quarta-feira, 15/11/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “O oráculo oculto”, de Rick Riordan

Resenha: “O oráculo oculto”, de Rick Riordan

O oráculo ocultoLivro: O oráculo oculto (#01)
Série: As provações de Apolo
Autor: Rick Riordan (@camphalfblood)
Editora: Intrínseca
Páginas: 313
Tradução: Regiane Winarski
Resenha por: Nanda
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Como você pune um deus imortal? Transformando-o em humano, claro! Depois de despertar a fúria de Zeus por causa da guerra com Gaia, Apolo é expulso do Olimpo e vai parar na Terra, mais precisamente em uma caçamba de lixo em um beco sujo de Nova York. Fraco e desorientado, ele agora é Lester Papadopoulos, um adolescente mortal com cabelo encaracolado, espinhas e sem abdome tanquinho. Sem seus poderes, a divindade de quatro mil anos terá que descobrir como sobreviver no mundo moderno e o que fazer para cair novamente nas graças de Zeus.
O problema é que isso não vai ser tão fácil. Apolo tem inimigos para todos os gostos: deuses, monstros e até mortais. Com a ajuda de Meg McCaffrey, uma semideusa sem-teto e maltrapilha, e Percy Jackson, ele chega ao Acampamento Meio-Sangue em busca de ajuda, mas acaba se deparando com ainda mais problemas. Vários semideuses estão desaparecidos e o Oráculo de Delfos, a fonte de profecias, está na mais completa escuridão.
Agora, o ex-deus terá que solucionar esses mistérios, recuperar o oráculo e, mais importante, voltar a ser o imortal belo e gracioso que todos amam.

“Meu nome é Apolo. Eu era um Deus.”

Rick Riordan descobriu uma boa receita de sucesso para livros: mitologia + profecias + protagonistas sarcásticos + dose certa de surpresas e revelações.

O protagonista sarcástico da vez é Apolo que recebeu o castigo de se tornar um adolescente mortal. No início, é um pouco difícil engolir o egocentrismo exagerado do ex-imortal, no meio do livro você meio que se acostuma e no final você até começa a simpatizar com o personagem.

Por outro lado, me apaixonei de cara por Meg, uma semideusa que é ao mesmo tempo inocente como uma criança e também forte como Percy Jackson. Adorei a adição dela à história. E gosto bem mais das personagens femininas de Rick Riordan quando elas não são as narradoras – elas tendem a ficarem mais chatas e cansativas quando narram. A impressão que eu tenho é que Riordan fica claramente mais confortável quando narra como um menino pela familiaridade com esse ponto de vista (não só por ele, mas pelo fato de ele já ter mencionado várias vezes ter se inspirado em seus dois filhos homens).

Ah, vamos falar um pouco sobre Paulo. Como tomo mundo sabe, o Brasil é uma das maiores bases de fãs do Rick Riordan (acho que só perde para os EUA), e o autor nos deu um grande destaque. Para mim, o personagem é uma caricatura, uma versão bem mais exagerada dos fãs brasileiros: entusiasmado com tudo e bem apaixonado – a ponto de parecer um pouco doido. Com certeza espero ler mais sobre Paulo nos próximos livros da série.

Além desses novos personagens, reencontramos alguns personagens das séries Percy Jackson e Os heróis do Olimpo em o O oráculo oculto, a maioria são personagens que tiveram papéis secundários (claro que Percy Jackson faz uma pontinha no livro, mas nada a ponto de ofuscar os personagens dessa nova série).

Uma informação importante:
você não precisa ter lido as outras duas séries para ler essa nova série, mas tem referências às séries antigas o TEMPO TODO. Ou seja, tem chance de você não entender algumas conversas, piadas e até a cronologia de alguns acontecimentos.

Não é minha série favorita do autor, mas gostei desse primeiro livro. Além disso, gostei que Rick Riordan dá um lugar de destaque nas páginas de O oráculo oculto para dois assuntos que não são muito presentes em livros infanto juvenis: homossexualidade e relacionamentos abusivos. São dois assuntos que se encaixam perfeitamente com a história e podem ajudar bastante crianças e adolescentes.

O interessante dessa série é que ela é mais reflexiva que os livros anteriores do autor. Além das temáticas mais complexas, a medida em que Apolo começa a analisar seu comportamento e estudar como ele pode ser uma pessoa melhor, também fiquei analisando o meu próprio comportamento e como nossas ações e escolhas podem ajudar ou atrapalhar a vida de outras pessoas.

Confesso que estou mais empolgada em saber o que vem a seguir para cada um dos personagens dessa série e quais conflitos pessoais eles terão que superar do que com as cenas de ação e aventura que devem rodear as provações que Apolo terá que passar para voltar a ser imortal. Acho que essa série pode ser muito promissora se continuar focando na personalidade dos personagens. Resta esperar mais um ano para o segundo livro da série para ver o caminho escolhido por Rick Riordan nessa nova série.

“Queria chorar, mas o fogo evaporou toda a umidade dos meus dutos lacrimais. Eu não pedi tantos sacrifícios. Não esperava por eles! Eu me sentia vazio, culpado e envergonhado.”


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Nanda

Formada em Relações Internacionais e Economia, tem 25 anos, é hiperativa e adora organizar eventos (principalmente de livros). Também adora filmes, livros (principalmente aventuras infanto-juvenis, como Percy Jackson, Harry Potter e The 39 Clues), música, viagens, Disney, desenhos japoneses, maquiagem e coleções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*