sexta-feira, 15/12/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “O chamado do monstro”, de Patrick Ness

Resenha: “O chamado do monstro”, de Patrick Ness

O chamado do monstroLivro: O chamado do monstro
Autor: Patrick Ness (@Patrick_Ness)
Editora: Ática
Páginas: 216
Tradução: Antônio Xerxenesky
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

A escuridão, o vento, os gritos. Os olhos estatelados, a respiração entrecortada. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de chegar ao fim. Tudo é tão aterrorizante que Conor não se mostra nem um pouco assombrado quando uma árvore próxima à sua casa – um imponente teixo – transforma-se em um monstro. Além disso, ele precisa lidar com coisas mais urgentes e graves – o reinício dos tratamentos contra o câncer aos quais sua mãe terá que se submeter, a vinda da avó para ajudá-los, a permanente ausência do pai desde que ele foi morar com a nova família e a pesada perseguição na escola, da qual é vítima quase todos os dias. Tudo muito mais perturbador do que uma criatura feita de folhas e galhos. Só que o monstro sabe que Conor esconde um segredo. E isso o torna realmente assustador. Mas por que Conor deveria dar ouvidos a algo que parece imaginado? Por que o monstro parece ser a única criatura a estar ao seu lado diante de seus maiores medos – o de perder a mãe e o de contar a verdade.

“Histórias são criaturas selvagens, continuou o monstro. Quando você as liberta, como saber a devastação que elas podem causar?”

O chamado do monstro caiu meio que de paraquedas nas minhas mãos logo no começo do ano, mas veio em ótimo hora próximo ao lançamento do filme Sete minutos para a meia-noite. Aproveito aqui pra agradecer a Somos Educação pelo envio do livro.

Essa versão da editora Ática conta com ilustrações do Jim Kay, que ajudam a dar o tom à belíssima história apresentada aos leitores. A história desse livro já é emocionante pro si só: a ideia é na verdade da autora britânica Siobhan Dowd, que infelizmente faleceu vítima de câncer em 2007. Felizmente o autor Patrick Ness concordou em colocar a ideia de Siobhan em palavras e o resultado não poderia ser melhor. O chamado do monstro é um dos livros mais emocionantes e belos que eu li na minha vida.

A princípio parece uma história fantástica sobre um garoto que encontra com o monstro do teixo… mas na verdade O chamado do monstro conta a história de Conor, um jovem garoto de 13 anos que sofre de bullying na escola, que quase não tem amigos, filho de pais separados, mas que vive muito bem a sua mãe, obrigada. Acontece que a mãe de Conor tem câncer e ela sofre uma recaída. Uma história bem real e triste.

O monstro do teixo na história vem não para assustar Conor, mas para ajudá-lo. Ele decide que vai contar 3 histórias ao garoto e, depois disso, Conor terá que contar uma história para ele. O grande problema é que essa história que o adolescente precisa contar ao monstro é exatamente algo que realmente o assusta, seu maior medo na vida. É muito difícil não se emocionar com a história, terminei a minha leitura aos prantos, mas com uma sensação maravilhosa por ter a oportunidade de ler uma narrativa tão poderosa. Obrigada Patrick Ness por dar vida a essa ideia emocionante que infelizmente a Siobhan não pôde desenvolver em vida.

Com ilustrações maravilhosas, um enredo simples, curto e direto, porém com uma mensagem grandiosamente importante, O chamado do monstro é uma daquelas leituras que te marcam para o resto da vida. Leitura mais do que recomendada!

“Histórias são importantes, o monstro falou. Podem ser mais importantes do que qualquer outra coisa. Se carregam a verdade.”


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Já leu "O chamado do monstro"? Quantas estrelas você dá para o livro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Sobre Bru Fernández

Formada em Letras, trabalha como Revisora e Tradutora em uma agência publicitária e preenche suas horas vagas assistindo a seriados, filmes e partidas de futebol, vôlei, basquete e ice hockey, além de ouvir música, ir a shows e, claro, ler. Não curte chick-lits e prefere os thrillers, policiais, YA e fantasia. Nunca sai de casa sem guarda-chuva e um livro na bolsa, afinal nunca se sabe quando irá chover ou surgir uma fila/trânsito em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*