terça-feira, 23/05/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Resenha: “Boston Boys”, de Giulia Paim

Resenha: “Boston Boys”, de Giulia Paim

Boston Boys Livro: Boston Boys (#01)
Série: Boston Boys
Autor: Giulia Paim (@giuliappaim)
Editora: Globo Alt
Páginas: 333
Tradução:
Resenha por: Nina Lima
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

Boston Boys conta a história de Ronnie Adams, uma garota responsável e pé no chão, que vive em Boston desde que nasceu. Sua vida vira de cabeça para baixo quando ela descobre que sua mãe, uma analista de sistemas, resolve mudar radicalmente de emprego: se torna produtora do programa de TV Boston Boys, uma série de sucesso que mostra a vida perfeita de três integrantes de uma boyband americana, que é o último programa que Ronnie gastará seu tempo para assistir. Para lhe trazer ainda mais dor de cabeça, Mason McDougal vocalista da banda e protagonista da série vai morar com ela e sua família por motivos que ela desconhece.

A convivência diária com um astro de TV egocêntrico e implicante é difícil para Ronnie e piora ainda mais quando ela tem que lidar com os outros dois atores do programa: Henry e Ryan. Além deles, surge um fã louca e perseguidora que parece rastreá-la a cada passo.

Ronnie vive altas aventuras com os garotos uma viagem internacional, uma guerra cibernética de boatos para uma revista, seu ódio pelas meninas de sua escola, as picaretagens de produtores e até uma possível separação da banda. Apesar de tudo, ela cria um vínculo com este universo glamouroso que achava nunca ser possível.

“Se eu pensei por um breve momento, BREVE MESMO, que poderia have a mínima possibilidade de eu gostar dele, essa hipótese acabara de ir por água abaixo.”

Ah, que saudade eu estava de ler um chicklit levinho \o/

Confesso que depois das minhas últimas leituras, estava um pouco receosa de ler uma história de adolescente de autora nacional, mas foi uma surpresa muito boa Boston Boys ter caído no meu colo.

Já cheguei cheia de pré-conceitos para começar a leitura, mas todos os erros comuns que alguns autores cometem, a Giulia não cometeu. Primeiro, a história se passa em Boston, mas a gente não precisa ficar visitando cada ponto turístico da cidade. Ponto para a Giulia! É sobre adolescentes, mas nenhum deles precisa necessariamente estar desesperado pelo amor verdadeiro e eterno. Mais um ponto pra Giulia. Para a história ser boa, não é preciso que haja pelo menos uma cena com as pessoas se pegando e tirando a roupa. Ponto pra Giulia!

Ronnie Adams é uma adolescente normal, que se esforça na escola para ter boas notas, mas não é excepcionalmente boa em nada, nem é a pessoa mais bonita e popular do colégio. Bem normal mesmo. Mas isso até o queridinho da banda sensação da TV ir morar em sua casa. De uma bela ninguém, Ronnie passa a ser alvo de ódio e inveja de todo o público feminino da escola. Achou fácil? E se o queridinho da banda for também um grande folgado, que te faz de empregada?

Mason McDougal, o líder dos Boston Boys, é um garoto complicado. Meio marrento, meio folgado, meio metido… Um pouco de tudo, e também, muito charmoso! Na minha cabeça, ele é a cara do Brooklyn Beckham – com a licença poética de ter o cabelo mais claro. Ryan é o tipo musculoso, meio cabecinha oca, e Henry é o inteligente. Cada Boston Boy tem sua característica e eles se completam, enlouquecendo as garotas em todos os cantos dos Estados Unidos.

Minha personagem favorita é a Mary, irmã mais nova da Ronnie. Ela tem 11 anos, mas é super esperta e inteligente! Algumas vezes, consegue ler as situações melhor que a avoada da Ronnie.

Eu adorei as referências que a Giulia usou para construir a história, um pouco do senso comum da cultura americana, misturando um pouquinho com a nossa realidade. Ao longo da leitura eu encontrei alguns errinhos de concordância, que devem ter passado batido na revisão, mas nada grave ou que comprometa a leitura.

A única crítica que eu faço à história é que na página 168, surge em uma revista de fofoca um boato de que Henry e Ryan, os outros membros do Boston Boys, são namorados e o Ryan diz para a Mary que é “macho mesmo”, mesmo não tendo nada contra quem não é. Acho que aqui é importante ter cuidado para não reproduzir um discurso tão ultrapassado quando abordar a questão da homossexualidade, afinal de contas, orientação sexual não define caráter, ou se o homem é ou não “mais macho”. Eu acredito que esse é o tipo de mensagem que deve ser tratada com o máximo de cuidado, pois o livro é destinado ao público jovem mesmo, e não queremos transmitir uma ideia errada, certo?

No mais, achei a escrita da autora bem fluida e leve, não tendo partes cansativas e nem muita “encheção de linguiça”. É um estilo bem parecido com o da Meg Cabot, mas sem copiar, bem original. Gostei muito do livro e tô bastante ansiosa para o que acontece em Boston Boys 2 – Descendo do Palco!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.

Já leu "Boston Boys"? Quantas estrelas você dá para o livro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Sobre Nina Lima

Poderia ser qualquer outra coisa, mas resolveu ser turismóloga e apaixonada pela Inglaterra e pelo McFLY. Leu a trilogia Jogos Vorazes em três dias e amou; considera Harry Potter a melhor série do mundo, adora a escrita da Meg Cabot e topa qualquer YA Book.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*