segunda-feira, 23/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “O poço da ascensão”, de Brandon Sanderson

Resenha: “O poço da ascensão”, de Brandon Sanderson

Livro: O poço da ascensão (#02)
Série: Mistborn: Nascidos das Brumas
Autor: Brandon Sanderson (@BrandSanderson)
Editora: Fantasy/Casa da Palavra
Páginas: 720
Tradução: Pete Rissatti
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Cultura Folha Travessa Amazon

Numa sucessão de golpes de sorte, Elend Venture subiu ao trono de Luthadel, a principal cidade do Império Final. Nos meses que seguiram a queda do Senhor Soberano e a dissolução de seu governo, o novo rei revolucionou as relações entre os skaa – a classe social inferior – e os nobres e atraiu a atenção dos diversos governantes das outras partes do grande império. Dentro das muralhas de Luthadel, o perigo espreita de todos os lados. Assassinos de aluguel alomânticos ameaçam a vida do rei, a desconfiança generalizada faz a população temer pelos rumos da cidade e desejar o retorno do Senhor Soberano, e um inverno inclemente se aproxima. Elend, Vin e o bando de Kelsier tentam a todo o custo manter o controle, mas os piores inimigos ainda estão por vir. Fora das muralhas, arma-se um cerco militar gigantesco. À frente dele, Straff Venture, o pai de Elend, um tirano cruel e desesperado pelo poder, busca invadir Luthadel. Mas ele não está sozinho. Reviravoltas e surpresas marcam este segundo volume da trilogia Mistborn. O destino de todo o Império Final está envolto nas brumas, e apenas uma força sobrenatural será capaz de desvendar os mistérios que assolam seus habitantes.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

“– Talvez eu seja um rei aceitável, Vin, mas não sou ele.
– Quem?
– Kelsier – Elend disse baixinho.”

Sinceramente? Me faltam adjetivos para poder descrever o quanto eu fico cada vez mais encantada com essa série. Sempre deixo essas dicas nos finais das minhas resenhas, mas já vou ressaltar aqui mesmo: se você curte histórias fantásticas, largue tudo o que você está fazendo e vá ler essa série agora mesmo. Sério, nem precisa nem terminar de ler essa resenha… ok, talvez ler a primeira resenha da série seja interessante. Mas vamos ao que interessa!

O segundo livro da série começa depois da queda do Império Final, quando Vin finalmente consegue vencer o Senhor Soberano, porém, nem tudo são flores na cidade de Luthadel, pelo contrário. Elend Venture, o erudito garoto nobre que tinha sonhos de criar uma sociedade mais igualitária no primeiro livro – e ainda acaba se apaixonando por Vin – agora é rei da cidade. O grupo de Kelsier resolveu ajudá-lo a liderar a cidade, apesar de alguns membros não estarem presentes na cidade logo de cara, como Brisa e Sazed, mas não fiquem tensos, ambos personagens voltam a aparecer ao longo da narrativa.

O reinado de Elend é o mais tolerante que você pode imaginar… ao invés de impôr as suas vontades, o jovem Venture monta uma Assembleia, com participantes nobres, skaa (escravos) e mercadores, criando regras de votação, deixando tudo o mais democrático possível. Parece ser o mundo ideal, não é mesmo? Mas quem já estudou História sabe que essas utopias são lindas na teoria, mas quando chega na hora de botar em prática, nem tudo são rosas. Eis que a cidade de Luthadel acaba sendo cercada por exércitos, que desejam invadir e tomar conta da cidade, e claro, de todo o Atium que dizem existir escondido dentro de Luthadel. Um desses exércitos é o de Straff Venture, o frio e inescrupuloso pai de Elend. (Se você não faz ideia do que seja Atium é porque provavelmente não leu o primeiro livro da série, leia esta resenha aqui para entender melhor!)

“– Homens bons não se transformam em lendas.”

Praticamente 90% do enredo se passa em Luthadel durante o cerco pré-guerra dos exércitos e apesar de parecer enfadonho à primeira vista, a narrativa é tão bem estruturada e repleta de reviravoltas bombásticas que o leitor não se cansa. São acontecimentos importantes vindos de todos os lados e que vão envolvendo todas as personagens e tecendo o enredo de forma com que os ápices da história amarrem tudo com maestria. Sanderson é definitivamente um dos melhores escritores que eu já li; seu universo, principalmente a criação dos personagens alomânticos, brumosos ou nascidos das brumas, que possuem poderes especiais ao queimar certos metais, é original e impactante, gostei muito de aprender um pouco mais sobre o novo metal que aparece nesse volume, o Duralmínio.

Dentro das inúmeras coisas que eu poderia passar o dia debatendo sobre essa série, o que mais me agradou neste volume foi a presença de Kelsier, o grande e verdadeiro herói do primeiro livro. Uma personagem tão forte e tão carismática, até nos seus defeitos, que ele ainda se faz constantemente presente na narrativa através da memória dos outros personagens, tanto de seus amigos na gangue quanto dos simples skaa que nunca chegaram a realmente conhecê-lo, mesmo depois de morto. Não me senti sozinha ao relembrar de Kell durante a minha leitura e isso tornou tudo ainda mais incrível. Obrigada, Brandon!

“Alendi não pode chegar ao Poço da Ascensão…”

Apesar de todo o núcleo de cerco em Luthadel, a história principal é sobre o Poço da Ascensão, onde o Senhor Soberano se ergueu ao invés de liberar o poder, conforme dizia a profecia. O grupo de Kelsier, principalmente Vin – uma das personagens femininas mais incríveis que eu já me deparei na literatura! – está em busca do Poço da Ascensão e do novo Herói das Eras, para a profecia finalmente seja cumprida e tudo volte a ser como era há mil anos atrás: um mundo sem cinzas caindo do céu, em que o chão e as plantas eram verdes, o céu era azul e as brumas não existiam.

Já falei muito, mas sinto que não falei nem metade do que queria nessa resenha. Apesar de ser uma série com 7 livros (até o momento), originalmente a história era uma trilogia, sendo The Hero of Ages (O Herói das Eras, em tradução livre), o próximo volume, o que fecha a primeira parte da saga. Já estou ansiosa pela continuação e espero que a Fantasy não pare de publicar a série por aí… que venham os outros volumes também!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

4 comentários

  1. Luis Alexandre

    Comprei o segundo livro assim que lançou, com a previsão de lançamento para fev/15, mas atrasou. Li assim que consegui comprar. Adorei como ele desenvolveu o Brisa nesse livro, sua relação com os demais membros da gangue, seu ponto de vista e principalmente as conversas dele com Trevo.
    O final do livro me deixou com um gostinho de quero mais!

  2. Bruna Fernández

    Oi Luis, o Brisa é um personagem bem foda mesmo, foi muito legal ver como o autor desenvolveu ele nesse volume!
    Estou louca pelo livro final da trilogia principal, uma das melhores séries de fantasia que eu já li, sem dúvida!

  3. Bru. Eu amo Mistborn desde o primeiro livro. Gosto muito de livros de historias fantásticas bem escritas e por isso sou fã de Brandon. Tanto que já li seu outro livro lançado aqui no Brasil Elantris. Bru se vc gostou de Mistborn e do universo que ele criou tenho certeza que vc vai gostar de outro universo diferente. Vai a dica! Até.

  4. Oi Nat! Você não é a primeira pessoa a me indicar Elantris, acho que ele definitivamente vai entrar pra minha lista de futuras leituras! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*