terça-feira, 24/01/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “Arma de vingança”, de Danilo Barbosa

Resenha: “Arma de vingança”, de Danilo Barbosa

Livro: Arma de vingança
Autor: Danilo Barbosa (@danilo_livros)
Páginas: 240
Editora: Universo dos Livros
Tradução:
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Amazon

Arma de Vingança é um suspense que já figurou na lista dos e-books mais vendidos do país. O que você seria capaz de fazer por vingança? Suportaria uma vida cercada de mentiras, traições, dores, crime e morte? Ana sobreviveu e pagou o preço com marcas que o tempo nunca será capaz de apagar. Deixou para trás a inocência infantil para dar lugar a uma mulher fria e calculista, disposta a ser a perfeita arma de execução contra aqueles que tentaram destruí-la. Para atingir seus objetivos, não terá limites: irá mentir, enganar, seduzir e trair… Sem remorsos ou pena daquele que um dia julgou amar. Junto a Ana, caminhe na tênue linha entre a paixão e a obsessão e veja que até os príncipes encantados têm seu lado sombrio. Afinal, esta não é uma história de amor.

“Afinal, esta não é uma história de amor.” Foi exatamente essa frase que me pegou de jeito, me deixando extremamente curiosa com Arma de vingança, um dos títulos que a Universo dos Livros disponibilizou previamente para o LeS.

O livro conta a complicada história de Ana, uma jovem que acaba se envolvendo em um relacionamento mais complicado que o outro e, como consequência, acaba sofrendo muito, mas muito mesmo, na mão desses homens. O prólogo me deixou um tanto intrigada, mas confesso que os primeiros capítulos foram um balde de água fria, parecia que eu estava lendo um romance bobo qualquer. Mas leitor é afobado e esquece que toda história começa em algum lugar para depois evoluir e é exatamente isso que acontece com esse livro.

Aos poucos o enredo vai se transformando em uma teia de mentiras e manipulações, ficando mais obscuro a cada página virada. E não é só o enredo que o evolui dessa forma, mas também a personagem principal de Ana: em 240 páginas ela sofre transformações drásticas, ficando cada vez mais vingativa e fria, a cada mentira descoberta. Não pense que o autor pegou leve, apesar de curto e de leitura rápida, Arma de vingança é recheado de personagens com impulsos animalescos.

Uma coisa bem interessante do livro é que o leitor tem uma visão melhor e ampliada do que está acontecendo do que as personagens, pois o autor dividiu a narrativa entre os principais personagens, então temos visões principalmente de Ana, seu namorado Ricardo e mais. Me sentia angustiada de não poder conversar com Ana e poder dar umas dicas do tipo “Sai dessa minha filha! É uma cilada!”, nesse sentido o livro é mega envolvente. É impossível julgar Ana pelo seu trajeto e por todo o ódio que ela sente pelas pessoas que acabaram com sua vida.

Apenas uma coisa – fora o início lento, que tem o seu propósito! – nesse livro: os nomes parecidos dos personagens masculinos. Não sei se foi proposital, mas três dos rapazes da história têm nomes com R – Rodrigo, Rafael e Ricardo. Confesso que me confundia de vez em quando, mas acabei dando apelidos “carinhosos” para os psicopatas, hehehe.

Esse também é um livro complicado de discutir em uma resenha sem dar spoilers. Como ele é bem curto mas com uma narrativa envolvente e detalhada, fica muito difícil falar muito sem estragar alguma coisa para os leitores. Se você adora uma vingança no nível Emily Thorne, só que menos político e mais passional, se joga na leitura que é certeza que vai te agradar!

“Há ocasiões em que a vida nos prega uma peça. Achamos que temos o controle de todos os nossos atos, mas não percebemos que, na realidade, estamos cegos por um objetivo, presos na teia da fatalidade.” – p. 199


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*