sexta-feira, 21/07/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “O problema dos três corpos”, de Cixin Liu

Resenha: “O problema dos três corpos”, de Cixin Liu

Resenha O problema dos três corposLivro: O problema dos três corpos (#01)
Série: Remembrance of Earth’s Past
Autor: Cixin Liu (@liu_cixin)
Páginas: 320
Editora: Suma de Letras
Tradução: Leonardo Alves
Resenha por: Bruna Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

China, final dos anos 1960. Enquanto o país inteiro está sendo devastado pela violência da Revolução Cultural, um pequeno grupo de astrofísicos, militares e engenheiros começa um projeto ultrassecreto envolvendo ondas sonoras e seres extraterrestres. Uma decisão tomada por um desses cientistas mudará para sempre o destino da humanidade e, cinquenta anos depois, uma civilização alienígena a beira do colapso planeja uma invasão. O problema dos três corpos é uma crônica da marcha humana em direção aos confins do universo. Uma clássica história de ficção científica, no melhor estilo de Arthur C. Clarke. Um jogo envolvente em que a humanidade tem tudo a perder.

“Na China, qualquer ideia que se atrevesse a alçar voo logo voltaria a cair no chão. A gravidade da realidade é forte demais.”

Ficção científica sempre foi um gênero que me chamava a atenção e eu tinha muita vontade de ler e me aprofundar, mas que sempre me deixou com o pé atrás pois sempre tive a impressão de que não ia gostar muito desse tipo de leitura, principalmente quando se tratam de livros hard sci-fi. Fiquei muito apreensiva mas extremamente empolgada quando recebemos O problema dos três corpos para resenhar: a sinopse tinha me conquistado, achei o título da obra intrigante e Liu foi o primeiro autor não-estadunidense a conquistar o Prêmio Hugo, então senti que estava preparada para me aventurar no gênero.

A história começa da década de 60, durante a conturbada Revolução Cultural chinesa, uma campanha política e ideológica contra o intelectualismo, o que levou à desativação do ensino superior no país por algum tempo. Acompanhamos a jovem Ye Wenjie (nota: os nomes chineses são escritos com o sobrenome na frente) assistindo seu pai – um cientista/intelectual – apanhar até a morte de revolucionários fervorosos da Guarda Vermelha, da qual a sua irmã mais nova fazia parte. Esse acontecimento afeta Ye Wenjie profundamente, mudando completamente a sua percepção das pessoas, tornando-a um pessoa amargurada por dentro. Ye Wenjie então é enviada para a Costa Vermelha, para permanecer lá durante o resto de sua vida e, curiosamente, acaba envolvida em um projeto do governo que busca por vida fora da Terra.

Há um pulo na narrativa e passamos a acompanhar Wang Miao, especialista em nanomateriais, nos dias atuais quando uma estranha contagem regressiva aparece em sua câmera e ele é incentivado a parar sua pesquisa. Alguns renomados cientistas começam a tirar suas próprias vidas. Então Wang Miao conhece Da Shi, um policial bronco e grosseiro que funciona como um excelente contraponto a todos os cientistas presentes na narrativa, e começa a “trabalhar” em parceria com ele. Wang então se familiariza com o jogo on-line de realidade virtual, Três Corpos, que chama a atenção de intelectuais do mundo todo para tentar solucionar o problema do mundo de Trissolaris, que precisa se adaptar a viver em um sistema solar triplo. Continuamos também a acompanhar a vida de Ye Wenjie e aos poucos vamos descobrindo ao que ela se dedicou durante todos esses anos, conforme as peças vão se juntando e as pontas soltas começam a formar a complexa trama de O problema dos três corpos.

Apesar de ser uma história imersa em ciências – o que pode te deixar um pouco perdido, como eu fiquei em alguns trechos – a grande questão da narrativa ainda pende para o lado humano: será que realmente queremos fazer contato com alienígenas? Esse contato trará benefícios? Quem garante que será um contato amigável? O próprio autor cita em seu posfácio a estranha mania do ser humano de romantizar o contato com seres de outros planetas ao mesmo tempo em que guerreamos e conquistamos povos da nossa própria raça com uma facilidade banal. Essa foi uma leitura fora da minha zona de conforto que valeu muito a pena e eu indico pra todos leitores que desejam se aventurar no universo literário da ficção científica. Que venham os outros volumes!

“Desde a Idade da Pedra até hoje, nunca aconteceu nenhuma crise de verdade. Tivemos sorte, muita sorte. Agora, como tudo isso foi sorte, um dia teria que acabar. Vou mais longe: já acabou. Prepare-se para o pior.”


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Já leu "O problema dos três corpos"? Quantas estrelas você dá para o livro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*