segunda-feira, 20/02/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas Fora de Série » Resenha: “Sway”, de Kat Spears

Resenha: “Sway”, de Kat Spears

SwayLivro: Sway
Autor: Kat Spears (@katwritesbooks)
Editora: Globo Alt
Páginas: 256
Tradução: Santiago Nazarian
Resenha por: Kinina
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Sway é o apelido de Jesse Alderman, por causa de seu talento para conseguir qualquer coisa para qualquer pessoa, como providenciar trabalhos escolares, fazer com que pessoas sejam expulsas da escola, arrumar cerveja para as festas, entre outras coisas, legais ou ilegais… É sabendo dessa fama que Ken Foster, o capitão do time de futebol da escola, pede a ele um trabalho controverso: Ken quer que Bridget Smalley saia com ele. Com seu humor ácido e seu jeito politicamente incorreto de ver a vida, Sway terá que encarar o trabalho mais difícil que já teve: sufocar todos os sentimentos que Bridget desperta nele, a única menina verdadeiramente boa que ele conheceu em toda a sua vida.

“A verdadeira riqueza é medida em segredos, segredos dos outros e os meus próprios. Segredos são poder.”

Jesse é um dos personagens mais contraditórios de todos os livros que já li. A princípio, o lema dele é tratar as coisas apenas como negócios, sem se comprometer pessoalmente ou sentimentalmente com as pessoas, mas tudo muda quando ele precisa se aproximar de Bridget Smalley para fazê-la sair com Ken Foster, o capitão do time de futebol da escola. Pela primeira vez ele começa a sentir uma garota mais do que tesão; o sentimento de paixão é tanta novidade para Jesse que ele demora para entender o que está realmente sentindo. Quando você começa a conhecê-lo um pouco melhor e saber de seu passado, você começa a entender os motivos de tanto bloqueio emocional – a mãe se suicidou quando ele era mais novo. E seu pai, que é músico, foi completamente ausente depois disso e o garoto terminou praticamente terminado de se criar sozinho.

Bridget Smalley é daquelas meninas perfeitinhas e inalcançáveis! Bonita, educada, não se mete em encrenca, faz trabalhos voluntários, tem boas notas, está sempre sorrindo… praticamente aquele tipo de pessoa que dá vontade até de dar uma surra de tão perfeita. E ela promete gostar de Jesse, mesmo que ele faça de tudo para que ela não goste dele, e sim se aproxime de Ken.

“Bridget é a pessoa mais amável e efusiva que Deus já fez.”

Além de se aproximar dela, para conhecer melhor a menina e pegar informações, Jesse se aproxima do irmão dela, Pete, que tem paralisia cerebral. Assim como a irmã, Pete acredita que por trás da máscara dura e arrogante de Jesse. E a aproximação deles acaba virando amizade verdadeira.

Mas juntar Bridget de Ken não é o único trabalho dele. Além disso, ele pega missões de juntar outros casais, é ele quem arranja droga para a galera da escolha. Todos os trabalhos que ele arranja caem em contradição, ele faz muita merd@, mas no final acaba ajudando quase todo mundo que aparece na história. Posso dizer que Jesse é um verdadeiro anti-heroi.

A história tem bastante drama juvenil, afinal estamos falando de adolescentes colegiais, mas é uma leitura leve. Os primeiros capítulos não são muito emocionantes, mas a partir da metade do livro a história começa a fluir. Não tem como não se apaixonar por Jesse e odiar e amar ele por tudo que ele faz até a última página!

“Às vezes o que queremos e o que o mundo espera de nós são duas coisas diferentes.”


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Sobre Kinina

Formada em Hotelaria e Análise de sistema, mas trabalha com Atendimento em uma agência publicitária. Passo o tempo lendo, assistindo seriados, ouvindo música e tendo ideias malucas. Vai que um dia alguma dá certo e ela fica rica e famosa...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*