segunda-feira, 18/12/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Espada de vidro”, de Victoria Aveyard

Resenha: “Espada de vidro”, de Victoria Aveyard

NOME DO LIVROLivro: Espada de vidro (#02)
Série: A Rainha Vermelha
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 496
Tradução: Cristian Clemente
Resenha por: Kinina
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar.

Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

A rainha vermelha

“Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar.”

A história de Espada de vidro começa exatamente aonde a história anterior parou: a vermelha Mare Barrow e o príncipe prateado Cal estão em fuga rumo aonde está a Guarda Escalarte. Cal agora é um fugitivo, todos em seu reino acreditante que ele matou o seu pai, o rei Tibérias, quando, na verdade, foi seu meio irmão Maven e sua madrasta.

Mare acredita que há outras pessoas como ela, os sanguenovos: pessoas com sangue vermelho e com poderes de prateados. E essa é a saga dessa história. A vermelha, irá em busca dessas pessoas e encontrará no caminho diversas dificuldades, além do rei Maven (sim, ele se nomeou rei) perseguindo ela e Cal.

A transformação de Mare nessa história é muito grande. Ela já não sabe se é a garota que foi tirada de casa para morar no palácio, se é a prateada foi treinada para ser ou se é a vermelha sanguinária que se permitiu ser pelo ódio e pela guerra que a dominam. E não será nesse livro que ela, os personagens ou nós leitores descobriremos quem realmente ela se tornou.

O pouco romance que pode ser acompanhado em A Rainha Vermelha, agora é praticamente inexistente. Na guerra e luta pela sua vida e pela vida dos outros Mare não permite que qualquer sentimento por Cal ou Maven a atrapalhe. Os poucos (e bem poucos) sentimentos que ela demonstram agora é por sua família, mas que também sente dificuldades de reconhecê-la.

Esse livro faz A Rainha Vermelha parecer apenas um livro de introdução da saga. Espada de vidro te apresenta muitos novos personagens, um novo rumo na história, as coisas acontecem rápido, mas ainda parece ser apenas uma transição de um desfecho que está por vir. O essencial dessa história que mostrar para todos que há muito mais tons do que apenas vermelhos e prateados, e que a cor do sangue não pode mais definir a separação entre as classes sociais.

O final do livro é surpreendente; é desesperador terminar e não ter a continuação na mão. As atitudes e decisões de Mare te levam a loucura. Espero que o próximo livro continue exatamente onde esse parou, da mesma maneira que foi feito com esse livro e o anterior.


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Sobre Kinina

Formada em Hotelaria e Análise de sistema, mas trabalha com Atendimento em uma agência publicitária. Passo o tempo lendo, assistindo seriados, ouvindo música e tendo ideias malucas. Vai que um dia alguma dá certo e ela fica rica e famosa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*