domingo, 15/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Terminais”, de Roderick Gordon e Brian Williams

Resenha: “Terminais”, de Roderick Gordon e Brian Williams

Livro: Terminais (#06)
Série: Túneis
Autores: Roderick Gordon (@RoderickGordon) e Brian Williams
Páginas: 416
Editora: Rocco
Tradução: Ryta Vinagre
Resenha por: Bru Fernández
Comprar:
Saraiva Submarino Cultura Folha Travessa Americanas Amazon

Will e Elliot estão de volta ao centro da Terra. Separados dos seus amigos, a dupla encontra inesperada ajuda em Nova Germânia e descobre um segredo que pode explicar a origem não só dos famigerados Styx, mas de toda a raça humana. Mas para salvar a Inglaterra da dominação total, os amigos terão que encontrar uma maneira de enfrentar os invasores do centro da terra, no eletrizante final da saga Túneis. Publicada em mais de 40 países, a série alcançou a lista dos mais vendidos do The New York Times e foi best-seller em 15 países. Com direitos vendidos para o cinema, Túneis encantou jovens de todo o mundo com a incrível aventura de jovens curiosos em um mundo subterrâneo.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

” – Brilha agora como um cometa da vingança – O Velho Styx citou Henrique VI, de Shakespeare.” – p. 93

Ai como é triste pegar o último livro de uma série para ler, sabendo que – de um jeito ou de outro – esse será o adeus final a Will, Chester, Elliot, Parry e tantos outros personagens queridos dessa série. Mas como é bom especular e finalmente saber o desfecho daquela história que te envolveu tanto através de inúmeras páginas! Foi com esse sentimento agridoce que eu finalmente peguei Terminais para ler, o último livro da série Túneis.

Um dos muitos pontos positivos desse livro é que antes de iniciar a aventura no sexto livro, há uma recapitulação dos últimos acontecimentos e onde se encontram cada um dos personagens ao final de Espirais. Quem lê a série sabe que temos vários personagens importantes e que eles estão todos separados, cada um tentando cumprir a sua parte no plano para derrubar os Styx. Esse “Anteriormente em…” foi super bem-vindo e mais autores deviam adotar a técnica. Leitores ávidos (e os com mais idade) podem demorar a relembrar o seu enredo, e nem todos fazem uma maratona de leitura antes de ler o próximo livro da sua série, então, por favor autores, facilitem pra gente!

Os personagens mais centrais para a evolução dessa narrativa final são Will e Elliot, que estão no mundo inferior e acabam encontrando alguns neogermanos que conseguiram sobreviver aos vírus que devastaram o local por terem ficados isolados. Eles então se aproveitam do sangue dos dois para tentar criar uma vacina. Elliot está com seus instintos Styx afiados e acaba por liderar o grupo em busca de algo que nem ela sabe ao certo o que é. Porém, ela tem certeza absoluta que pode acabar com todo o caos que está acontecendo na Crosta.

A Crosta está em perfeito caos mesmo, já que os heróis da nossa história não conseguiram impedir Hermione de completar a Fase, então agora a Inglaterra está tomada pelos Armagi: criaturas abomináveis, com a pele transparente, que são praticamente indestrutíveis já que podem se regenerar com muita facilidade. Com muitas baixas na população e o caos instalado, ninguém mais sabe o que fazer a não ser pedir ajuda internacional. É muito interessante a forma natural como esse contato com presidente, ministros e militares se dão com naturalidade no enredo. Em nenhum momento essas passagens pareceram forçadas ou fora da realidade. Palmas para os autores que souberam dosar muito bem e balancear muito bem a realidade e a fantasia.

Leitores da série se preparem para algumas surpresas boas na leitura! E algumas bem tristes, afinal, com a épica batalha final das séries, sempre acabamos perdendo personagens queridos. Muitos momentos foram bem emocionantes de se ler, uma pena eu não poder mencioná-los aqui sem dar spoiler para vocês.

Gostei muito, mas muito mesmo da forma como Roderick e Brian lidaram com o enredo e o desfecho da série. Senti que a justiça foi feita para a maioria dos personagens e a forma como tudo terminou não me deixou com a sensação de “e então eles viveram felizes para sempre”, mas isso foi algo super positivo e satisfatório, afinal, nem tudo na vida são flores e nem todos temos o final feliz do jeito que o imaginamos. Desfecho perfeito… e que pode ser retomado, caso os autores resolvam escrever mais um livro. Mas (in)felizmente isso não deve acontecer.

