sexta-feira, 24/11/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Bridget Jones: Louca pelo garoto”, de Helen Fielding

Resenha: “Bridget Jones: Louca pelo garoto”, de Helen Fielding

Bridget Jones: Louca pelo garoto Livro: Bridget Jones: Louca pelo garoto
Série: Bridget Jones
Autor: Helen Fielding
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 432
Tradução: Julia Romeu, Ana Ban e Renato Prelorentzou
Resenha por: Juh Claro
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Catorze anos após o último livro, Bridget Jones: No limite da razão, nossa heroína retoma seu diário abandonado e mostra que continua a mesma, e ainda mais viva – e ativa – do que nunca. O tempo se encarregou de trazer à sua vida outros dramas e dilemas, mas não levou embora seu jeito estabanado e a personalidade luminosa sem a qual ela não poderia enfrentar os momentos comoventes que a aguardam. Além de não descuidar da balança e manter-se longe dos cigarros, agora ela também precisa se preocupar com sites de relacionamentos, o número de seguidores no Twitter e os perigos de trocar mensagens de texto depois de algumas taças de vinho.
Ainda às voltas com os amores, Bridget tropeça em novas confusões e tenta em vão se esquivar das gafes que ajudaram a consagrá-la como uma das personagens mais divertidas da literatura feminina contemporânea, enquanto figuras antigas e recentes desfilam por sua vida – sobretudo um garoto misterioso que vem para balançar seriamente suas certezas.
Bridget Jones: Louca pelo garoto traz um desfecho inesperado para a história que já conhecemos, sem deixar de abrir portas a outras aventuras. Leitura obrigatória para qualquer mulher de hoje, o romance é um retrato fiel e bem-humorado das tribulações ao mesmo tempo trágicas e risíveis que compõem nosso dia a dia.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

#01 - O diário de Bridget Jones Bridget Jones: No limite da razão

Bridget Jones: Louca pelo garoto é o terceiro livro da série Bridget Jones da autora britânica Helen Fielding e, apesar de ter sido lançado antes de O bebê de Bridget Jones, ele é o 4º (e teoricamente último) livro da série. Ele se passa 14 anos após o nascimento do primeiro filho dela e, por isso, acho que é mais interessante ler na ordem cronológica da história do que pela ordem de lançamento.

Neste “último livro” vemos Bridget sofrendo muito após a perda de seu marido, Mark Darcy. Viúva e mãe de duas crianças, Billy e Mabel, ela tenta seguir a vida de forma infeliz e desmotivada. Ela não quer ter mais nenhum relacionamento amoroso, não sabe como fará para criar as duas crianças sozinha e não consegue se concentrar em seu novo trabalho de modo algum.

Bridget tenta escrever um roteiro para enviar a alguns conhecidos para tentar virar uma peça ou até um filme, mas, como de costume, sempre começa a divagar sobre outras coisas quando senta para tentar se concentrar e termina o dia sem ao menos ter escrito uma linha. É em um de seus devaneios que ela resolve entrar para a era tecnológica e criar uma conta no tal do Twitter. Mesmo sem entender muito bem como funciona a rede social, ela tentar encontrar maneiras para ganhar seguidores e tentar ultrapassar a Lady Gaga.

É no meio desses seguidores aleatórios que ela acaba conhecendo um garotão, Roxter e resolve se encontrar com ele. Eis que o encontro dá super certo e eles iniciam um relacionamento delicioso, sem envolver as crianças para não deixar a coisa íntima demais. Ela finalmente está se “livrando” da virgindade que readquiriu após a morte de Mark e tem adorado tudo isso.

Além do novo namorado e o bom relacionamento com os seus amigos, a história de Bridget, As folhas no cabelo dele, foi escolhida para ser transformada em roteiro de cinema! Sua mãe largou um pouco do seu pé por estar morando em uma casa de repouso junto com sua amiga, Una e Bridget finalmente está seguindo uma boa dieta e voltando a ter o peso pré-gravidez!

Mas quando a vida está boa demais, alguma coisa precisa acontecer para mudar tudo, não é mesmo? Isso acontece de forma totalmente natural, mas atinge Bridget de forma avassaladora e nos faz duvidar um pouco se ela conseguirá sair dessa novamente.

“TERÇA-FEIRA, 1O DE JANEIRO DE 2013

21h15 Tomei uma decisão. Vou mudar completamente. Este ano, não vou fazer nenhuma resolução de Ano-Novo, vou me concentrar em ser grata por ser como sou. Resoluções de Ano-Novo implicam expressar insatisfação com o status quo em vez de gratidão budista.

21h20 Na verdade, talvez eu faça algumas minirresoluções, mais ou menos como o miniguarda-roupa que em breve vou ter.”

O ponto alto dessa história é a participação das crianças (Mabel tem ótimas tiradas) e a evolução de Bridget, mesmo após os 50 anos, de entrar para o mundo online. Finalmente o enredo conseguiu tirar algumas risadas de mim e a leitura fluiu muito bem, mesmo com algumas partes meio cansativas de “oh céus, oh vida”, típico de Jones.

Este é o único livro que até o momento não teve adaptação cinematográfica e, sinceramente, acho que nem irá. Não dá para afirmar que este é o último livro da série pois a autora pode muito bem continuar a história e lançar quantos mais ela quiser (mas na minha opinião, já deu rs).

Este foi o melhor dos quatro, na minha opinião. A Bridget está bem mais madura, mas continua sendo desastrada e avoada, é menos dependente de homens e mostra-se mais dona de si ao invés de levar em consideração apenas o que os outros falam. Acredito que a convivência com o Mark tenha tornado Bridget uma pessoa melhor e que, mesmo sem ele, ela finalmente aprendeu a tomar conta de si mesma e a seguir em frente. Ainda bem que a série “terminou” de uma forma boa, sem me deixar totalmente decepcionada com a escritora ou a personagem.

Apesar de ser o “maior” livro de todos – em quantidade de páginas, foi o que eu li em menos tempo. E apesar de não ter sido o último escrito pela Helen, na minha opinião foi a melhor escrita entre todos. Parece até uma outra pessoa escrevendo, sério!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Já leu "Louca pelo garoto"? Quantas estrelas você dá para o livro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Sobre Juh Claro

26 anos, formada em Design Digital, MBA em Gerenciamento de Projetos, trabalha como Analista de Projetos em uma multinacional de BPO (aka Contact Center) de segunda à sexta e divide os seus finais de semana e horas vagas entre leituras, shows, viagens e jogos de futebol, na maioria das vezes acompanhada do noivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*