21 de setembro de 2016
Postado por: Bru Fernández @ Arquivado em: Resenhas de Série

LobasLivro: Lobas (#01)
Série: Lobas
Autor: R. C. Rocha
Editora: Veneta
Páginas: 224
Tradução:
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Cultura Amazon

Lupina e Hermínia são dois dos seres mais mortíferos do Brasil: mulheres lobo. Elas foram enganadas, foram perseguidas e agora querem vingança. Lupina e Hermínia estão em perigo e quando isso acontece… elas ficam muito perigosas. Corram para se esconder, vampiros e zumbis, porque chegou a hora das lobas.

“Quando Roma contava uma história. o véu do tempo se suspendia e tremeluzia ao longe.”

Quando Lobas chegou em casa eu não sabia exatamente o que esperar do livro, afinal, a sinopse dele não dá muitas pistas do que vem por aí na história…

Acontece que na narrativa de Lobas rola um “inception”, ou seja, temos uma história sendo contada dentro da própria história e, claro, podemos traçar inúmeros paralelos entre as duas, mas não abordarei muito esse lado para não dar spoiler. Mas essa sensação de comparação e de ficar tentando adivinhar as relações me acompanhou durante toda a leitura.

Uma coisa que me incomodou nesse livro, e que me incomoda em qualquer outra obra, foram os tamanhos dos capítulos. Lobas é dividido em quatro grandes partes, cada uma descrevendo uma noite na qual um grupo de amigas adolescentes se encontram para contar histórias de terror, ou melhor, ouvir, afinal a única narradora do grupo é Roma. Pensei que essas grandes partes seriam divididas em capítulos, porém isso não aconteceu. Não gosto de capítulos longos porque detesto parar a leitura no meio de um capítulo, então tive que fazer pausas estratégicas entre uma passagem e outra.

Voltando ao enredo, Roma, a narradora da história, é descrita como alta e felina. Nenhum das outras garotas sabe muito sobre ela e isso deu um ar ainda mais misterioso para a personagem – de longe a minha preferida -, que parece enfeitiçar ao contar sua história sobre Lupina e Hermínia, duas lobas que desafiam a Matilha. Gostei bastante do autor usar várias personagens femininas, dando mais destaque para mulheres fortes e guerreiras e inserindo a ideia de uma matilha matriarcal.

Dentro da história de Roma, as personagens de Lupina e Hermínia se revoltam contra o sistema. Lupina é uma Reprodutora cuja função é apenas manter a linhagem pura dos lobisomens, tendo que se reproduzir com monstros violentos. Um completo absurdo. Já Hermínia tem a função de garantir que Lupina se reproduza, afinal ela é uma soldado exemplar em acatar ordens que castrada logo cedo. O problema acontece quando Hermínia cruza seu caminho com Daren, que a faz começar a se questionar e questionar as suas ordens. Ah, o coração, sempre ele! A partir daí a história pega ritmo e as coisas começam a acontecer.

Ao unir o universo fantástico com o ambiente urbano o autor conseguiu abordar temas mais sérios sem deixar a narrativa maçante. Pude perceber um grande teor político na escrita do Rafael, que também faz críticas sociais ao racismo (principalmente com o personagem de Daren, um imigrante negro) e ao machismo, esse um pouco mais leve, pois o autor ainda exagera um pouco ao reforçar o tempo todo o quanto as personagens femininas são lindas e belas.

Lobas é o primeiro livro de uma trilogia e a editora Veneta já anunciou que o segundo volume deve chegar às livrarias em novembro desse ano. Com quais personagens iremos nos reencontrar? Só o tempo pode dizer!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.




Nenhum comentário



Deixe um comentário

Os campos marcados com * são obrigatórios.





Comentário *