sexta-feira, 18/10/2019
Últimas do LeS:
Capa » Entrevistas » Entrevista: G. Willow Wilson

Entrevista: G. Willow Wilson

Original: Release Rocco
Tradução: Rocco
Revisão: Bruna Fernández

Em Alif, o invisível, romance de estreia da norte-americana convertida ao islamismo G. Willow Wilson, a teologia islâmica, o universo dos hackers e os acontecimentos da Primavera Árabe se mesclam para tecer uma rica narrativa, na qual o cotidiano colide com o sobrenatural. Elogiado pela crítica, o romance conquistou o World Fantasy Award, foi finalista do Women’s Prize for Fiction e incluído na tradicional lista de livros notáveis do ano do The New York Times. Uma jornada surpreendente que rendeu à autora comparações com escritores como Philip Pullman, Neil Gaiman e J. K. Rowling, por sua capacidade para mesclar diferentes mundos.

Nesta entrevista a autora fala sobre seus escritos, o gênero de fantasia e sobre Alif, o invisível:

Como o trabalho com quadrinhos influenciou seu romance?
Escrever quadrinhos e graphic novels tem uma profunda influência no modo como escrevo prosa. A trama de uma graphic novel deve ser econômica e funcional. Não há espaço para o diálogo supérfluo, que não chega a lugar algum, para a subtrama que jamais vinga. Os ganchos devem corresponder à paginação, para que o leitor não veja imediatamente o resultado na página oposta, estragando assim o suspense. Sempre se trabalha com um limite exato de páginas. É uma forma de arte tremendamente rigorosa. Passei a valorizar muito a estrutura da história e uso este conceito em minha prosa.

A tecnologia, a magia e a religião se entrelaçam perfeitamente em Alif, o invisível. O que lhe deu a ideia de combinar esses elementos?
Neste momento, são muitas as conversas incríveis no Oriente Médio sobre o papel da religião na era digital, a face cambiante da política e o renascimento do mito. Muitos diálogos no livro foram inspirados em discussões reais que tive com gente de verdade sobre esses assuntos. Passei muito tempo frustrando-me porque não havia muita consciência ou interesse pela cultura jovem árabe aqui, nos Estados Unidos. As pessoas queriam ouvir sobre o fundamentalismo, o uso de véus e o terrorismo, mas não do que pensava ou fazia a próxima geração. A Primavera Árabe mudou tudo. Agora as pessoas levam mais a sério o papel da mídia social e procuram pelas forças que estarão em ação no novo Oriente Médio: um movimento jovem bastante progressista combinado com vários grupos islâmicos.

Até que ponto os djin e seu mundo são fiéis ao material-fonte e o quanto isso é fruto da sua própria imaginação?
Sempre que posso, mantenho-me fiel à mitologia original. Todas as tribos de djinn mencionadas no livro – marid, effrit, vetala, e assim por diante – vêm de mitos ancentrais, embora a vetala na realidade seja inspirada no folclore indiano, e não no árabe. Como o Golfo Pérsico tem uma ligação cultural distinta com o subcontinente indiano por intermédio dos milhões de trabalhadores convidados que moram ali, julguei que seria adequado. Os effrit chegam a aparecer no Alcorão. Acredito fortemente na escola de invenção de histórias sem “invencionices”.

Pode falar um pouco sobre como desenvolveu o dinâmico elenco de Alif?
Nesse caso, ele praticamente se criou sozinho. Alif e Dina, em particular, parecem-me ter evoluído naturalmente na página à medida que eu escrevia. Tento me lembrar de que cada acontecimento numa história, inclusive a aventura mais fantástica e surreal, tem um impacto prático e emocional nos personagens que o vivem. Passando tanto tempo entre culturas, de certo modo fiquei sensível demais à reação das pessoas e a pequenas ofensas, pequenas mudanças, pequenas rupturas. Isto facilita imaginar as grandes. Vários dos principais personagens do livro – Alif, Dina, a convertida – têm de lidar com tensões em torno de classe e etnia; depois de passar toda a minha vida adulta morando entre os Estados Unidos, onde fui criada, e o Egito, onde foi criado meu marido, conheço bem essas tensões.

A maioria dos personagens de Alif, o invisível é de geeks, e pipocam várias alusões leves à cultura geek/nerd pelo livro. O mundo geek teve um papel importante na sua vida?
Sou uma geek veterana, apesar de um tanto enrustida. Eu participava de role-playing games (RPG) no ensino médio e leio quadrinhos desde que era criança. Converti-me tarde, mas ardorosamente, ao videogame. O cara que me introduziu aos videogames – mais precisamente, World of Warcraft – é um muçulmano devoto do tipo que angaria três angaria três revistas físicas a mais nos aeroportos. Barba densa, taqiyah, tudo. A cultura geek é outsider e, no mundo ocidental, o Islã também é uma cultura alheia, assim há uma afinidade estranhamente natural. Quando vou à Comic-Con, em geral sou praticamente a única mulher de lenço na cabeça, mas isso não importa, porque fico ao lado de um cara que usa óculos hipster e uma fantasia de Sailor Moon. Todos somos estranhos juntos. Esse intercâmbio de culturas diferentes teve um forte papel no que me motivou a escrever Alif, o invisível.

Por que você acha que o gênero de fantasia se utiliza mais da mitologia ocidental do que da oriental? Você vê alguma mudança nesse status quo?
Creio que a fantasia moderna se utiliza da mitologia ocidental porque a fantasia moderna é principalmente do gênero ocidental. Tolkien decidiu explicitamente criar um ciclo mitológico para os povos da Grã-Bretanha cujas culturas se perderam depois da invasão normanda. C.S. Lewis estava reagindo às consequências adversas da Primeira e da Segunda Guerras Mundiais sobre o povo britânico, em especial no que dizia respeito à fé, porque ele, como Tolkien e muitos outros escritores de fantasia no início da era moderna, era um cristão devoto. Foi um movimento literário específico daquela cultura. O que fiz em Alif não é diferente. Lewis explorou sua política, mitologia e crenças, eu explorei as minhas. O gênero de fantasia está decolando para novos rumos interculturais – Saladin Ahmed, autor de Throne of Crescent Moon, é um bom exemplo dessa tendência emergente, como a escritora egípcia Mansoura Ez-Eldin, autora de Maryam’s Maze. A tradição tolkiana tornou-se global e talvez também digital. Existem muitas histórias para contar.

Quais são seus planos para o próximo projeto?
Trabalho no que chamo de meu primeiro romance náutico. Um dos personagens de Alif aparece nele. É ambientado em pela Era da Exploração – mais de quinhentos anos atrás – então, vou deixar que vocês adivinhem qual deles.


Não percam sábado, a nossa resenha de Alif, o invisível, lançado essa semana no Brasil pela editora Rocco.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.