sexta-feira, 15/12/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Temporada dos ossos”, de Samantha Shannon

Resenha: “Temporada dos ossos”, de Samantha Shannon

Temporada dos ossosLivro: Temporada dos ossos (#01)
Série: Temporada dos ossos
Autor: Samantha Shannon (@say_shannon)
Páginas: 448
Editora: Rocco
Tradução: Cláudia Mello Balhassof
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Cultura Amazon + ofertas

Distopia com uma pegada sobrenatural são os ingredientes da série Bone Season, de Samantha Shannon, que chega ao Brasil pelo selo Fantástica Rocco. Ambientada em 2059, a trama acompanha a protagonista Paige Mahoney, uma andarilha onírica, alguém capaz de entrar na mente das pessoas e captar pensamentos e fragmentos de sonhos. Considerada traidora pelo governo, Paige paga por seu dom com a sua liberdade e é enviada para uma prisão secreta em Oxford. Lá, ela conhece os Rephaim, criaturas de uma raça antiga que desejam controlar a clarividência de Paige e de outros como ela, e precisará aprender a confiar em aliados improváveis não só para reconquistar a liberdade, mas garantir a própria sobrevivência. Considerada um dos principais nomes da literatura de fantasia dos últimos tempos, Samantha Shannon entrega aos leitores um romance surpreendente e arrebatador.

“— Se tiver alguma pergunta — disse ele —, pode fazer.
— Aonde estamos indo?
— Para o seu primeiro teste. Mais alguma coisa?
— O que mordeu você?
Ele olhou para a frente. Depois disse:
— Retiro o seu direito de falar.”

Assim que li o termo distopia, soube que Temporada dos ossos mais cedo ou mais tarde acabaria entrando na minha pilha eterna de leituras. Mas confesso que meu primeiro contato com o livro não foi dos melhores. Achei o blurb do The Sunday Times na quarta capa um pouco forçado ao comparar a autora com a J. K. Rowling – não por ser uma grande fã de Rowling, mas porque não curto muito essas comparações mesmo – e apesar de ter gostado muito da apresentação da história com mapas e gráficos sobre os tipos de videntes que existem no mundo de Samantha Shannon, achei o início da narrativa muito confuso, cheio de termos esquisitos e apresentações corridas.

Minhas “reclamações” sobre o livro, porém, acabam aí. Passada essa estranheza inicial, consegui imergir no mundo que Shannon traz para a literatura fantástica, uma distopia inédita. De uma forma bem resumida, a narrativa se passa no ano é 2059 e acompanhamos a personagem de Paige Mahoney em uma Londres futurística, controlada por Scion, um poderoso sistema de governo que faz de tudo para exterminar tudo o que é desnatural, desde livros e filmes com toques fantásticos até pessoas que possuem algum dom de clarividência. Os videntes e médiuns então começam a viver à margem da sociedade. Paige Mahoney não apenas é clarividente, mas é um tipo raro e especial, uma andarilha onírica, que consegue penetrar nos planos oníricos dos outros, captando pensamentos e sonhos. Paige é um tipo de hacker de pessoas, em outras palavras, e ela trabalha para Jaxon Hall, um maiores dos mime-lords de Londres. (Entenderam o que eu queria dizer com termos esquisitos? Hehe.)

Paige, porém, acaba sendo sequestrada e enviada para uma prisão secreta na cidade de Oxford, que está devastada e não é habitada faz anos. É lá que a personagem percebe que sua vida pode sim ficar muito pior do que ela imaginava: ela descobre que videntes e amauróticos (pessoas normais, sem visão) são enviados para lá de tempos em tempo para servir aos Rephaim, uma raça superior e mais poderosa que os humanos, Os Rephaim são egocêntricos, inconsequentes e cruéis, tratando os humanos, videntes ou não, em um regime de escravidão dividido em castas: os túnicas brancas (casta inicial), os túnicas rosas (túnica dada depois do primeiro teste, caso a pessoa passe), os túnicas vermelhas (mais alta casta, são os guerreiros dos Rephaim) e os túnicas amarelas (os covardes que não conseguiram passar pelos testes e acabam se tornando atores, para entreter seus Mestres. Pra ajudar a tirar qualquer identidade humana que possa sobrar, os humanos são renomeados por números e não devem mais usar seus nomes próprios.

Como eu disse, pode soar confuso no início, mas o universo criado pela autora é original, detalhista e instigante. Depois de me acostumar com o jargão usado pela autora, não foi difícil me perder nas páginas de Temporada dos ossos, Gostei muito da protagonista, que apesar de ser uma garota aparentemente quieta, não se deixa intimidar pelos Rephaim, ela é bocuda e fala o que lhe vier à cabeça. Mas ela tem um coração enorme, o de uma verdadeira heroína, daquelas que não deixa ninguém para trás. O Mestre de Paige, Arcturus, é outra personagem que merece destaque. Apesar de ser odiado por Paige, ele nunca a trata com desdém como a maioria dos Rephaim age com os humanos, desnaturais ou não, e é o tipo de personagem que deixa a gente com uma “pulga atrás da orelha”.

No geral, foi uma leitura que me agradou bastante, só fiquei um pouco decepcionada com o final, senti falta talvez de um gancho maior ou de um daqueles momentos “AH-MEU-DEUS-PRECISO-DO-PRÓXIMO-LIVRO-AGORA”, mas isso não chegou a atrapalhar a leitura, foi apenas um detalhe. Quem quiser se aventurar nessa nova série da Samantha Shannon, não deve se decepcionar. A narrativa é original e tem boas doses de ação, romance, intrigas e mistério, agradando um pouco vários tipos de leitores. Mas tenham em mente que é uma aventura a longo prazo: a série é uma septologia, sendo que o terceiro livro, The Song Rising, será lançado nos EUA esse ano.

“— Você está errado, irmão. O conhecimento é perigoso. […] Depois que você sabe de uma coisa, não consegue se livrar disso. Tem que carregar a informação. Para sempre.”


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

2 comentários

  1. Ligia Luchesi

    Olá… tudo bem?
    Saberia dizer se o terceiro livro vai ser lançado nos Estados Unidos, se o segundo já foi lançado em algum lugar??
    Já li o primeiro e não vejo a hora de ler o restante, mas não encontro nada sobre ele..
    Obrigada

  2. Oi Ligia!

    O segundo livro é The Mime Order e foi publicado em janeiro de 2015 no Reino Unido. O terceiro livro, The Rising Song tem previsão de lançamento para 2017. A previsão é que a série tenha 7 volumes, segundo o Good Reads.

    :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*