01 de agosto de 2017
Postado por: Cine @ Arquivado em: Notícias

O primeiro trailer da adaptação cinematográfica para o livro Jogador Número 1 (Ready Player One), de Ernest Cline, foi divulgado neste final de semana, durante a Comic Con de San Diego.

Num futuro distópico situado em 2044, Wade Watts, como o resto da humanidade, prefere a realidade virtual do jogo OASIS ao mundo real. No jogo, seus usuários devem descobrir a chave de um quebra-cabeça diabólico, baseado na cultura do final do século XX, para conquistar um prêmio de valor inestimável. Para vencê-lo, porém, Watts terá de abandonar a existência virtual e ceder a uma vida de amor e realidade da qual sempre tentou fugir.

O filme é uma adaptação de Steven Spielberg e conta Tye Sheridan, Olivia Cooke, Ben Mendelsohn, Mark Rylance, Simon Pegg e T. J. Miller no elenco principal. Sua estreia está prevista para 30 de março de 2018.

Jogador Número 1



01 de agosto de 2017
Postado por: Cine @ Arquivado em: Notícias

Em comemoração aos 20 anos da publicação do primeiro livro da saga Harry Potter, Harry Potter e a Pedra Filosofal, J. K. Rowling anunciou um grande presente para os fãs dos bruxinho mais famoso do mundo: dois novos livros sobre o mundo mágico de Hogwarts.

novos livros de harry

De acordo com a editora Bloomsbury, responsável pela publicação da série, Harry Potter: A History of Magic, The Book Exhibition e Harry Potter, a Journey Through a History of Magic irão contar com as disciplinas estudadas em Hogwarts, além de curiosidades sobre personagens, feitiços e criaturas mágicas.
Ambos livros incluem rascunhos e manuscritos de J.K. Rowling, ilustrações de Jim Kay e artefatos dos arquivos da biblioteca. Os livros devem chegar às livrarias do Reino Unido em outubro de 2017.



28 de julho de 2017
Postado por: Nina Lima @ Arquivado em: Resenhas de Série

A sombra do ventoLivro: A sombra do vento (#01)
Série: O cemitério dos livros esquecidos
Autor: Carlos Ruiz Zafón (@ZafonOficial)
Editora: Suma de Letras
Páginas: 399
Tradução: Márcia Ribas
Resenha por: Nina
Comprar: Saraiva Cultura Amazon + ofertas

Numa madrugada de 1945, em Barcelona, Daniel Sempere é levado por seu pai a um misterioso lugar no coração do centro histórico: o Cemitério dos Livros Esquecidos. Lá, o menino encontra A Sombra do Vento, livro maldito que mudará o rumo de sua vida e o arrastará para um labirinto de aventuras repleto de segredos e intrigas enterrados na alma obscura da cidade, A busca por pistas do desaparecido autor do livro que o fascina transformará Daniel em um homem ao iniciá-lo no mundo do amor, do sexo e da literatura.
Numa narrativa de ritmo eletrizante que mistura gêneros como o romance de aventuras de Alexandre Dumas, a novela gótica de Edgar Allan Poe e os folhetins amorosos de Victor Hugo, Carlos Ruiz Zafón mantém o leitor em estado de contínuo suspense. Ambientada na Espanha franquista da primeira metade do século XX, entre os últimos raios de luz do modernismo e as trevas do pós-guerra, A Sombra do Vento é uma obra sedutora, comovente e impossível de largar. Uma grandiosa homenagem ao poder místico dos livros.

“Cada livro, cada volume que você vê, tem alma. A alma de quem o escreveu e a alma dos que o leram, que viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro troca de mãos, cada vez que alguém passa os olhos pelas suas páginas, seu espírito se expande e a pessoa se fortalece.”

Como um livro pode impactar nos acontecimentos do resto da sua vida?

Daniel Sempere acordou um dia e não conseguia se lembrar mais do rosto da mãe, que havia morrido algum tempo antes. Para consolá-lo, o pai o leva até o Cemitério dos Livros Esquecidos. Lá, ele tem contato pela primeira vez com A sombra do vento, um livro que carregava consigo mais que somente uma história.

Daniel imediatamente se joga na trama e fica fascinado pelo autor, Julián Carax. Porém, depois de encontrar pouca informação a respeito dele, descobre que, por algum motivo, todos os livros de sua autoria estavam desaparecendo. E ele então parte numa aventura jornalística para descobrir o que aconteceu com Carax e por que alguém deseja que seus livros desapareçam para sempre.

O personagem do livro que mais me cativou foi Fermín Romero de Torres. Fermín entra na história como um mendigo que ajudou Daniel num dia que ele tomou uma surra. Depois de um tempo, precisando de ajuda na livraria, Daniel vai atrás do mendigo e dá nele um banho e roupas limpas, e Fermín até chora de gratidão. Se antes passava a imagem de louco, Fermín mostra-se bastante competente na tarefa que lhe foi dada, mas ainda tem que conviver com alguns fantasmas de seu passado.

