segunda-feira, 16/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “O maravilhoso agora”, de Tim Tharp

Resenha: “O maravilhoso agora”, de Tim Tharp

Livro: O maravilhoso agora
Autor: Tim Tharp (@timtharp1)
Páginas: 320
Editora: Galera Record
Tradução: Juliana Romeiro
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Folha Travessa Amazon

Sutter Kelly é O Cara, o rei das festas. Porém, diferente dos amigos adolescentes, não está preocupado com o futuro, está mais interessado em viver o agora. Com um 7Up batizado nas mãos ele está pronto para qualquer coisa. Mas nem tudo anda bem para ele. Vive discutindo com a mãe, o pai há anos não dá notícias, e sua namorada Cassidy lhe deu um pé na bunda. Em meio a esse caos, a doce Aimee pode despertar Sutter para outra realidade. E, pela primeira vez, ele tem o poder de fazer a diferença na vida de alguém, ou de arruiná-la para sempre.

“Escola é um negócio esquisito. Mas, lembre-se, diferente é bom. Aceite o diferente, cara.” – p. 13

Muitas pessoas que eu conheço, de diferentes gostos literários, me recomendaram esse livro, então acabei incluindo ele na minha eternamente enorme lista de desejados. Eis que em um dos meus passeios pelas livrarias dessa vida, encontrei o livro em promoção por apenas quinze reais. Comprei na hora. Só que ele acabou ficando na minha estante… até que as minhas férias chegaram e achei que o título e a capa despretensiosos era bem propensos para o mochilão que eu estava prestes a fazer, então ele foi o escolhido pra me acompanhar durante a viagem.

Só que o livro não tem nada de despretensioso, é uma história pesada. Não é um romance fofo com uma mensagem no final. É uma história cruamente realista, que nos lembra que no mundo real, às vezes, as coisas são do jeito que são e ponto final. Nem todo mundo consegue o seu final feliz. Em O maravilhoso agora acompanhamos Sutter, um adolescente que vive o agora, sem se apegar em consequências, sem pensar no que vem pela frente. Tudo que importa pra ele é o momento presente. E claro, essa atitude o torna super popular entre o pessoal da escola.

No ínicio achava que Sutter era simplesmente um bon-vivant, mas ao longo da história percebe-se que ele é assim por não ter nenhuma esperança de que sua vida pode ser melhor, de que ele pode ser melhor. É uma personagem que parece ser superficial, mas que assim que o conhecemos melhor, percebemos que existe muito mais além de sua fachada descolada. Em vários momentos me sentia raiva de Sutter, quase o odiava, mas como diz o ditado, pra odiar alguém, é preciso se importar com esse alguém.

Foi uma leitura bem homeopática, fiquei quase um mês lendo este livro – não por ele ser chato ou ruim, mas sim por estar lendo ele em uma viagem longa, com pouco tempo para leitura e muito pra se explorar na rua – então tive muito tempo de digerir os acontecimentos, o desfecho – que não foi o que eu esperava e me deixou seriamente chateada no momento que eu terminei a leitura – e as atitudes de Sutter e então perceber que esse é um livro único entre tantos outros livros para jovens adultos.

Uma história que desperta os mais diferentes sentimentos do leitor. Prepare-se para se enfurecer e se encantar com a honestidade e o cinismo de Sutter Kelly, sua vida não será a mesma.


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Um comentário

  1. Nas informações do livro ficou como “O ‘espetacular’ agora”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*