segunda-feira, 16/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “As relações perigosas”, de Choderlos de Laclos

Resenha: “As relações perigosas”, de Choderlos de Laclos

As relações perigosasLivro: As relações perigosas
Autor: Choderlos de Laclos
Editora: Penguin-Companhia
Páginas: 480
Tradução: Dorothée de Bruchard
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Durante alguns meses, um grupo peculiar da nobreza francesa troca cartas secretamente. No centro da intriga está o libertino visconde de Valmont, que tenta conquistar a presidenta de Tourvel, e a dissimulada marquesa de Merteuil, suposta confidente da jovem Cécile, a quem ela tenta convencer a se entregar a outro homem antes de se casar.

“Você é realmente insuportável, visconde. Trata-me com a desenvoltura que trataria a uma amante.”

Depois de acompanhar a incrível adaptação da Rede Globo dessa obra para o formato de minissérie, com a participação de Patricia Pillar, Selton Mello e Marjorie Estiano, me vi extremamente curiosa para ler a versão original. Passei por cima dos meus preconceitos com livros clássicos antigos, esse livro foi publicado em 1782, e enfrentei a sua leitura.

Confesso que não foi fácil, por vezes tive grande vontade de abandonar a leitura. O enredo progride de forma lenta, talvez pelo seu formato epistolar. Algumas cartas são muito bem escritas, dão gosto de ler, mas outras chegam a ser um tanto enfadonhas de tão simples, banais e inocentes. Entretanto, felizmente, aos poucos o leitor vai se acostumando com o formato do livro e essa inconstância e acaba envolto por completo nas intrigas criadas pelas personagens mais pervesas e manipuladoras do enredo: o Visconde Valmont e a Marquesa Merteuil. Ah, e não se engane achando que por ter sido escrito no século 18 que a escrita é toda antiga e complicada, tornando o livro em um desafio. Alguns trechos chegam até a ser um pouco rebuscados, mas nada que desacelere ou atrapalhe a leitura!

O enredo principal narra as tentativas do visconde de seduzir Madame de Tourvel, uma mullher casada, que está hospedada com a tia do visconde. Enquanto isso, a marquesa Merteuil deseja corromper a jovem Cécile de Volanges que saiu recentemente do convento para se casar com o ex-amante da marquesa, que a descartou como se ela nada valesse. Não existe nada pior do que uma mulher rancorosa que foi trocada por alguém mais jovem. Porém, a jovem Cécile se apaixona por seu professor de música, o cavaleiro Danceny e logo o visconde e a marquesa acabam ajudando o casal, mas não imagine que por bondade. Eles o fazem apenas para benefícios próprios dentro de seus esquemas cruéis.

“Quando uma mulher atinge o coração de outra, ela raramente erra e o ferimento é invariavelmente fatal.”

Essa obra chocou a França na época de sua publicação no século 18 por mostrar uma aristocracia depravada. O autor usa e abusa da ironia em sua narrativa, tentando ao máximo refletir a feia realidade da época. O próprio autor considerava a sua obra mais política do que apenas um romance.

De longe as minhas cartas preferidas foram as da marquesa de Merteuil com a sua acidez e crueldade. Aquela típica mulher vingativa e sem limites com a qual você nunca deseja cruzar caminhos. É ela a maior causadora de intrigas, o que acaba a tornando uma das personagens mais intrigantes, junto com seu amigo/amante, o visconde, que também não tem escrúpulos. A leitura desse clássico com certeza vale por conta desses dois exímios escritores.

Vale mencionar que foram feitas inúmeras adaptações dessa obra para o teatro, cinema e outras mídias; a mais famosa, talvez, seja o filme Segundas intenções, de 1999, estrelando Ryan Phillippe, Sarah Michelle Gellar e Selma Blair.

“Assim que possuir sua formosa devota, e puder me oferecer uma prova, venha, e serei sua.”


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*