A trajetória dos outros personagens é explicada em boa medida, ou seja, não deixa a desejar nos aspectos que são relevantes ao enredo. O que é importante saber sobre eles para que faça sentido na jornada que Daniel nos leva (inclusive as próprias experiências que formam o caráter e personalidade desse personagem) é exposto.

A narrativa é bem descritiva e passa bastante contexto do momento histórico e político que Barcelona atravessa, e muitas vezes essa quantidade de detalhes desfavorece o andamento da história e pode até parecer enfadonha. Contudo, é uma característica da escrita do autor que deixa o livro mais ilustrativo. O importante é focar nos personagens.

Zafón é bastante detalhista e tenta criar um ambiente em cada cena que ele descreve. Como dito anteriormente, pode desacelerar a história e fazer com que o ritmo fique menos interessante, mas a recompensa vem da resiliência na leitura. A trama é bem amarrada, porém pode parecer meio complicada para quem não tem o costume de ler suspense. Não é um livro que eu recomendaria para pessoas que estão procurando uma leitura leve e descomplicada.

Uma curiosidade sobre a série é que na primeira página de A Sombra do Vento há um aviso de que não existe uma ordem precisa ou uma cronologia a ser seguida para a leitura dos livros; um detalhe que não provoca perdas no entendimento do universo, pois os enredos são independentes, muito embora estejam conectados. A história tem início, meio e fim e pode ser explorada em qualquer ordem. E eu mal posso esperar pelo próximo!


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.



26 de julho de 2017
Postado por: Bru Fernández @ Arquivado em: Resenhas de Série

Resenha A conquistaLivro: A conquista (#04)
Série: Amores improváveis
Autor: Elle Kennedy (@ElleKennedy)
Editora: Paralela
Páginas: 336
Tradução: Juliana Romeiro
Resenha por: Bru Fernández
Comprar: Saraiva Submarino Cultura Amazon + ofertas

De todos os jogadores do time de Hóquei da universidade de Briar, John Tucker se destaca por ser o mais sensato, gentil e amável. Diferente de seus amigos mulherengos, ele sonha mesmo é com uma vida tranquila: esposa, filhos e, quem sabe um dia, abrir um negócio próprio. Mas nem mesmo o cara mais calmo do mundo estaria preparado para o turbilhão de emoções que ele está prestes a enfrentar.

Sabrina James é a pessoa mais ambiciosa, dedicada e batalhadora do campus. Seu jeito sério e objetivo é interpretado por muitos como frieza, mas ela não está nem aí para sua fama de antipática. Tudo o que ela quer é passar em Harvard, tirar ótimas notas e conquistar a tão sonhada carreira como advogada. Só assim ela conseguirá escapar de seu passado difícil e de sua família terrível. Um acontecimento inesperado vai desses jovens de cabeça para baixo. Tucker e Sabrina vão precisar se unir e rever seus planos para o futuro. Juntos, eles aprenderão que a vida é cheia de surpresas, e que o amor é a maior conquista de todas.

ATENÇÃO! Esse livro não é o primeiro da série e a resenha pode conter spoilers! Confira nossas resenhas anteriores dessa série, clicando na capa desejada:

Quando a editora Paralela publicou O acordo no ano passado e eu me interessei pela história, não poderia imaginar que Amores improváveis se tornaria uma das minhas séries preferidas e mais queridas! Peguei A conquista para ler com sentimentos contraditórios: feliz por ter mais uma história dos jogadores de hóquei da Briar em mãos, tristeza por ser o último da série e ceticismo, afinal duvidava que John Tucker – a personagem principal de A conquista – tiraria o posto de melhor personagem/namorado de Dean DiLaurentis. E é aí que Elle Kennedy nos surpreende novamente!

Não me entendam errado, Dean ainda é meu favorito, mas John Tucker ganhou meu coração ao longo das páginas dessa história. Nos outros livros Tucker é descrito como o “pai de todos”, mais sensato e responsável dos jogadores que dividem a casa. E acreditem, ele é mesmo. Longe de ser um santo, mas um homem – e que homem! – com um coração de ouro. Mesmo sendo advertido a ficar longe de Sabrina James, que Dean afirma ser encrenca, ele não se deixa levar pela opinião alheia e segue seu coração (e sua cabeça de baixo) com resiliência e paciência admiráveis.

“Mas se tem uma coisa que aprendi em todos esses anos jogando hóquei é que vale a pena ter paciência. Você não manda uma tacada para o gol assim que recebe o passe. Você espera uma abertura.”

O que eu mais gostei em A conquista é que o começo da narrativa é paralelo a alguns acontecimentos de O jogo. Foi muito divertido ver o outro lado do que estava acontecendo e perceber que a autora já começou a construir a narrativa de Tucker dentro da narrativa de Dean. Genial!

De todas as personagens femininas criadas por Kennedy, acredito que a de Sabrina James é a que mais pena para se entregar de verdade ao amor. A personagem teve uma vida muito difícil, sendo abandonada pelo pai, anos depois pela mãe e criada pela avó – a quem ela ama muito, apesar do ressentimento que existe entre as duas – e pelo padrasto nojento, que agora está num relacionamento com a avó dela. Complicado é pouco para descrever o lar de Sabrina. Mas mesmo rodeada de dessa energia negativa incessante, Sabrina desde pequena tem muitos planos para o futuro: ser uma grande advogada, entrar em Harvard e trabalhar nas melhores e maiores firmas de advocacia de Boston.

