segunda-feira, 23/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Batalhas nas ruas”, de Simon Scarrow

Resenha: “Batalhas nas ruas”, de Simon Scarrow

Livro: Batalhas nas ruas
Série: Gladiador
Autor: Simon Scarrow (@SimonScarrow)
Páginas: 336
Editora: Rocco
Tradução: Priscila Catão
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Saraiva Cultura Travessa Amazon

O escritor Simon Scarrow, que antes de se dedicar à literatura foi professor de História, retoma a aventura do jovem aprendiz de gladiador Marcus Cornelius Primus com o segundo volume da série Gladiador: Batalhas nas ruas. Na trama, o jovem, vendido como escravo quando tentava vingar a morte do pai e libertar a mãe, também escravizada, acaba sendo comprado por ninguém menos que o imperador Gaius Julius Caesar e tem que conciliar o treinamento de gladiador e as tarefas impostas por Caesar com o plano de salvar sua mãe. Enquanto compõe uma rica descrição do cenário de intrigas políticas e brutalidade da vida na Roma Antiga, o autor põe à prova tanto as habilidades físicas quanto a coragem, lealdade e inteligência de Marcus, numa estimulante e enriquecedora aventura para jovens.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

“Sentiu-se estúpido e ingênuo. O mundo era bem mais complicado do que ele pensava.” – p. 89

O mais cruel de se ler séries é que geralmente você precisa esperar um ano até sair a continuação. Esse caso foi particularmente chato, principalmente depois da revelação final do primeiro livro. Vale mencionar aqui que eu não gosto nem um pouco das capas dessa série, mas aqui é importante lembrar do ditado “nunca julgue um livro por sua capa”, pois a história contada por Simon é super envolvente, ainda mais para quem, como eu, adora enredos ambientados na época do antigo Império Romano.

Nesse segundo volume, Batalhas nas ruas, continuamos a acompanhar Marcus, “filho” (entre aspas, pois ao final de Luta pela Liberdade descobrimos quem é o verdadeiro pai de Marcus) de um centurião aposentado que foi morto e Marcus e sua mãe acabam se tornando escravos e sendo separados. Depois de começar a ser treinado na escola de gladiadores de Porcino e salvar a vida da sobrinha de Gaius Julius Caesar, Marcus é comprado por ele e agora é um servo de muito valor para o seu amo. Porém os planos de Caesar para Marcus não são, nem de longe, o real desejo do garoto. Marcus quer se tornar livre para poder libertar a sua mãe da escravidão. Caesar quer que ele se torne um gladiador, e o garoto tem talento de sobra para isso. Ele se torna um exímio lutador nesse volume e aprende muito rápido tudo que lhe é ensinado: manuseio de facas, clavas e todo tipo de arma.

Gostei muito do fato desse livro se passar na Roma antiga, pois dá pra ter uma leve visão de como era a vida naquela época. Gangues espalhadas pelos bairros que servem aos senadores que pagam o valor mais alto. Senadores, que, por sua vez, planejam eliminar seus inimigos (leia-se seus colegas de emprego, outros senadores) para se beneficiar no senado. Corrupção e intriga política na sua forma mais simples e antiga, talvez. E isso tudo contrasta muito bem com a personalidade de Marcus, que apesar de ser um incrível lutador, ainda é um garoto muito ingênuo. Nesse volume vemos o crescimento da personagem nesse sentido, afinal, não é fácil sobreviver nas ruas de Roma se você não for esperto. Entretanto, apesar desse crescimento, Marcus não perde sua integridade, nem sua honra, mantendo sempre a sua palavra e fazendo tudo a seu alcance para ajudar seu amo, e claro, a sua causa.

Um aspecto do livro que me agrada muito são os capítulos breves, que dão aquela sensação de ah, vou só ler mais um capítulo que dá tempo e, quando você percebe, se perdeu na história e perdeu a hora, o ponto/estação que tinha que descer…

Batalhas nas ruas também traz uma pitada de romance entre Marcus e Portia, a sobrinha de Caesar, cuja vida ele salva novamente nesse livro. Tudo bem de leve, afinal, ela é filha do mais poderoso senador de Roma e ele, um escravo. Mas já deu para perceber que Portia deve desempenhar um papel muito importante nos próximos volumes. Gosto da personagem, que não é uma garota com a cabeça nas nuvens, que não tem ideia do que acontece ao seu redor.

O tema escravidão é mais fortemente abordado nesse volume, visto que Marcus tem contato com todo o tipo de escravo na casa de Caesar, e é muito interessante ver como muitos desses escravos estão acostumados com a sua atual situação. Para muitos é cômodo ter um senhor e regras que ditam toda a sua vida e muitas vezes temos a impressão de que a ideia de liberdade os incomoda. O final é surpreendente e eu confesso que não esperava que Caesar mantivesse a sua palavra e cumprisse o combinado com Marcus. Agora é segurar a ansiedade pois o terceiro livro da série, Filho de Spartacus deve sair apenas no início de 2016.

“- Isso é uma ameaça? (…)
– É uma promessa.” – p. 285


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*