domingo, 19/02/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “A tormenta de espadas”, de George R. R. Martin

Resenha: “A tormenta de espadas”, de George R. R. Martin

A tormenta de espadasLivro: A Tormenta de Espadas #03
Série: Crônicas de Gelo e Fogo, As
Autor: George R. R. Martin
Editora: LeYa
Páginas: 884
Tradução: Jorge Candeias
Resenha por: Nome do Resenhista
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

A tormenta de espadas, o terceiro livro da série de George R. R. Martin, onde os Sete Reinos já sentem o rigoroso inverno que chega, mas as batalhas parecem estar mais cruéis e impiedosas. Enquanto os Sete Reinos estremecem com a chegada dos temíveis selvagens pela Muralha, numa maré interminável de homens, gigantes e terríveis bestas, Jon Snow, o Bastardo de Winterfell, que se encontra entre eles, divide-se entre sua consciência e o papel que é forçado a desempenhar. Robb Stark, o Jovem Lobo, vence todas as suas batalhas, mas será que ele conseguirá vencer os desafios que não se resolvem apenas com a espada? Arya continua a caminho de Correrrio, mas mesmo alguém tão desembaraçado como ela terá grande dificuldade em ultrapassar os obstáculos que se aproximam. Na corte de Joffrey, em Porto Real, Tyrion luta pela vida, depois de ter sido gravemente ferido na Batalha da Água Negra; e Sansa, livre do compromisso com o homem que agora ocupa o Trono de Ferro, precisa lidar com as consequências de ser a segunda na linha de sucessão de Winterfell, uma vez que Bran e Rickon estariam mortos. No Leste, Daenerys Targaryen navega em direção às terras da sua infância, mas antes ela precisará aportar às desprezíveis cidades dos escravagistas. Mas a menina indefesa agora é uma mulher poderosa. Quem sabe quanto tempo falta para se transformar em uma conquistadora impiedosa?

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

“Às vezes, a estrada mais curta não é a mais segura, Jon Snow.”

Finalmente retomando as resenhas da épica série de As crônicas de gelo e fogo! Fui uma leitora tardia, comecei a ler a série somente em 2014, depois de ficar com os livros parados na minha estante por alguns anos. Por insistência de vários amigos e conhecidos resolvi me aventurar no universo de Westeros, coisa que todo leitor deveria fazer!

Um fato conhecido sobre as obras de Martin é que elas são mais complexas do que estamos acostumados. Há um enorme número de personagens – e uma quantidade considerável de mortes também, principalmente nesse volume! -, localidades, guerras e reviravoltas. Como se isso tudo não fosse o suficiente para essas quase 900 páginas, Martin faz uma grande mistureba na cronologia desse livro. Esse terceiro volume não se passa imediatamente após os capítulos finais de A fúria dos reis, ele na verdade sobrepõe esses últimos acontecimentos. Afinal, precisamos nos lembrar que são muitas personagens e nem todas estão no mesmo lugar.

A tormenta de espadas é o livro com mais ação até agora. Nele acompanhamos diversas batalhas. Tyrion, uma das personagens favoritas dos leitores, está se recuperando após seu plano mirabolante para salvar Porto Real. O jovem lobo, Robb Stark, se destaca por sua astúcia e sorte na batalha. Porém, um deslize infantil e bobo pode acabar com a rápida ascensão do herdeiro Stark. Não consigo evitar pensar que há uma grande maldição atrelada à minha casa favorita da saga, os Stark. Eles parecem sempre sofrer os maiores infortúnios na série e na maioria das vezes por inocência ou honra. Ou seja, o mundo de Martin é cruel com as pessoas boas e honradas.

Outro queridinho da saga, Jon Snow, o bastardo de Ned Stark, está em terras selvagens além da muralha, desempenhando o papel que foi obrigado/destinado a cumprir. Sua personagem continua em uma crescente, cada vez mais podemos notar o crescimento dele nos enredos; ele parece ser uma personagem destinada a grandes feitos. Outra personagem em ascensão é Daenerys, que está cuidando de seus dragões e aprendendo a agir como uma verdadeira governante. Ela tenta incessantemente acabar com a escravidão nas cidades da Baía dos escravos, o que mostra seu grande coração, que será barrado pela crueldade e ganância dos homens.

George escreve com maestria e é capaz de despertar os mais variados sentimentos em seus leitores. Entretanto, não subestime-o achando que serão sentimentos superficiais, Martin tem o dom de nos atingir no âmago, deixando-nos devastados e desolados com os acontecimentos. Depois de centenas de páginas de reviravoltas cruéis e revoltantes, é hora de recuperar o fôlego para ler – ou reler – os próximos volumes da série, enquanto Winds of Winter não chega.

“A verdade está a sua volta, basta olhar para ela. A noite é escura e cheio de terrores, o dia, luminoso, belo e cheio de esperança.”


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*