segunda-feira, 18/12/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Como eu era antes de você”, de Jojo Moyes

Resenha: “Como eu era antes de você”, de Jojo Moyes

Como eu era antes de vocêLivro: Como eu era antes de você (#01)
Série: Como eu era antes de você
Autor: Jojo Moyes (@jojomoyes)
Páginas: 320
Editora: Intrínseca
Tradução: Beatriz Horta
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade – um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas – e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

“– Às vezes, Clark, você é a única coisa que me dá vontade de levantar da cama.”

Confesso, os livros da Jojo Moyes nunca me chamaram muito a atenção. Gosto das capas, mas como não sou muito fã de romances, eles sempre acabam “passando direto” por mim. Só que aí, eu acabei assistindo ao trailer da adaptação cinematográfica que surgiu na minha timeline do Facebook e bem, acabei ficando curiosa pela história. Mesmo assim, acabou virando mais um título na minha interminável lista de “preciso ler um dia”. Acontece que o universo conspirou e uma dia cheguei em casa e o livro estava na minha cama: uma prima passou em casa pra deixar ele emprestado sem eu nem pedir. Ok, acho que era um sinal para conhecer logo a história de Will e Louisa.

Não sei se acontece com vocês, mas sempre fico um pouco apreensiva quando vou ler um livro de um autor pela primeira vez – ainda mais quando o gênero não é muito a minha praia, mas na mesma semana que eu comecei a ler, várias amigas de um mesmo grupo começaram ou terminaram de ler também e todas eram só elogios. Ufa! Mas realmente, a escrita de Jojo é muito boa e o enredo de Como eu era antes de você me conquistou logo no prólogo que narra o acidente que Will sofreu e que acabou o deixando tetraplégico.

Depois a história avança alguns anos e conhecemos Louisa, uma jovem atrapalhada de vinte e poucos anos que está acomodada e aparentemente bastante feliz com a sua rotina: ela trabalha como garçonete em um café da pequena cidade em que nasceu, tem um relacionamento estável com Patrick há anos e mora com seus pais, sua irmã e o filho dela em uma casa simples porém cheia de amor. Só que de uma hora para outra a vida da jovem vira de ponta-cabeça: o dono do café onde ela trabalha decide fechar o estabelecimento, deixando Louisa sem rumo, sem emprego e sem perspectiva. Para ajudar, seu pai pode perder o emprego a qualquer momento então Lou precisa de um novo emprego para poder ajudar com as despesas em casa. A procura é maçante, ainda mais para uma pessoa sem qualificações como ela. Até que ela fica entre duas opções: dançarina em uma casa de strip-tease ou cuidadora de inválidos. E é assim que ela conhece Will, o belo e charmoso homem que acabou preso em uma cadeira de rodas, dependente da boa vontade das pessoas para praticamente tudo.

Chega a ser redundante dizer que o personagem de Will é fechado, ácido e irritante no começo da história. O mínimo que podemos fazer é tentar nos colocar no seu lugar e imaginar como é viver privado de tantas coisas, perdendo quase que completamente a sua independência, no auge dos seus trinta e poucos anos. Não deve ser nem um pouco fácil e a pessoa precisa ter uma mente muito bem estruturada para poder aceitar esse destino. Ainda mais quando essa pessoa que perde essa independência era extremamente ativa e adorava uma adrenalina, assim como foi com Will que chegou até a escalar o Kilimanjaro. Só que desde antes de seu acidente a relação de Will com a sua família não era das melhores, vale mencionar aqui que a família dele é muito, mas muito rica.

Entretanto essa casca que Will criou para se fechar do mundo finalmente começa a criar rachaduras quando Louisa se torna sua acompanhante. Os dois acabam criando uma relação divertida e belíssima, que começa frágil e vai se tornando cada vez mais e mais forte, até se tornar o porto seguro da excêntrica Lou. Para mim, a verdadeira magia desse livro está justamente na troca que existe entre essas duas personagens. No fim das contas Lou aprende muito mais sobre a vida e até mesmo sobre si mesma com Will, que abre os olhos da jovem para um mundo de possibilidades que ela nunca imaginou existirem.

Uma história absurdamente linda e bem escrita sobre escolhas, relacionamentos e respeito. Resisti bravamente às viradas de páginas, porém no epílogo não consegui me segurar. Chorei até perder o fôlego com as palavras de Jojo, dava para encher o sistema da Cantareira umas três vezes e sobrava. Que história! Que enredo! Que personagens!

Definitivamente uma leitura que vale a pena. Só não tenho certeza de que irei ler a continuação da série, Depois de você, lançada no Brasil recentemente pela Intrínseca. Explico: a história desse volume me pareceu tão bem escrita e fechada, que não achava necessária uma continuação. Até cheguei a dar uma espiada na sinopse da sequência e a premissa do enredo não me chamou a atenção, até chegou a parecer um pouco forçada. Mas quem sabe, talvez um dia eu leia, vai que o universo conspira e coloca o livro na minha vida de novo, como aconteceu com esse… ;)

“– Informação é poder, Will.
Meu filho sorriu como se ela tivesse dito algo muito inteligente.”


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*