segunda-feira, 23/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “A casa assombrada”, de John Boyne

Resenha: “A casa assombrada”, de John Boyne

Livro: A Casa Assombrada
Autor: John Boyne
Páginas: 296
Editora: Companhia das Letras
Resenha por: Nina
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Folha Travessa Amazon

Eliza Caine tem 21 anos e acaba de perder o pai. Totalmente sozinha e sem dinheiro suficiente para pagar o aluguel na cidade, ela se depara com o anúncio de um tal H. Bennet. Ele busca uma governanta para se dedicar aos cuidados e à educação das crianças de Gaudlin Hall, uma propriedade no condado de Norfolk – sem, no entanto, mencionar quantas são, quantos anos têm ou dar quaisquer outras explicações. Assim, ela larga o emprego de professora numa escola para meninas e ruma para o interior.

Chegando a Gaudlin Hall, Eliza se surpreende ao encontrar apenas Isabella, uma menina que parece inteligente demais para sua idade, e Eustace, seu adorável irmão de oito anos. Os pais das crianças não estão lá. Não se veem criados. Ela logo constata que não há nenhum outro adulto na propriedade, e a identidade de H. Bennet permanece um mistério.

A governanta recém-contratada busca informações com as pessoas do vilarejo, mas todos a evitam. Nesse meio tempo, fica intrigada com janelas que se fecham sem explicação, cortinas que se movem sozinhas e ventos desproporcionais soprando pela propriedade. E então coisas realmente assustadoras começam a acontecer…

Quando você se depara com um novo livro, antes de qualquer outra informação sobre ele, após o título, sempre vem aquele suspense sobre o autor. Nesse caso, a informação vem na capa: “Do autor de O menino do pijama listrado“. Eu sou dessas que de cara já se empolga e fica esperando um ótimo livro, só de saber que o autor escreveu um outro livro bom – mas quase sempre acabo quebrando a cara. Mas devo avisar, esse não foi o caso.

Durante as 5 primeiras páginas do livro, aconteceu uma total frustração das minhas expectativas. Começa lento, informação demais, um monte de coisas soltas… Uma verdadeira colcha de retalhos. Felizmente, foi só nessa parte que fiquei frustrada. Depois das introduções revelando um pouco sobre os personagens, a verdadeira história começa.

Londres, segunda metade do século XIX. Imagine uma cidade fria, úmida e cheia de neblina, daquelas de não enxergar um palmo à sua frente. Agora adicione a isso ninguém menos que Charles Dickens lendo uma história de fantasmas! É a introdução perfeita – ainda mais sendo essa introdução a razão de todos os acontecimentos seguintes. Não, Charles Dickens não é um personagem da história, mas a história acontece por causa dele.

Eliza Caine é descrita como uma menina particularmente não atraente. Aos 21 anos, sua vida é dar aula para suas pequenas em um colégio para meninas e cuidar do seu pai, um entomologista muito fã do escritor Charles Dickens. Apesar do tempo hostil, o pai de Eliza quer muito ir à uma leitura do escritor, e ainda que Eliza tentasse argumentar, o Sr. Caine não se deixou convencer pelo fato de sua saúde estar frágil. Ao final do “melhor dia de sua vida”, o Sr. Caine piorou e veio a falecer. A pobre Eliza, sem sua família, sem um teto, responde a um anúncio no jornal para uma vaga de governanta no interior. E é lá que ela se encontra com o desconhecido…

O que me fascinou nesse livro foi exatamente a posição que o autor coloca Eliza, tendo que lidar com a perda e o vazio, se jogando no desconhecido de um anúncio de jornal. E apesar de todas as perguntas que ela se faz, corre incessantemente atrás das respostas, ainda que o medo seja um enorme freio. Eu simplesmente detesto figuras infantis vinculadas ao gênero terror, porque elas me apavoram, e Isabella e Eustace ainda são construídos com esse ar de quem sabe mais do que conta, aparecem do nada em alguns lugares, tem conversas misteriosas e comportamento suspeito.

O trabalho de John Boyne construindo um suspense apavorante em torno de tão poucos personagens deixa a história ainda mais densa. Mas ao mesmo tempo que é uma história que te deixa tenso, também te deixa ansioso por mais. Eu li o livro em dois dias, porque não conseguia parar!Além do mais, é um livro pequeno, que dá pra ser devorado em poucas horas – mas com início, meio e fim… Bom, a parte do fim eu não estou bem certa.

Se você curte outros trabalhos do autor, esse é um imperdível! E eu, como uma grande fã de livros de mistérios, recomendo a leitura de A casa assombrada o quanto antes! É um livro que não pode falta na sua estante!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Nina Lima

Poderia ser qualquer outra coisa, mas resolveu ser turismóloga e apaixonada pela Inglaterra e pelo McFLY. Leu a trilogia Jogos Vorazes em três dias e amou; considera Harry Potter a melhor série do mundo, adora a escrita da Meg Cabot e topa qualquer YA Book.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*