Antes de finalizar essa última resenha da série gostaria de deixar registrado aqui meus profundos e sinceros agradecimentos à Editora Rocco por não ter desistido da série e ter retomado sua publicação depois de um hiato de alguns anos. Dá orgulho ter uma coleção tão incrível “morando” na minha estante. :)


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

5 comentários

  1. rennan gleyson

    Olá Bruna, assim como você sou um fã apaixonado da série e recentemente finalizei o último livro e tenho alguns pontos que gostaria de resaltar.

    Vemos no decorrer da saga de Wil e seus amigos no interior da terra uma aventura fantástica, porém acredito que a ideia tomada pelos autores já no quinto livro da série me deixou um pouco incomodado mas acreditei que poderia ter uma feliz surpresa no sexto livro, o que, para mim, não aconteceu.
    Terminais foi um pouco mais que decepcionante, a forma rápida de acontecimentos e as”felizes coincidências” que ocorrem fez parecer que os autores simplesmente queriam terminar o livro da maneira mais rápida possível, sem mencionar a maneira apática que alguns personagens são tratados no fim.
    Enfim, um triste fim para uma série tão fantástica.

  2. Bruna Fernández

    Jura que não te agradou Rennan? Eu gostei bastante, ainda mais do “fio solto” revelado nas últimas páginas.

    Entendo o que você diz sobre as “felizes coincidências”, mas isso não acontece somente nesse volume da série, e nem mesmo somente em Túneis. São muitas personagens e não achei em nenhum momento que alguma coisa foi forçada, achei que os autores souberam construir diferentes narrativas para conectá-las lá na frente, mas isso, claro, é o que eu acho. ;)

    Uma pena você não ter curtido, mas aposto que, assim como eu, a série vai deixar saudades em vc também!

  3. Assim como os outros amo a série túneis! Mas me decepsionei um pouco com o final do Will e da Elliot!? Se eu fosse os os escritores faria mais um livro q agradaria a todos e q eles se reencontrassem no mundo interior! E faria a Elliot no Terminais falasse onde ela ia (mundo interior) e depois no próximo o Will reencontrando ela é eles morando lá pena q n vai acontecer???? seria um ótimo final! Obgdo Roderick e Brian por essa experiências q vcs proporcionaram a todos os fãns de Túneis! Nunca vou esquecer dessa série! E essa vai pruns troxa q fala q Harry Potter é bom tem q tem 8 filmes 7 livro vão se ferra pq túneis é vida! E aids pra eles vai lançar o 1* filme! Já tem até o treiler no YouTube! #Túneisparatodosempre! ????? o melhor

  4. O quinto livro da serie é muito ruim , mais o sexto supero minhas expectativas :ele consegue ser tão ruim e tão mal elaborado que eu preferia nunca ter lido a série por melhor que seja o primeiro livro(o único que realmente impressiona).

  5. Eu também me decepcionei com o final da série. A impressão q fica, já a partir de Espirais, é q os autores não sabiam muito como dar um fim lógico à história, q até então se desenvolvia de maneira bacana, e precisaram “chutar o pau da barraca” pra resolver os conflitos do enredo.
    A coisa começa a pegar quando os Styx viram insetos. Até então os autores tinham a preocupação pertinente de fazer um livro de ficção respeitando a ciência, oq era uma das coisas q eu mais gostava, pois fugia dessa coisa cheia de magia, coincidências e super poderes q é tão comum nas séries de sucesso.
    Fora essa transformação forçada dos Styx em insetos, algumas coisas no último livro foram postas e ficaram no ar. Não havia necessidade de por os neogermanos, eles não desempenharam nada importante e foram jogados de lado, e nem tiveram final.
    A segunda pior coisa de Terminais é a história de Elliot: a menina duma hora pra outra começa a agir com “poderes”, contrariando toda a lógica racional q até então imperava na série, e a história contada sobre a origem da Terra, alienígenas e tudo mais, ficou muito superficial, sem falar q dá a entender, no final, q apenas alguns poucos londrinos tiveram o direito de se refugiar na Colônia. O resto da população mundial q se foda com a Terra se afastando do Sol.
    Mas, sem dúvida nenhuma, a pior parte da história, q me deixou chocado, foi como os autores tiveram coragem de transformar completamente o Chester. O cara do nada vira um psicopata com a ajuda de Martha, uma moribunda em Armadilhas. A parte do Chester não faz nenhum sentido. Mesmo q ele ficasse abalado e enfurecido com Parry e Danforth, jamais, devido a toda a experiência q ele já tinha, teria perdido o juízo daquele jeito.
    Enfim, fico decepcionado com o final de Túneis, q acompanhou da minha infância com 10 anos meus atuais 19. Esperava mais respeito aos personagens, como Chester e Elliot, e a história dos primeiros livros

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*