“Um sorriso curva meus lábios. Gata, exuberante e trabalhadora? Caramba. Minha mãe ia adorar essa menina.”

O foco da personagem em ser uma grande advogada e ter muito dinheiro para sair do lugar sufocante que hoje ela chama de casa é tanto que ela não se dá ao luxo de ter tempo para namorar sério. Homens servem apenas para o sexo e nada mais. Pelo menos é no que ela acredita, até ficar com Tucker. Ela tenta afastá-lo de todas as maneiras que pode, afinal, Sabrina não sabe o que é ser amada e cuidada. Isso assusta demais a personagem. Mas sempre que ela precisa de alguém ao seu lado para ajudá-la, lá está ele, pronto para ser seu apoio. Reafirmo aqui… que homem é esse minha gente… que homem é esse!

Como todos os outros livros da série, A conquista é uma delícia de leitura. Daquelas que a gente se envolve tanto que quando percebe, passamos o dia no sofá/na cama com a cara enfiada no livro, e só paramos ao chegar na última página e já estarmos cheia de saudades de histórias da Briar e seus jogadores de hóquei… mas nem tudo está acabado!

A autora já anunciou que vai escrever uma série spin-off de Amores improváveis e o primeiro livro será nada mais, nada menos sobre Fitzy – um dos meus personagens secundários favoritos!!! – e Summer, irmã de Dean! Fiquei tão feliz que meu coração deu pulinhos. Ainda não há previsão de lançamento e nem de quais serão os outros casais dessa nova série mas já estou animadíssima para essa nova série. Basta saber se a editora Paralela vai continuar a publicar os livros por aqui… diz que sim vai gente! ;)


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.



26 de julho de 2017
Postado por: Cine @ Arquivado em: Resenhas Fora de Série

O sol também é uma estrela
Livro: O sol também é uma estrela
Autor: Nicola Yoon (@nicolayoon)
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Tradução: Alves Calado
Resenha por: Cine
Comprar: Saraiva Amazon + ofertas

Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.

Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservadopara nós dois.

O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?

“Carl Sagan disse que se você quiser fazer uma torta de maçã do começo, você primeiro precisa inventar o universo.”

Ah, Nicola Yoon, você está subindo na minha listinha de autores contemporâneos favoritos! Que livro mais adorável. Quando eu o peguei para ler, não sabia muito sobre a história, só que era um romance entre dois adolescentes que por obra do destino se encontram um dia e a história toda se passa em 24 horas. Daniel e Natasha, personagens principais, são completamente diferentes em suas crenças e o que querem fazer com sua vida após terminarem a escola. Eles se conhecem em um dia que Natasha faz uma última tentativa de impedir que sua família seja deportada de volta para a Jamaica depois de anos morando nos Estados Unidos, e Daniel se prepara para sua entrevista que pode garantir seu lugar numa das mais conceituadas universidades do USA, mesmo que não seja isso que ele queira. Daniel decide seguir sinais do universo e acaba encontrando Natasha em seu caminho e partir dali, os dois passam o dia juntos onde Daniel vai tentarfazer com que a linda jamaicana se apaixone por ele em apenas um dia.

A escrita de Yoon é muito deliciosa de se ler, é super simples e bem feita, com ótimos diálogos e construção de personagens. Eu adoro livros que têm diferentes pontos de vista, e além desse livro contar a história na visão dos personagens principais, ele também tem o ponto de vista de vários personagens secundários, o que pode parecer chato de primeiro momento, mas na verdade funciona muito bem com essa história porque conseguimos entender porque eles agem como agem. E o melhor, além da narrativa ser feita através desses personagens, o Universo também narra essa história de amor! Sim, sim, sim! Sério, eu amei demais a narrativa desse livro e consegui imaginar como até o filme dessa história seria, quero e preciso dele nas telas de cinema LOGO!

Além de uma excelente narrativa e personagens bem feitos, a autora consegue colocar assuntos como racismo e diferenças culturais de uma forma muito natural nessa história. Durante toda a leitura eu fiquei agoniada querendo saber o que iria acontecer no final, e deixa eu ir avisando que eu amei. Não foi algo esperado, mas ao mesmo tempo foi? Hahaha, é difícil explicar, mas ele não é narrado pelos personagens e deixa a história com uma pontinha de esperança, amadurecimento e aquela felicidade de esquentar o coração.

Eu definitivamente recomendo esse livro até para pessoas que não são fãs de livros jovem adulto contemporâneo, por ser uma história tão bem escrita, fácil, que te deixa pensando sobre muitas coisas da sua própria vida e como o universo é imenso.

“Eu amo o quão simples isso é para ela. Eu amo que sua solução para tudo é dizer a verdade. Eu luto com minha identidade e ela me diz que eu só preciso dizer a verdade.”


Aviso Legal: Esse livro foi adquirido pela própria resenhista.