sábado, 29/04/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “SAL”, de Letícia Wierzchowski

Resenha: “SAL”, de Letícia Wierzchowski

SalLivro: SAL
Autora: Letícia Wierzchowski
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Tradução:
Resenha por: Monique Marie
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Um farol enlouquecido deixa desamparados os homens do mar que circulam em torno da pequena e isolada ilha de La Duiva. Sob sua luz vacilante, a matriarca da família Godoy reconstitui as cicatrizes do passado. Em sua interminável tapeçaria, Cecília entrelaça as sinas de Ivan, seu marido, e de seus filhos ausentes, elegendo uma cor para cada um.

Com uma linguagem poética, a premiada escritora gaúcha Leticia Wierzchowski, autora de A casa das sete mulheres, dá voz e vida a cada um dos integrantes da família Godoy, criando uma história delicada e surpreendente, enriquecida por múltiplos e divergentes pontos de vista.

Sabe aquele e-mail marketing cheio de promoção e você bate o olho em um livro por menos de cinco reais? Pois bem, foi assim que descobri SAL e achei a sinopse encantadora, além do fato de gostar do que a autora fez em A casa das sete mulheres. Quis a vida que ele entrasse para aquela famosa pilha do “depois eu leio”.

Em uma brincadeira aqui do Livros em Série ele acabou sendo o meu escolhido para sair dessa pilha e finalmente ser lido e resenhado. Sabe uma relação de amor e ódio? É isso.

Como esse ano deixarei o amor prevalecer só vou falar do que vale a pena. A história flui bem e não é tão complicada de ser lida mesmo com a linguagem usada pela autora, às vezes é um pouco rebuscada, mas nada que afete a compreensão. Temos três divisões onde mudam os narradores e apenas a segunda parte é em terceira pessoa. Apesar da história se passar no farol, temos uma boa viagem nas lembranças do que aconteceu na vida de cada membro da família.

Em relação aos personagens não citarei todos pois são muitos, só a família Godoy é responsável por oitenta porcento do livro, mas vale destacar Cecília que é quem começa a contar a história de cada filho e descobrir segredos do passado.

Não dá para relatar demais pois cairemos no clássico spoiler. Vocês encontrarão personagens extremamente bem construídos, com personalidades completamente diferentes e aprofundadas pela autora. Mil pontos positivos para isso. Outro fato a ser colocado é que o leitor começa a saber da história de cada filho de Cecília quando ela resolve fazer um tapete dando uma cor diferente para cada um. Achei isso bonito e ao mesmo tempo fiquei me perguntando o que cada cor teria a ver com cada pessoa. Quem sabe lendo vocês descubram.

Vale ressaltar que são tantas histórias que você fica um pouco perdido (e olha que eu disse que não falaria da parte ruim) e até se pergunta porque tanta informação. Ao fim do livro percebe que várias eram importantes para entender e até dá para não ficar tão brava com a autora pela confusão criada em sua mente.

O fim do livro é bom e ao mesmo tempo estranho. Estranho porque você fica tempo demais pensando no que aconteceu e se sente um pouco mal, eu não consigo explicar em palavras a sensação exata ao terminar esse livro, mas que fiquei com um aperto no peito isso posso afirmar.

Antes que me esqueça: se você tem algo contra um possível romance homossexual mesmo situado há anos e anos atrás é bom não chegar perto do livro.

Se mais alguém leu por favor dividam suas experiências comigo, quero saber se SAL causou sensações estranhas em mais alguém!

A resenhista leu e resenhou esse livro para o Desafio de Leitura do Livros em Série de 2017. Clique aqui para saber mais sobre o desafio e, quem sabe, participar!

#desafiodeleiturales2017


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.

Já leu "Sal"? Quantas estrelas você dá para o livro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Sobre Monique Marie

Publicitária frustrada com o pouco dinheiro da área e admiradora de tudo que envolve a política. Gosta de seriados que tenham serial killers, filmes infantis, fanática por futebol e F1, além de tentar competir com o Dr. Reid (Criminal Minds) quem lê mais rápido. Geralmente não gosta de ler o que está "na moda", adora indicações e ainda acredita que muitos livros se vendem pela capa. Não se separa de seu amigo rivotril e escreve no mínimo um texto por dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*