terça-feira, 25/04/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “Estrelas perdidas”, de Claudia Gray

Resenha: “Estrelas perdidas”, de Claudia Gray

Livro: Estrelas perdidas
Autor: Claudia Gray (@claudiagray)
Editora: Seguinte
Páginas: 444
Tradução: Fábio Fernandes e Zé Oliboni
Resenha por: Nanda
Comprar: Saraiva Cultura Amazon

Ciena Ree e Thane Kyrell se conheceram na infância e cresceram com o mesmo sonho: pilotar as naves do Império. Durante a adolescência, sua amizade aos poucos se transforma em algo mais, porém diferenças políticas afastam seus caminhos: Thane se junta à Aliança Rebelde e Ciena permanece leal ao imperador. Agora em lados opostos da guerra, será que eles vão conseguir ficar juntos?

Através dos pontos de vista de Ciena e Thane, você acompanhará os principais acontecimentos desde o surgimento da Rebelião até a queda do Império de um jeito absolutamente original e envolvente. O livro relata, ainda, eventos inéditos que se passam depois do episódio VI, O retorno de Jedi, e traz pistas sobre o episódio VII, O despertar da Força!

“Que a Força esteja com vocês” – p. 338

Thane Kyrell e Ciena Ree são de diferentes grupos sociais de Jelucan, um dos planetas mais afastados do Império. E mesmo com suas diferenças, os dois possuem um mesmo sonho: de ser piloto da frota Imperial.

Com o passar dos anos, a dupla se torna inseparável e juntos conseguem ingressar na Academia Imperial em Coruscant. No entanto, diversos acontecimentos acabam por separar os dois. Eles se afastam um pouco durante a academia e a Batalha de Yavin – o principal marco temporal no mundo de Star Wars – faz com que ambos optem por caminhos diferentes. Ciena continua como exemplar membro da frota Imperial enquanto Thane deserta o Império por não conseguir lidar com as ações opressoras do governo.

Ciena, mesmo contra seus princípios, acoberta a deserção de Thane e ambos acreditam que nunca mais se verão. Porém, depois de alguns anos, Thane entra para a Aliança Rebelde por ser contra o Império – não por acreditar na Nova República – e a “Força” coloca Ciena e Thane sempre no caminho um do outro.

A história vai, aos poucos, se tornando um Romeu e Julieta das galáxias. O romance entre dois lados que deveriam se odiar e o toque de tragédia de Shakespeare também aparecem discretamente na capa do livro com o símbolo dos Rebeldes e do Império em plano de fundo de uma nave que cai e é um dos acontecimentos finais que me deixou mais ansiosa no livro (para mim seria um desfecho trágico para o casal) – e para quem quiser quardar essa cena, na orelha do livro da parte de trás, tem um marcador de página que pode ser recortado. Com todos os encontros e desencontros de Thane e Ciena, fica mais claro a cada página que os dois estão destinados a ficarem juntos, apesar dos obstáculos e conflitos que os cercam.

O livro nos conduz pelos acontecimentos da trilogia antiga (episódios IV, V e VI), com a explosão de Alderaan, a Batalha de Yavin que destriu a primeira Estrela da Morte, a batalha em Hoth, a passagem do Império na Cidade das Nuvens e também a Batalha de Yavin 4, preenchendo a todo momento buracos na história que não são explorados nos filmes. Com o livro, amplia-se o conhecimento sobre os bastidores da Aliança Rebelde, suas bases, estratégias, movimentações de Hoth para a nave Liberty e também conhecemos mais dos esquadrões X-Wings. Também é explorado os bastidores da frota Imperial, com detalhes das dinâmicas nos interiores das naves, sobre como o Império reforça seus ideais – muitas vezes através do medo – e também aprendemos um pouco sobre os rostos embaixo dos os pilotos das Tie Fightes e dos Storm Troopers. Personagens como Luke Skywalker, Leia Organa e Han Solo aparecem nas páginas dos livros, no entanto são coadjuvantes para que possamos valorizar outros personagens que aparecem só nos livros ou no fundo dos filmes e são tão importantes quanto os queridos heróis dos episódios IV a VI.

Mesmo o livro englobando todos os acontecimentos de três filmes em pouco mais de 400 páginas, a história flui em um ritmo interessante – nem muito acelerada nem enrolada demais. Tem muita informação sim e pode ser difícil de acompanhar em alguns momentos, ainda mais pelo fato de o mundo de Star Wars ser repleto de planetas diferentes, raças e naves cada qual com seu nome, mas nada que rever os filmes não ajude.

O livro vai além de um simples romance infanto-juvenil. Traz ação e aventura dignos do universo de Star Wars que conquista gerações desde a década de 1980. O livro também deixa claro que as batalhas travas nos filmes não foram suficientes para trazer a paz às galáxias e isso deve ser explorados na nova trilogia de filmes de Star Wars que vem por aí, iniciada com o Despertar da Força.

“Porque as cartas estão sempre na mesa, Ciena. Tudo que podemos fazer é embaralhá-las a nosso favor.” – p. 439


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Nanda

Formada em Relações Internacionais e Economia, tem 25 anos, é hiperativa e adora organizar eventos (principalmente de livros). Também adora filmes, livros (principalmente aventuras infanto-juvenis, como Percy Jackson, Harry Potter e The 39 Clues), música, viagens, Disney, desenhos japoneses, maquiagem e coleções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*