quinta-feira, 19/10/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “Over the rainbow”, de vários autores

Resenha: “Over the rainbow”, de vários autores

Over the rainbowLivro: Over the rainbow
Autor: Milly Lacombe, Renato Plotegher Jr., Eduardo Bressanim, Maicon Santini e Lorelay Fox
Editora: Outro Planeta
Páginas: 224
Tradução:
Resenha por: Monique Marie
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

E se a Cinderela se apaixonasse por uma garota, e não por um príncipe encantado? Ou se os irmãos João e Maria, homossexuais assumidos, enfrentassem a ira de uma madrasta religiosa que só pensa em curá-los? Ou, ainda, se a Branca de Neve, abandonada numa cidade bem distante de sua terra natal, fosse acolhida por… sete travestis?

Pois pare de imaginar se os contos de fadas fossem revisitados e recebessem uma roupagem LBGTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Abra este livro e confira as clássicas histórias da infância de milhões de pessoas contadas sob a ótica de cinco autores que fazem parte desse universo, representado pelas cores do arco-íris. Ou melhor, contos de fadxs, como reza a nova norma de gêneros.

“As garotas eram corações livres e seu estilo de vida, mesmo mal compreendido, era como gostavam de viver. Sabiam bem das dificuldades pelas quais passariam e que nunca seriam totalmente aceitas pelo mundo. Mas o mais importante era que sempre teriam o amor e a compreensão umas das outras”.

Pela sinopse eu imaginei um livro um pouco diferente do que foi entregue. Não seria justo da minha parte ser muito dura nas críticas pois contos precisam ser pequenos e essas histórias infantis não são pequenas e nem tão fáceis de serem reescritas em poucas páginas. Também não acho justo cobrar demais de Youtubers, já que dos cinco autores apenas uma não é Youtuber e sim escritora. Tendo isso em mente farei minha resenha a seguir.

Não sei se posso me considerar uma Youtuber, mas se for pela simples definição de ter um canal no site e postar regularmente então sim, sou uma. Meu universo nesse site não é o que a maioria está acostumada, falo apenas de futebol e de um clube em específico, o que me faz não sentir uma completa E.T. em não conhecer a maioria deles. Lorelay Fox não faz parte do meu universo mas já conhecia por conta de um programa na televisão e de vídeos espalhados na rede, acho que ela é incrível e chutei que seria meu conto preferido mesmo sendo uma história que nunca liguei muito. Eu estava completamente certa mesmo antes de ler.

Achei que os contos seriam mais parecidos com as histórias que os inspiraram, mas nem todos são, alguns chegam a não possuir nada que remeta à história, o que me deixou bem triste já que esse em específico era a minha preferida. A escrita de todos os autores é de fácil compreensão e faz com que os contos fluam bem. Você percebe claramente a diferença entre eles o que facilita na hora de virar a chave dentro do cérebro que você está em outro conto com outra história que você leu na infância. Parabéns para quem organizou o livro e conseguiu esse feito, mesmo que tenha sido sem a intenção.

Tentarei falar um pouco sobre cada conto na ordem do livro: começamos então com Cinderela de Milly Lacombe. Não posso dizer que não gostei, principalmente se for colocar a comparação com a história da Cinderela, eu acredito que foi o que mais usou elementos do conto de fada. Minha crítica fica restrita ao fato de muitas cenas +18 bem detalhadas, é o único dos cinco que tem essa temática forte e acho que por isso acaba destoando dos outros fazendo com que não seja uma leitura para crianças ou pessoas que não curtem muito esse tipo de literatura. Tirando esse fato é o melhor construído, acredito que por ser a única escritora de fato dos cinco é quem conseguiu fazer com que eu me sentisse lendo um livro, são vários personagens para dar conta do final esperado por todos.

Em João e Maria de Renato Plotegher Jr. temos uma história simples e superfantasiosa, ele levou ao pé da letra a criação de um conto de fadas. Não sou fã do original e achei legal a criação, alguns elementos ficaram estereotipados demais, como por exemplo a menina por ser lésbica ter atitudes masculinas e o menino por ser gay ter atitudes femininas, sabemos que não funciona necessariamente assim na vida real. No todo é simples e ok.

A Bela e a Fera de Eduardo Bressanim me decepcionou por ser uma fã incondicional da criação da Disney, não achei nenhum elemento no que o autor nos mostrou, mas consigo separar minha frustração por querer algo parecido com o original e analisar que foi bem escrito e é uma história de amor legal que poderia acontecer facilmente. Os personagens não me agradaram muito, mas no caso daquele que seria “a Fera” a construção seguiu o roteiro e ele não teria que agradar mesmo, perfeito. Já quem seria “a Bela” deixou a desejar, gostei de uma personagem que nem precisava estar ali mas deu um ar divertido que era a melhor amiga. No todo foi ok.

Confesso que não lembrava muito de Rapunzel mas percebi facilmente que Maicon Santini fez algo super diferente. Aqui também temos elementos de +18 mas nada em detalhes, apenas citações, o que eu acho que não compromete a leitura. Os acontecimentos achei um pouco “forçados”, mas convenhamos que em um conto de fadas nada é normal então não posso reclamar muito. O ponto que quero destacar é do amor que ele encontra em duas formas distintas: do seu amado e sua mãe de coração que o aceita como é. Além de abordar uma doença considerada “comum” no meio e mostrar o que pessoas esclarecidas já sabem, você pode sim ter uma vida normal desde que tenha o tratamento adequado e tome os devidos cuidados. Parabéns mil vezes por isso.

E então chegamos ao último que é Branca de Neve escrita pela Lorelay Fox. Como disse no começo da resenha, não sei por qual motivo eu achava que adoraria o conto que fosse escrito por ela e é exatamente isso. Não tem tantos elementos do original, mas não sei como, isso não fez diferença para o andamento da história. É muito bem escrito e lida com todos os tipos de pessoas: desde aqueles que vivem pelo dinheiro e fazem qualquer coisa para chegar onde querem até um grupo de travestis que são as melhores pessoas do universo. De longe é o melhor dos cinco e não é apenas por eu adorar a Lorelay. Em poucas páginas foram abordadas N questões superatuais de uma forma leve, engraçada e com um pouco de drama necessário. Gostei muito de ter sido esse o escolhido para finalizar o livro.

No geral é um livro bem legal e vale a pena a leitura para quem já apoia a causa e para aqueles que querem mas ainda não conseguiram abrir totalmente a cabeça para o fato. Acredito que com a leitura de Over the Rainbow você entenderá bem mais do universo e verá que todas as histórias de amor podem e merecem um final de conto de fadas, sem qualquer exceção.


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Monique Marie

Publicitária frustrada com o pouco dinheiro da área e admiradora de tudo que envolve a política. Gosta de seriados que tenham serial killers, filmes infantis, fanática por futebol e F1, além de tentar competir com o Dr. Reid (Criminal Minds) quem lê mais rápido. Geralmente não gosta de ler o que está "na moda", adora indicações e ainda acredita que muitos livros se vendem pela capa. Não se separa de seu amigo rivotril e escreve no mínimo um texto por dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*