13 de março de 2018
Postado por: Juh Claro @ Arquivado em: Resenhas Fora de Série

Os últimos dias da noiteLivro: Os últimos dias da noite
Autor: Graham Moore
Editora: Companhia Das Letras
Páginas: 440
Tradução: Jorio Dauster
Resenha por: Juh Claro
Comprar: Amazon/a> Submarino Cultura + ofertas

Os últimos dias da noite, segundo romance do jovem talento Graham Moore, é uma trama vigorosa, inspirada em eventos e personagens reais. A história recria de maneira extraordinária a disputa que em fins do século XIX opôs o cientista sérvio Nikola Tesla e o americano Thomas Edison, inventor da lâmpada, dois dos maiores gênios da história. A briga, no entanto, não envolve apenas ciência. Quando George Westinghouse decide ser o primeiro a levar a luz elétrica para o resto dos Estados Unidos — e alcançar a glória e fazer fortuna —, Edison move contra o industrial 320 processos por quebra de patentes e cobra dele indenizações milionárias. Em meio a esse embate, e sem saber absolutamente nada sobre ciência, Paul Cravath, um jovem e inexperiente advogado, é contratado para uma missão inglória: defender Westinghouse nessa causa que todos dão como perdida. Com humor raro e excelente domínio narrativo, Graham Moore mergulha nesse universo em que gênios, cientistas e industriais colocam à prova suas vaidades e ambições, numa corrida alucinante para que, no coração da noite da América, se faça a luz.

Estamos no século XIX, nos Estados Unidos, no auge das grandes invenções e descobertas, da disputa de poder e intelectualidade de cada um que diz ter descoberto ou inventado algo. Os últimos dias da noite narra exclusivamente a invenção da luz elétrica e a briga entre os possíveis inventores, copiões, ladrões e etc da mesma.

Conhecemos Paul Cravath, um jovem advogado recém contratado por George Westinghouse, que está sendo processado por Thomas Edison exatamente por conta da luz elétrica. Edison alega que já havia patenteado a sua “invenção” e Westinghouse está produzindo a fascinante lâmpada elétrica de forma indevida. O trabalho de Paul é um só: fazer com que Westinghouse não perca mais um processo. Mas como um advogado que não sabe absolutamente nada sobre física ou energia conseguirá defender alguém que diz ser o inventor mas que ninguém quer consagrar?

As personagens foram muito bem criadas, misturando alguns fatos reais que o autor levantou através de seus estudos com partes fictícias para montar a história inteira. Além de Edison e Westinghouse, temos também a participação de Nikola Tesla, mais um dos nomes envolvidos na história da energia elétrica.

É no meio de tantos nomes importantes que Paul começará sua aventura como advogado e que veremos uma guerra de egos e poder para encontrar o verdadeiro inventor – ou não. Agregando os fatos reais, que conhecemos e estudamos na escola, com algumas passagens divertidas e outras tensas, o livro traz um pouco mais de conhecimento com uma pitada e humor e romantismo.

Eu encontrei poucas resenhas desse livro por aí, mas todas elas vão contra a minha opinião: não somente as primeiras páginas foram tediosas, como todas as outras continuaram sendo. Apesar de indicar um thriller, não consegui encontrar nada de tão misterioso na história, tampouco de tão emocionante que me fizesse querer terminar o livro de uma só vez. Infelizmente, comigo foi ao contrário de tudo isso; até fiz uma certa leitura dinâmica em algumas páginas para conseguir chegar ao final.

O maior problema foi estar com a expectativa alta por conta da premissa, aí a decepção foi maior ainda. De qualquer forma, caso você se interesse por um pouco de história ou pela energia elétrica, talvez você goste mais do que eu, então não ignore totalmente.


Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o Livros em Série.




Nenhum comentário



Deixe um comentário

Os campos marcados com * são obrigatórios.





Comentário *