos povos”, de Helena Gomes

Livro: A aliança dos povos
Série: Caverna de Cristais
Autores: Helena Gomes
Páginas: 509
Editora: Rocco
Resenha por: Lais Baptista
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Travessa

Thomas, Erin e Vince partem de seu mundo medieval para planetas distantes com um único objetivo: encontrar aliados na luta desesperada contra os temidos nergals. Após atravessar uma fenda espacial, entre o tecnológico povo de Gaia e estranhos alienígenas, os três jovens enfrentam novos perigos, traições e até a própria morte. Mudu-za, líder dos nergals, espera apenas o momento certo para desferir o golpe final.
Aliança dos povos é o segundo volume da série A Caverna de Cristais, uma das sagas de fantasia/ficção científica pioneiras dentro da promissora literatura fantástica brasileira. A exclusiva edição eletrônica, incansavelmente revisada pela talentosa autora e dividida em sete volumes, conta com uma apresentação de Leandro “Radrak” Reis. Helena Gomes já tem mais de vinte obras publicadas, algumas delas selecionadas para programas de leitura como o PNBE, e recebeu distinções importantes, como o selo Altamente Recomendável da FNLIJ.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

Minha segunda visita ao universo criado por Helena Gomes foi muito mais prazerosa que a primeira. Principalmente pelo fato que o que mais me incomodou no primeiro livro (a linguagem “rebuscada”) quase não está presente nessa continuação.

A história de Thomas, Erin e Vince/William ficou bem mais interessante nesse livro. Temos mais explicações, armações políticas e muitas, muitas cenas de ação. Cenas bem divertidas por sinal. Aliás, o livro todo é bem divertido, tem várias piadas bem contadas e as cenas leves são bem espalhadas pelo livro para não deixar tudo muito sombrio e pesado.

As personagens novas introduzidas são cativantes e bem construídas. Gostei muito da história dos refugiados e da Pirata apaixonada pelo Will. São detalhes divertidos que mostram o esforço da autora na hora de construir seu universo.

O desenvolvimento do Will ao longo do livro foi fantástico, uma jornada emocional muito bonita e bem escrita. Foi sutil, devagar e por isso que foi crível. A jornada do Thomas foi menor, mas também foi bem interessante de se acompanhar.

Um ponto que não gostei muito foi a representação feminina. Quase todas as mulheres que aparecem pelo livro estão em um relacionamento ou querendo um e são extremamente agressivas, competitivas e ciumentas nesse aspecto. Aliás, uma das reviravoltas na parte final do livro depende inteiramente disso e me irritou profundamente. É um pouco cansativo ver a representação de mulheres em livros de fantasia ser tão unidimensional, principalmente num livro escrito por uma mulher. Mulheres não são seres altamente emotivos e ciumentos e que “nenhum homem consegue entender”. Se os escritores são capazes de inventar raças de alienígenas e tecnologias fantásticas, são capazes de inventar personagens femininas fugindo desse estereótipo.

Também vi alguns erros de revisão no livro, principalmente ortografia, mas alguns de concordância (usar tu e vós pode ser mais difícil do que aparenta à primeira vista), o que é triste considerando que foi um ponto que me encantou muito no primeiro volume da série.

Num geral, A aliança dos povos escapou da maldição do segundo livro, sendo até mais interessante que o primeiro da série. Eu teria lido muito mais rápido se tivesse uma cópia física do livro ou um aplicativo para leitura que não o que eu usei (altas dores de cabeça com ele). Até digo que estou esperando o próximo capítulo da aventura dos irmãos Sutter.


Aviso Legal: Esse e-book foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Lais

Uma biomédica que ama livros, cupcakes e gatinhos. Pottermaníaca confessa, divide seu tempo entre internet, séries, cozinhar doces, eventuais atividades de geneticista e ficar espiando pelo canto do olho se sua carta de Hogwarts finalmente chegou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*