quarta-feira, 29/11/2017
Últimas do LeS:
Capa » Resenhas de Série » Crítica: Assassinato no Expresso do Oriente

Crítica: Assassinato no Expresso do Oriente

Química perfeitaFilme: Assassinato no Expresso do Oriente (2017)
Adaptação: Assassinato no Expresso do Oriente
Autor: Agatha Christie
Tempo: 1h 54min
Gênero: Crime, Drama, Mistério
Resenha por: Nanda Siepierski

O que começa como um luxuoso passeio de trem pela Europa rapidamente se desdobra em um dos mistérios mais elegantes, tensos e emocionantes já contados. Do romance da autora mais vendida do mundo, Agatha Christie, “Assassinato no Expresso do Oriente” conta a história de treze estranhos presos em um trem, onde todos são suspeitos. Um homem deve correr contra o tempo para resolver o quebra-cabeça antes que o assassino ataque novamente. Kenneth Branagh dirige e lidera um elenco de estrelas incluindo Penelope Cruz, Willem Dafoe, Judi Dench, Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Daisy Ridley e Josh Gad.

Muitas pessoas cresceram com as histórias de Hercule Poirot, escritas por Agatha Christie. Eu fui uma delas.

Várias vezes, o detetive apareceu na tv e cinema em adaptações dos livros da autora. Em 2017, chegou aos cinemas a mais recente adaptação do livro Assassinato no Expresso do Oriente. Lógico que eu fiquei bastante empolgada com isso e fui correndo assistir.

Kenneth Branagh assume o papel de Hercule Poirot, o famoso detetive dos livros de Agatha Christie. A introdução do filme mostra o raciocínio do detetive ao solucionar um crime na frente do Muro das Lamentações (Jerusalém). Nesse momento, já dá para perceber que o Poirot de Kenneth Branagh é diferente das outras versões que estou acostumada. Mesmo mantendo a meticulosidade do personagem e o bigode (ficou bem exagerado e eu adorei), no filme, o personagem interpretado por Kenneth Branagh é bem mais sério e imponente do que a versão simpática e até mais cômica das outras versões.

Assim como no livro, A história se passa em um dos trens mais famosos do mundo: O Expresso do oriente. Quando uma nevasca para o trem, descobre-se que um dos passageiros da primeira classe foi assassinado. O detetive Poirot então começa a entrevistar todos os passageiros do vagão para descobrir o assassino. A partir disso, descobre-se que o assassinato não foi ao acaso e que há muito mais história a ser contada. O mais surpreendente foi o destino final dos passageiros da primeira classe, que é diferente do final do livro. Foi algo que me pegou de surpresa, mas a mesmo tempo foi interessante para a história.

No entanto, eu me decepcionei com o tanto que os personagens ficaram monótonos. Os personagens do livro de Agatha Christie são bem caricatos e no filme parece que suavizaram todo mundo para ficarem mais “reais”. O elenco do filme conta com grandes nomes de Hollywood – além de Kenneth Branagh, Michelle Pfeiffer, Judi Dench, Johnny Depp, Willem Dafoe, Daisy Ridley Penelope Cruz, Leslie Odom Jr. (do musical Hamilton), Derek Jacobi, Olivia Colman e muito outros aparecem como os passageiros do Expresso do Oriente. E mesmo com grandes estrelas, nenhuma brilhou tanto e os personagens não me cativaram como eu esperava – ao ponto de eu nem lembrar direito quem realmente estava no filme. A extrema seriedade do personagem de Kenneth Branagh também tira um pouco da leveza da história e deixou forçadas as partes que deveriam ser engraçadas.

Mesmo com esse detalhe, eu admiro os esforços de Kenneth Branagh como personagem principal e como diretor. O filme ficou bem próximo do livro e eu gostei bastante. Assistirei novamente!

O filme estreia nos cinemas brasileiros no dia 30 de novembro.

Sobre Nanda

Formada em Relações Internacionais e Economia, tem 25 anos, é hiperativa e adora organizar eventos (principalmente de livros). Também adora filmes, livros (principalmente aventuras infanto-juvenis, como Percy Jackson, Harry Potter e The 39 Clues), música, viagens, Disney, desenhos japoneses, maquiagem e coleções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*