segunda-feira, 18/12/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “O garoto-cabra”, de Leonel Caldela

Resenha: “O garoto-cabra”, de Leonel Caldela

Livro: O garoto-cabra (#01)
Série: A lenda de Ruff Ghanor
Autor: Leonel Caldela (@leonelcaldela)
Editora: NerdBooks
Páginas: 320
Tradução:
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Nerdstore Amazon

Nos confins de uma terra governada pelo dragão Zamir, ergue-se um mosteiro. Um garoto selvagem, dotado de poderes misteriosos, é encontrado pelos monges.

Seu nome é Ruff Ghanor.

Treinado desde cedo pelo rigoroso prior, Ruff se encaminha para derrotar o tirano. Ruff enfrenta as forças de Zamir e precisa liderar seu povo no combate. Contudo, antes de vencer o dragão, ele descobrirá segredos sobre si mesmo e seu mundo.

“- Mandei-os buscar uma cabra e me trouxeram um garoto.”

O garoto-cabra é o primeiro livro de A lenda de Ruff Ghanor. A trilogia é baseada na primeira trilogia de Nerdcasts de RPG. Mas fiquem tranquilos que vocês não precisam ter escutado os podcasts para entender e curtir os livros, você só vai perder algumas referências e detalhes, nada de complexo e essencial para a história. Mas, se você quiser ouvir a trilogia de RPG – o que eu altamente recomendo! – é só clicar aqui, aqui e aqui. Depois do enorme sucesso da história, os criadores do site Jovem Nerd resolveram então expandir o universo, convidando o autor Leonel Caldela, que já trabalhou com a novelização de outro cenário de RPG, Tormenta, para escrever os livros da saga de Ghanor.

Logo que peguei o livro para ler percebi que essa seria uma incrível narrativa de fantasia, pois Leonel me conquistou de cara no prólogo do livro. Já conhecer o estilo de escrita do autor ajudou a aumentar a minha expectativa sobre a narrativa – se você ainda não leu nenhum romance do autor, sinceramente, não sabe o que está perdendo!

Essa primeira parte de uma trilogia nos apresenta a Ruff Ghanor, o protagonista da série que foi encontrado por um par de clérigos – Irmão Dunnius e Irmão Niccolas – e pelo jovem Korin, dentro do Túnel Proibido que fica perto do mosteiro de São Arnaldo – o título é assim errado mesmo, uma brincadeira interna. Ruff é um garoto selvagem, sem cuidado algum. Porém, ele possui poderes e forças inexplicáveis, como por exemplo a habilidade de causar terremotos. Eles levam o garoto até o prior no mosteiro e aos poucos conhecemos a verdadeira identidade do jovem e a profecia que o envolve: combater o último dragão tirano que controla as terras e judia do povo. Acompanhamos então o crescimento do garoto-cabra e sua preparação para a grande batalha de sua vida.

Uma das coisas que eu mais gostei nesse volume foi a forma como o autor foi criando motivações e moldando o caráter, não só da personagem principal, mas também das personagens que servem de apoio para ele como os seus jovens amigos Korin, que se torna o fiel escudeiro e amigo incondicional de Ruff; e de Áxia, a teimosa e forte garota que se torna o grande amor de Ruff. Apesar de gostar da forma como o autor evoluiu ambos esses personagens tenho sentimentos conflitantes quanto a eles: gosto muito de Korin e simplesmente desgosto da garota desde que ela apareceu no enredo. Ainda acho que ela vai causar muitos problemas nos livros seguintes.

O garoto-cabra é recheado de ótimos diálogos, o que parece ser uma marca de Leonel, e apenas reforça a qualidade dos livros fantásticos nacionais. Isso sem contar no trabalho editorial impecável do selo NerdBooks que nunca deixa a desejar, com padrões altíssimos e com cuidado nos menores detalhes, coisa que muitas editoras consagradas que estão há anos no mercado não fazem. A narrativa pode começar um pouco lenta, porém do meio para a frente o enredo é recheado de reviravoltas e a frase que fecha o livro é de deixar todos os leitores de queixo caído. Não esperava por esse gancho final e mal posso esperar para ler a sequência da série! Se você gosta do gênero não pode deixar de conhecer essa incrível história. O segundo livro, O herdeiro do leão, já foi lançado e o livro final da trilogia deve sair no final de 2016.

“- Isso tem um significado. Isso é a prova de que, mesmo quando procuramos cabras, às vezes São Arnaldo nos envia um garoto.”


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*